Documentário sobre racismo é vetado por canal austríaco

Documentarista Teddy Podgorski Jr. disse ter ficado surpreso com a decisão, pois o filme havia sido recebido ‘com muito entusiasmo’ pela produção do canal.

Do G1 

Angelo Soliman (graysuede)

A televisão austríaca ORF, muitas vezes criticada pela extrema direita que governa atualmente o país, decidiu anular, de última hora, um documentário sobre o racismo vivido pelos negros em Viena.

Intitulado “Negros em Viena, de Soliman a Alaba”, fazendo referência a Angelo Soliman, escravo que ficou conhecido em Viena em 1720 por ser uma “atração em parques de diversões” e David Alaba, zagueiro austríaco do Bayern de Munique, o documentário revela os “preconceitos profundamente enraizados” enfrentados diariamente pelos negros moradores da capital austríaca.

Previsto para ir ao ar neste sábado (4), o documentário foi retirado da grade da programação “sem nenhuma explicação”, contou aos jornais Der Standard e Die Presse o documentarista, Teddy Podgorski Jr. Ele afirmou que ficou surpreso, pois o filme, de 25 minutos, havia sido recebido “com muito entusiasmo” pela produção do canal.

“Divulgar mentiras”

O cancelamento acontece sete meses após a chegada ao poder do vice-chanceler de extrema direita Heinz-Christian Strache, que desde que entrou no governo multiplicou seus ataques contra o ORF, acusando o canal de divulgar “mentiras”.

Em um comunicado, a ORF afirmou que o documentário será “remanejado”, por não “corresponder ao que havia sido pedido, tanto em termos técnicos quanto em termos de conteúdo”.

O documentário iria ser transmitido no programa “Österreich Bild” (em português, “imagem da Áustria”). No lugar, será divulgada uma matéria sobre bares típicos da capital austríaca.

+ sobre o tema

para lembrar

Ministério Público processa Globo por racismo

A emissora irá responder por danos morais coletivo e,...

Unicamp aprova cotas étnico-raciais também na pós-graduação

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) aprovou a implantação do sistema de...

Pesquisa mostra que 24% das escolas públicas não discutem o racismo

Sonora: “Acabar com o racismo é importante porque, tipo,...

Porque sou feminista – Por: Fernanda Pompeu

Já aviso aos mal-humorados de plantão: feminismo nunca foi um...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=