‘E o resguardo mocinha?’: Juliana Alves rebate julgamento materno

Depois de conseguir alcançar o tão almejado parto natural da forma que desejava – clique aqui para relembrar – , a atriz Juliana Alves já sente na pele o que é vivenciar a maternidade em uma sociedade que ainda responsabiliza unicamente a mulher pelos cuidados com a criança.

Do Catraca Livre

Mãe da pequena Yolanda, que nasceu no final de setembro, Juliana compartilhou em sua página pessoal sua opinião sobre os julgamentos que sofreu por deixar a filha com o pai para participar de um evento.

Rainha de bateria da escola de samba Unidos da Tijuca, do Rio de Janeiro, a atriz foi convocada para participar da escolha do samba-enredo do Carnaval 2018. Ao publicar uma foto no local o Instagram, ela foi surpreendida pelos comentários ofensivos.

“E o resguardo mocinha? Só pode badalar depois de 40 dias para ter saúde para o resto da vida”, escreveu um seguidor. “e o neném, cadê?”, especulou outro.

Consciente de seu papel social como personalidade pública, a atriz resolveu rebater as reações negativas com um texto sobre o julgamento materno, no qual explica que a pequena ficou sob os cuidados do pai.

“Eu e meu marido optamos por não ter babá, principalmente nesta fase inicial de vida da nossa filha. Queremos curtir cada momento e fortalecer nossos vínculos. Ontem, fizemos um esquema para que eu pudesse estar durante aproximadamente 30 minutos em um evento importante da minha escola de samba. Amamentei e, no caminho, com o balanço do carro, como imaginávamos, ela dormiu. Ficou com o pai, em local silencioso e muito próximo. E eu sempre conferindo o celular, apreensiva (confesso) porque é tudo muito novo pra mim. Mas em nenhum momento ela sentiu minha falta”, desabafou.

 

Eu e meu marido optamos por não ter babá, principalmente nesta fase inicial de vida da nossa filha. Queremos curtir cada momento e fortalecer nossos vínculos. Ontem, fizemos um esquema para que eu pudesse estar durante aproximadamente 30 minutos em um evento importante da minha Escola de Samba. Amamentei e no caminho com o balanço do carro, como imaginávamos, ela dormiu. Ficou com o pai, em local silencioso e muito próximo. E eu sempre conferindo o celular, apreensiva( confesso) porque é tudo muito novo pra mim. Mas em nenhum momento ela sentiu minha falta. Agora li uns comentários maldosos onde me marcaram… Como as pessoas se incomodam com a vida das outras… Como as pessoas falam sem saber… Quando fui esta semana, no lançamento do filme que participei( e fiz o mesmo esquema com meu marido, c Yolanda perto), não causou isso… tanto julgamento… Por que? O que pra alguns é futilidade, farra, pra mim é cultura e amor as raízes. E se eu tenho um marido, família e amigos maravilhosos, tenho mais é que agradecer! Eu estou me sentindo bem e minha filha está muito bem. Ela mama na hora que quer porque eu não saio de perto dela. Mas como tantas mulheres nesta fase da bebê, eu tb lavo louça, leio, tomo banho… enquanto ela dorme. ? Não estou escrevendo isso pra dar satisfação… Apenas tenho responsabilidade com as informações que exponho e acho melhor esclarecer. Por outro lado, muito obrigada pela preocupação , carinho e felicitações de tantas pessoas queridas! Estamos muito felizes! #Deusnocomando #Yolandachegou

Uma publicação compartilhada por Juliana Alves (@julianaalvesiam) em

No texto, Juliana ressalta também a urgência de as pessoas respeitarem e acolherem as escolhas individuais de cada família, e aponta para a falta de informação que muitas vezes motiva uma opinião preconceituosa.

“Como as pessoas se incomodam com a vida das outras… Como falam sem saber… O que para alguns é futilidade, farra, para mim é cultura e amor às raízes”, afirmou a atriz, que valoriza o privilégio de ter uma rede de apoio que lhe dá suporte.

“Se eu tenho um marido, família e amigos maravilhosos, tenho mais é que agradecer! Eu estou me sentindo bem e minha filha está muito bem. Ela mama na hora que quer porque eu não saio de perto dela. Mas como tantas mulheres nesta fase da bebê, eu tb lavo louça, leio, tomo banho… enquanto ela dorme.

+ sobre o tema

Gisele e a política

Ao solicitar ao Conar que suspenda os comerciais com...

IBGE: Casais gays ganham mais que casais heterossexuais

Percentual de casais gays é maior nas faixas de...

Pornografia infantil lidera denúncias enviadas à SaferNet

Pornografia infantil na internet liderou o número de casos...

Carta à Dilma – Feministas brasileiras manifestam total apoio a Ministra Luiza Bairros

Carta da Articulação de Mulheres Brasileiras à Presidenta Dilma Brasília,...

para lembrar

Apenas 18% das empresas no Brasil têm mulheres como presidente

Desigualdade também está presente em diretorias e conselhos, mas...

Machismo e violência

Atrás do balcão de uma locadora de filmes, uma...

Mulheres seguem ganhando menos que os homens, diz IBGE

O rendimento médio das mulheres brasileiras aumentou 28% entre...
spot_imgspot_img

Abrir mão da maternidade pode ser ponto de partida para sonhos e ambições

Ao passar dos 35 anos, a babá Anailda Santos, 41, começou a questionar se ainda poderia ter filhos, e, aos 39, percebeu que não era...

“Mulheres de má vida”? Mães e filhos no Juízo de Órfãos de Piraí-RJ

A longevidade da negação da infância para crianças negras tem sido materializada pela descoberta de mulheres negras que, desde infância, passaram uma vida inteira...

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é maior em mulheres negras do que brancas, de acordo com levantamento do Ministério da Saúde. Dados preliminares...
-+=