É crime pagar por sexo com menores, diz STJ sobre absolvição

Fonte: Terra Notícias

Foto Ian Waldie/Getty Images/

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) divulgou nota nesta terça-feira na qual afirma que mantém o entendimento, firmado em diversos precedentes e na doutrina especializada, de que é crime pagar por sexo com menores que se prostituem, “ao contrário de interpretações apressadas em torno de recente julgamento da Corte sobre o tema”. Na análise de um caso ocorrido em Mato Grosso do Sul, o STJ rejeitou a acusação de exploração sexual de menores contra duas pessoas que contrataram prostitutas adolescentes em caráter ocasional.

“O Tribunal da Cidadania tem-se destacado não só na defesa dos direitos dos menores, como também no das mulheres, das minorias e de todos aqueles segmentos sociais vítimas das várias formas de violência e preconceitos”, afirma o texto.

Segundo o STJ, ao decidir que o cliente ocasional de prostituta adolescente não viola o artigo 244-A do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o tribunal, em momento algum, afirmou que pagar para manter relação sexual com menores de idade não é crime.

“Quem pratica relação sexual com criança ou adolescente menor de 14 anos pode ser enquadrado no crime de estupro mediante a combinação de dois artigos do Código Penal e condenado à pena de reclusão de seis a dez anos”, ressalta o órgão.

O STJ afirma que os artigos são o 213, segundo o qual é crime “constranger mulher à conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça”, e o 224, pelo qual se presume a violência se a vítima não é maior de 14 anos.

“Já o artigo 244-A do ECA foi criado pelo legislador para punir, com pena de reclusão de quatro a dez anos, segundo boa parte da doutrina e precedentes desta Corte, o chamado ‘cafetão’ ou ‘rufião’ que explora e submete crianças e adolescentes à prostituição”, explica o tribunal.

De acordo com o órgão, desde a sua instalação, em 1988, o STJ tem sido firme em sua atuação jurisdicional nos casos que envolvem a proteção aos direitos das crianças e dos adolescentes.

Os réus foram condenados por terem fotografado as adolescentes nuas em poses pornográficas. Eles tinham contratado serviços sexuais de três garotas de programa em um ponto de ônibus. Elas foram levadas a um motel. Como pagamento, duas delas receberam R$ 80 cada e a terceira recebeu R$ 60.

Ao absolver os réus do crime de exploração sexual de menores, o TJ-MS tinha levado em conta o fato de que as adolescentes já eram “prostitutas reconhecidas”. A 5ª Turma do STJ confirmou o entendimento ao apontar que o crime de submeter criança ou adolescente à prostituição não abrange a figura do cliente ocasional. A relação deste não deve, segundo a tese jurídica, ser enquadrada como exploração sexual.

Matéria original:É crime pagar por sexo com menores, diz STJ sobre absolvição

+ sobre o tema

Líder do MST é encontrado morto no Rio de Janeiro

Cícero Guedes dos Santos, um dos líderes do MST...

Maioridade penal só vai atingir a população pobre

A deputada estadual Ana Lúcia (PT) anunciou na manhã...

Longe da família, morto pelo frio em SP foi velado por moradores de rua

Cinco homens rezaram juntos em voz baixa, ao lado...

Anemia Falciforme, você sabe o que é?

A anemia falciforme é uma doença genética e hereditária,...

para lembrar

65,7% das mulheres com câncer de mama esperam mais de 60 dias por tratamento no SUS

Uma pesquisa da Fundação do Câncer mostra que 65,7%...

Jovem do Distrito Federal representa o Brasil em reunião da ONU sobre drogas

Uma jovem tímida, de sorriso largo, que vive em...

Do Início ao Reconhecimento: A trajetória do Portal Geledés

Em 1988, tomei conhecimento do Geledés no Tribunal Winnie...

Magazine Luiza abre inscrições de trainee só para negros

O Magazine Luiza anunciou em comunicado a abertura de...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=