“Ela se esfregava no banho”, diz mãe de menina vítima de racismo aos 4 anos

A assistente sênior Gabriela Gaabe é mãe de Lorena, uma menina de cinco anos. Antes de completar quatro anos a criança sofreu, pela primeira vez, racismo. Naquele dia, a mãe chegou do trabalho, a filha olhou para ela e disse que não queria mais ser negra.

por Giorgia Cavicchioli, do R7

A mãe ficou surpresa e tentou entender o que tinha acontecido naquele dia. A resposta foi que o ato racista tinha acontecido dentro da escola e partido das outras crianças que estudavam com a menina. Quando a Gabriela perguntou para Lorena o que tinham dito para ela, veio o relato: “Falam que minha cor é de gente suja e que meu cabelo é de ninho de bicho”.

Gabriela conversou com a filha e ligou para a escola. Quando falou com o diretor da instituição, a resposta que recebeu dele foi que aquilo “não era coisa da escola, que ele duvidava que as crianças estavam falando aquilo e que isso poderia estar vindo de dentro de casa”.

— Eu falei que não. Não existe preconceito dentro da minha casa. Achei agressivo da parte dele falar que o preconceito vinha de dentro da minha casa.

A mãe de Lorena diz que aquele foi o primeiro contato da filha com o problema do racismo e que foi, também, a primeira vez que ela tinha presenciado algo do tipo com a filha dela.

— Ela se esfregava no banho porque achava que a cor ia sair.

Para ajudar a filha a superar o trauma e fazer com que ela fosse forte para conseguir encarar outros momentos como esse, a mãe começou a trabalhar a autoestima da menina, buscando a representatividade. Ela mostra para a filha mulheres negras importantes, para que ela possa se ver representada em outras pessoas de sucesso.

— Uma vez ela me perguntou porque não tinha princesa negra e atriz negra em peça para criança.

Gabriela sempre frequentou peças de teatro com a filha. Mesmo proporcionando momentos culturais para a criança, ela não se reconhecia nos personagens. Pensando nisso, a mãe resolveu, aos 28 anos, começar a estudar artes cênicas.

— Entrei no teatro pela minha filha e por outras crianças que precisam ter essa visibilidade. Quero mostrar para ela que existe princesa negra e que ela pode ser o que ela quiser.

+ sobre o tema

CEOs devem influenciar e agir contra o racismo

CEOs devem influenciar e agir contra o racismo Por Stela Campos Ao...

Isto são os EUA

Os Estados Unidos da América creem tanto em sua...

O Racismo recreativo não é piada

No Dia Nacional de Combate ao Racismo, queremos lembrar...

Charlie Hebdo passa de todos os limites ao ironizar criança síria que morreu afogada

A revista francesa Charlie Hebdo voltou aos holofotes nesta...

para lembrar

Premiê britânico fecha cerco à imigração

Reforma anunciada por Brown restringe a contratação de estrangeiros...

Triste com atos racistas na Europa, Betão cria campanha na Ucrânia

Por Felippe Costa Mais maduro pela chegada do pequeno...

Faltava falar das flores

Eu sou conversadeira, sempre fui. Minha mãe, Dona Anna,...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=