E se sua filha não pudesse jogar porque é menina?

Olhando meu Facebook um dia desses, fiquei chocada ao ler um comentário postado por um amigo sobre uma jogadora de futebol americano que recentemente foi impedida de jogar.

Por Dara Kurtz Do Brasil Post

Ela não pode jogar porque é menina, explicava o post.

Ela.

Mulher.

O nome dela é Charlotte, ela tem 12 anos e é o primeiro ano em que ela joga futebol americano. Ela é chutadora do time de uma escola particular da Carolina do Norte.

A história chamou minha atenção imediatamente. Talvez porque eu seja mãe de duas adolescentes. Criei minhas filhas para que elas saibam que podem fazer tudo o que quiserem, a despeito do gênero. Elas nem sequer considerariam ouvir que não podem fazer alguma coisa porque são mulheres. Ser discriminada por ser menina nem passaria pelas suas cabeças.

Estamos em 2016.

Uma mulher é candidata à Presidência. Minhas filhas veem mulheres em posições de liderança em empresas, nas Forças Armadas e no governo.

Não estou interessada em escrever nada negativo, e prefiro não dizer o nome da escola. Há uma discrepância em relação ao que teria sido dito pelos técnicos. Um time disse que, se Charlotte entrasse em campo, a equipe dela perderia os pontos. O outro time diz que o técnico expressou preocupação sobre a segurança de Charlotte. Ele não teria impedido que a menina jogasse, mas disse que preferia que ela ficasse de fora.

Mas não há como ignorar o fato de que eles só conversaram sobre a menina de uniforme. Nada foi dito sobre os meninos.

Para mim, não importa quem disse o que. Estou mais interessada em lembrar minhas filhas, e as filhas dos outros, que elas podem fazer o que quiserem e que o gênero dela não importa. O que importa é que tipo de pessoa que elas são, as qualidades que têm e seu caráter. Espero que minhas filhas sejam pessoas gentis e generosas, sinceras e humildes.

“Nunca achei que minha filha fosse jogar futebol americano”, diz Carolyn Albright, mãe de Charlotte, “mas ela tem dois irmãos que jogam, e sempre estamos no campo”.

Charlotte também joga futebol. Ela é goleira, uma posição que exige precisão nos chutes. Está acostumada a chutar a bola longe. Certo dia, quando um técnico a viu brincando com os irmãos, ela foi incentivada a pensar em jogar futebol americano. Ela decidiu experimentar. Como joga de chutadora, ela não passa muito tempo no campo nem se envolve em jogadas muito violentas.

Sempre existe a chance de que ela se machuque; é um risco que ela sabe que corre. Contusões acontecem em todos os esportes. A família dela sabe disso. Se não estivessem à vontade com esse fato, não permitiriam que seus filhos praticassem o esporte. Não era papel do técnico do outro time questionar a presença de Charlotte no campo.

Vestir um uniforme e jogar futebol americano exige coragem. Charlotte é apoiada pelos colegas e pela escola. Ela joga porque ama o esporte e porque se diverte, provavelmente a mesma razão pela qual seus companheiros de time jogam. Quando perguntei como ela se sentiu com essa situação toda, ela respondeu: “Foi um grande aprendizado. Não achei que as pessoas fossem dar tanta importância, então fiquei feliz”.

É uma boa lição para Charlotte e para todos nós. Charlotte poderia ser minha filha. Poderia ter acontecido com a minha família ou com a sua. Ensinamos nossas filhas a serem mulheres fortes, mas temos de provar nossas palavras com ações quando acontece algo injusto.

É uma boa oportunidade para lembrar todas as nossas filhas que elas podem fazer o que quiserem. Sempre vai ter gente querendo dizer “não”, mas elas não precisam dar ouvido a essas pessoas. Essas opiniões não contam. O que importa é como elas se sentem. Crie suas filhas para que elas sejam fortes e corajosas, para que acreditem em si mesmas e saibam que podem fazer o que quiserem, sempre. E, quando ouvirem um “você não pode”, elas têm de escutar sua voz interna, aquela que a incentiva e diz: “você pode, sim”.

Charlotte levou a experiência numa boa. Ela pode ter sido “atingida” pelo outro time, mas se levantou e está jogando de novo. Como uma boa menina.

+ sobre o tema

Democracia feminista

à generosidade de cada feminista que se reuniu no dia...

Pelo fim do Sexismo, da homofobia e intolerância religiosa nas Escolas brasileiras

O Plano Nacional de Educação (PNE) acaba de ser...

“Minha mãe entendeu que somos iguais, diferentes apenas no quarto”, conta rapper

Negra, lésbica, filha de mãe loira, com sobrenome alemão,...

Japoneses ‘gritam’ em público para declarar amor às mulheres em festival anual

Pelo nono ano consecutivo, o Japão comemora no dia...

para lembrar

Dilma, Ideli e Gleisi: se der certo, Brasil entra na fase lilás

O governo Dilma entra agora numa fase pós-Palocci. E...

10 grandes personagens LGBTQ no cinema

Junho foi o mês mundial da visibilidade LGBTQ. Muitos...

Líderes gays pedem que eleitor não vote em candidato homofóbico

O tema foi discutido durante evento em Teresina que...

Nenhum dos 13 governadores eleitos no 1º turno é mulher

Apenas 51 deputadas federais foram eleitas, o que representa...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=