Elisa Lucinda, Conceição Evaristo e Lívia Natália

A performance das três autoras citadas, reconhecidas por seu trabalho como escritoras e poetas, sinaliza um tempo novo que não nos encarcera em cercadinhos de fazeres possíveis às mulheres negras. É a consolidação de um caminho sem volta que aponta para nossa chegada a lugares que nos pertencem

Por Cidinha da Silva*, do Revista Fórum

Aquela segunda quinzena de outubro entrou para a História. O rosa se transformou em negra. Três escritoras estiveram em destaque. Era a consolidação de um caminho sem volta que aponta para nossa chegada a lugares que nos pertencem.

Elisa Lucinda, poeta consagrada, em sua estreia como romancista tornou-se finalista do Prêmio São Paulo de Literatura na categoria “Autor estreante com mais de 40 anos”. O romance Fernando Pessoa, o Cavaleiro de Nada (Record), muito elogiado e lido, cria uma biografia do poeta português a partir de uma leitora que conhece profundamente a obra e o autor, Elisa Lucinda.

Conceição Evaristo, decana da Literatura Negra no Brasil, recebeu o reconhecimento do cânone por meio da indicação do esperado livro de contos, Olhos d’Água (Pallas), ao Prêmio Jabuti na categoria “Contos e Crônicas”. No livro constam os melhores e mais conhecidos textos da autora publicados na série Cadernos Negros do Quilombhoje, iniciativa de 37 anos de vida ininterrupta na Cidade de São Paulo.

Lívia Natália, poeta e teórica de literatura, teve participação antológica na Festa Literária de Cachoeira, FLICA, ao lado de Sapphire, autora do premiado romance Preciosa (Record). Lívia desfilou e destilou conhecimento, sagacidade, ironia, posicionamento político. Beleza e apuro de linguagem deram a tônica dos versos do livro novo, Correntezas e outros estudos marinhos (Ogum’s Toques Negros) e de sua intervenção como um todo, puxando para cima todas nós que sonhamos escrever com a mesma desenvoltura.

A performance das três autoras sinaliza um tempo novo que não nos encarcere em cercadinhos de fazeres possíveis às mulheres negras. De horizontes amplos, de machados e perfume, de canetas de ferro e melaço na tinta. Tempo de plenitude nas polifonias, policromias, ressignificações. Tempo da divindade Tempo e seu movimento de fazer dançar a memória, de ir e vir em curvas, do devir e das encruzilhadas.

*Cidinha da Silva é escritora. Publicou, entre outros, Racismo no Brasil e afetos correlatos(Conversê, 2013) e Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil (FCP, 2014). Despacha diariamente em sua fanpage

 

+ sobre o tema

Contra a gordofobia, movimento “corpo livre” ganha força na internet

Ativistas incentivam o amor próprio e lutam pelo fim...

Lei de combate à violência contra a mulher não impede crime

Apenas uma semana depois de ser solto, Jeffer Sandre...

Mulher encontra pedido de socorro ao comprar vestido

Mulher compra vestido e encontra pedido de socorro na...

para lembrar

Marvel realiza casamento de super-heróis gays

Os personagens do universo X-Men, da Marvel, trocaram as...

Filho pede boneca de presente e pai tem reação incrível (VÍDEO)

Como você reagiria se o seu filho pedisse uma...

Aos 50, Naomi Campbell é velha demais para ser mãe, mas não para ser pai

Naomi Campbell, 50 anos, se tornou mãe nesta semana....

Viva Maria: Prêmio destaca iniciativas pela igualdade de gênero

Viva Maria hoje saúda todas as pessoas que foram...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=