Elisa Lucinda, Conceição Evaristo e Lívia Natália

A performance das três autoras citadas, reconhecidas por seu trabalho como escritoras e poetas, sinaliza um tempo novo que não nos encarcera em cercadinhos de fazeres possíveis às mulheres negras. É a consolidação de um caminho sem volta que aponta para nossa chegada a lugares que nos pertencem

Por Cidinha da Silva*, do Revista Fórum

Aquela segunda quinzena de outubro entrou para a História. O rosa se transformou em negra. Três escritoras estiveram em destaque. Era a consolidação de um caminho sem volta que aponta para nossa chegada a lugares que nos pertencem.

Elisa Lucinda, poeta consagrada, em sua estreia como romancista tornou-se finalista do Prêmio São Paulo de Literatura na categoria “Autor estreante com mais de 40 anos”. O romance Fernando Pessoa, o Cavaleiro de Nada (Record), muito elogiado e lido, cria uma biografia do poeta português a partir de uma leitora que conhece profundamente a obra e o autor, Elisa Lucinda.

Conceição Evaristo, decana da Literatura Negra no Brasil, recebeu o reconhecimento do cânone por meio da indicação do esperado livro de contos, Olhos d’Água (Pallas), ao Prêmio Jabuti na categoria “Contos e Crônicas”. No livro constam os melhores e mais conhecidos textos da autora publicados na série Cadernos Negros do Quilombhoje, iniciativa de 37 anos de vida ininterrupta na Cidade de São Paulo.

Lívia Natália, poeta e teórica de literatura, teve participação antológica na Festa Literária de Cachoeira, FLICA, ao lado de Sapphire, autora do premiado romance Preciosa (Record). Lívia desfilou e destilou conhecimento, sagacidade, ironia, posicionamento político. Beleza e apuro de linguagem deram a tônica dos versos do livro novo, Correntezas e outros estudos marinhos (Ogum’s Toques Negros) e de sua intervenção como um todo, puxando para cima todas nós que sonhamos escrever com a mesma desenvoltura.

A performance das três autoras sinaliza um tempo novo que não nos encarcere em cercadinhos de fazeres possíveis às mulheres negras. De horizontes amplos, de machados e perfume, de canetas de ferro e melaço na tinta. Tempo de plenitude nas polifonias, policromias, ressignificações. Tempo da divindade Tempo e seu movimento de fazer dançar a memória, de ir e vir em curvas, do devir e das encruzilhadas.

*Cidinha da Silva é escritora. Publicou, entre outros, Racismo no Brasil e afetos correlatos(Conversê, 2013) e Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil (FCP, 2014). Despacha diariamente em sua fanpage

 

+ sobre o tema

De mãos dadas por uma indústria da moda melhor

“Ajudar mulheres costureiras a criar uma marca, transformar seu...

Mulheres negras: sororidade e luta

“8 de março o que é o que é?...

Mulheres negras ganham 55% de remuneração de homens brancos, diz estudo

Pesquisa afirma que número vai a 68% para homens...

Jovem de Feira é aceita em nove universidades dos EUA

A estudante de Feira de Santana Geórgia Gabriela da...

para lembrar

É hora de dar as mãos… por Juca Kfouri

Enquanto transcorria, no Rio, o velório de Marielle Franco,...

Morre Tia Dodô, a porta-bandeira do primeiro título da Portela

Morreu, nesta terça-feira, Maria das Dores Alves, a Tia...

Vera Verônika se junta a Ellen Oléria em um tributo a mulheres negras

Música 'Soul negra, soul livre!' também tem participação da...

Também de olho no Super Bowl, Serena Williams revela que gostaria de ser quarterback; veja

Buscando uma vaga nas semifinais do Australian Open, a...
spot_imgspot_img

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim como Lélia Gonzalez e Sueli Carneiro, autora importante para entendermos o Brasil de hoje e...

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses passado pela corrupção institucional, te faltaria um pedaço importante de percepção desta terra de mártires...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...
-+=