Elza Soares, 87, lança ‘Deus É Mulher’, em que amplia participações femininas

Seleção de 11 inéditas do álbum fala de temas que, na opinião da cantora, a sociedade cala

no Folha de São Paulo

Elza Soares, 87, desliza pelas redes sociais em seu smartphone. Passa por um vídeo de Nina Simone e por uma foto na qual um homem branco senta sobre um negro. Ela procurava trechos de um documentário sobre mulheres que sofrem violência no campo. “Até chorei, é difícil se recompor”, diz enquanto mostra cenas à reportagem.

A cantora diz estudar com afinco os temas que vocaliza. O calvário e a força das mulheres já haviam sido o alicerce para seu trabalho mais recente, o aclamado “A Mulher do Fim do Mundo”, de 2015, e ressurgem em “Deus é Mulher”, que Elza lança nesta sexta (18).

O título é um verso da faixa “Deus Há de Ser”, composta por Pedro Luís, que arremata a seleção de 11 inéditas do álbum. Filha de uma lavadeira e de um operário, Elza lembra a infância em uma favela carioca e afirma: “Deus tem de ser mulher e mãe”.

“Me assustava muito a vida de Cristo, aquele homem coitado, carregando aquela imensidão de gente, pedindo misericórdia, se arrastando. Me via quase como isso, me arrastando, carregando água, parindo filho quando menina, naquela pobreza, vendo minha mãe sofrendo com as trouxas de roupa na cabeça, negra, subindo ladeiras com latas.”

Ao contrário do álbum anterior, que chegou estruturado à cantora, neste ela atuou mais desde a concepção; Elza escolheu o repertório entre 60 faixas selecionadas pelo instrumentista e produtor Guilherme Kastrup.

O resultado será apresentado ao vivo nos dias 31 de maio, 1º, 2 e 3 de junho no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. A venda online de ingressos começa no dia 22 de maio, às 18h.

“‘A Mulher do Fim do Mundo’ é muito forte, bonito, mas muito fechado, pesado, uma coisa dark. ‘Deus é Mulher’ vem mais aberto, mais solar, a gente precisa disso”, diz.

É por isso também que ela tem feito aparições de branco, como na sessão de fotos dessa reportagem, quando se esforçou para ficar de pé, apesar da mobilidade tolhida pelas três cirurgias na coluna depois que caiu do palco do Metropolitan, em 1999.

O novo álbum também conta com mais mulheres nos bastidores, como instrumentistas ou como compositoras.

Contribuem para o álbum, por exemplo, a percussionista Mariá Portugal, a clarinetista Maria Beraldo e o grupo Ilú Obá de Min, responsável por percussão e vozes de “Dentro de Cada Um” e “Banho”, composição de Tulipa Ruiz.

O álbum aborda também temas que a cantora considera estarem sendo calados. Em “Exu nas Escolas”, de Kiko Dinucci e Edgar, Elza defende o ensino da cultura afrobrasileira nas salas de aula e menciona o esquema de fraudes envolvendo merendas escolares.

Em “O Que se Cala”, a cantora clama pelo direito de se manifestar (“minha voz uso para dizer o que se cala/ o meu país é o meu lugar de fala”).

“Tive minha casa metralhada, fui expulsa, não quero mais sair daqui. Tenho receio, temos que ter cuidado para que não aconteça outra vez. É se libertando, gritando, falando. Você está no seu país, na sua terra, no seu chão”, diz, em alusão ao exílio com o marido Garrincha na Europa.

A história, que ela vê como uma lição de vida, será lembrados em musical e em livro neste ano. “É a dificuldade da negritude nesse país. Não acredito que tenha passado por tudo isso para chegar aqui e ser essa mulher que grita.”

Se nas canções vai direto ao ponto, em questões políticas ela evita fazer críticas específicas. “Falar o quê? Dessa repressão, desse movimento, dessa coisa que ninguém sabe o caminho? É uma encruzilhada. Fecharam as porteiras.”

Diz aguardar, mas não em silêncio. “Não me calo nunca e me arrependerei jamais. Me calar como? Sou a cara dessa nação, sou a cara desse país, por que vou me calar? Não tenho culpa de ter nascido aqui.”


Discografia básica

‘A Mulher do Fim do Mundo’ (2015)

O primeiro álbum só de inéditas subverte o samba com canções sobre sexo, negritude e violência.

‘Do Cóccix Até o Pescoço’ (2002)

O título, que alude ao retorno da cantora após acidente, mostra sintonia com novos compositores e estilos.

Elza, Miltinho & Samba’ (1967)

Em dueto com Miltinho, lançou três antológicos LPs de samba, sendo este o primeiro e o mais famoso.

‘O Máximo do Samba’ (1967)

Estabelecida como intérprete de samba, grava clássicos do gênero, como “Conversa de Botequim”, de Noel Rosa.

‘A Bossa Negra’ (1961)

Segundo álbum de Elza mostra a cantora moldando sua voz rouca e subvertendo o ápice da bossa nova com samba-jazz.

+ sobre o tema

Indesculpável

Por: Edson Lopes Cardoso Os promotores Maurício Lopes e Marcelo...

Manifestantes “amordaçam” estátua de Pelé em Três Corações (MG)

Nem mesmo a pacata Três Corações, no sul de...

Seminário discute os direitos das comunidades quilombolas

A Câmara dos Deputados promove, na próxima terça-feira...

Felwine Sarr na luta pela representação de África

Os africanos devem dominar a narrativa sobre si próprios...

para lembrar

A Era uma vez o Mundo cresceu e vai além

A gente pensa com delicadeza na formação da identidade...

Campeonato Hip Hop DJ @ Galeria Olido – São Paulo

O evento tem o objetivo de retribuir a contribuição...

Ilha de Gorée, no Senegal, é destino para conhecer história de escravidão

  por Marcelo Leite de Gorée Senegal no UOL Num romance...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

Ex-seguranças da Chic Show, amigas se emocionam em festival: ‘Chorei muito’

A Chic Show, festa/baile black símbolo da resistência cultural negra paulistana, celebra 50 anos em grande estilo com um festival no Alianz Parque neste...

Gilberto Gil afirma que não se aposentará totalmente dos palcos: “continuo querendo eventualmente cantar”

No fim de junho, saiu a notícia de que Gilberto Gil estava planejando sua aposentadoria dos palcos. Segundo o Estadão, como confirmado pela assessoria do...
-+=