“Ôrí” é uma grande tradução da cultura afro-brasileira

“Ô rí”, segundo consta, em ioruba significa “cabeça” e, por extensão, “consciência”. “Ôrí”, o filme, agora relançado no cinema depois de 20 anos, é a tentativa da socióloga e cineasta Raquel Gerber de traçar um painel poético e militante da consciência negra no Brasil, em suas múltiplas facetas.

Fonte: Folha de São Paulo –

O filme começou a ser realizado em 1977, com o registro do Congresso dos Povos de Origem Africana, em São Paulo, e sofreu influências visíveis do diretor Glauber Rocha -Gerber foi amiga dele e estudiosa de sua obra.
“Ôrí”, com sua montagem descontínua e sua mistura de registros, organiza-se em núcleos temáticos: as raízes étnicas, os rituais religiosos, as lutas históricas, as formas de expressão cultural.

De um debate acadêmico a uma noite de “black music” no Chic Show de São Paulo, de um ensaio da escola de samba Vai-Vai a um ritual de candomblé, de uma manifestação antirracista a cenas cotidianas de trabalho, o filme se organiza como um caleidoscópio.

A costura é feita pela narração em “off” da historiadora e ativista Beatriz Nascimento, que aparece num simpósio na Universidade de São Paulo, bela e altiva como uma Angela Davis sergipano-carioca.

O texto, um misto de ensaio antropológico, prosa poética e panfleto político, pode ter envelhecido um pouco, mas continua intacta a força das imagens e dos sons, dando conta de uma riqueza cultural e de uma energia inesgotáveis. Para isso contribui uma concepção de montagem (de Renato Neiva Moreira e Cristina Amaral) mais rítmica e plástica do que propriamente narrativa.

“Ôrí” é talvez a mais completa tradução cinematográfica da cultura afro-brasileira em sua dupla dimensão, a de cigarra e a de formiga. No momento em que a “questão racial” volta a ser discutida no Brasil com intensidade, poucos lançamentos poderiam ser mais oportunos.

ÔRÍ

Direção: Raquel Gerber
Produção: Brasil, 1989
Onde: Cine Bombril, Frei Caneca e circuito
Classificação: não recomendado a menores de 14 anos
Avaliação: bom

Matéria original: “Ôrí” é uma grande tradução da cultura afro-brasileira

+ sobre o tema

África deve reagir perante as alterações climáticas

Por :Cristina Santos Nobel da Paz exorta líderes africanos a...

Lázaro Ramos sobre o filho:’Todos os dias é um aprendizado novo’

Lázaro Ramos compareceu ao Teatro Oi Futuro, em Ipanema,...

Racismo: o presente ainda não chegou

Ainda há muito a fazer para se iniciar um...

Senadores do Ceará lembram espírito libertário do Dragão do Mar

A contribuição do Dragão do Mar para a abolição...

para lembrar

Os 10 melhores filmes de Denzel Washington, e seus 5 fracassos

"Quando era jovem, não planejava ser ator, porque não...

Zul + Zumbi – vida e obra de uma Mulher Negra chamada Zulmira

Zul + – A certeza do recomeçar faz de...

Projeto leva mestres de comunidades tradicionais às universidades

Presente em cinco instituições de ensino, Encontro dos Saberes...
spot_imgspot_img

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...
-+=