Em artigo no ‘NY Times’, Angelina Jolie desabafa após visitar campo de refugiados

Atriz escreveu artigo no jornal de NY Times, publicados na terça-feira (27) em que conta as experiências em um campo de refugiados

Na Revista Quem

Embaixadora da boa vontade a ONU, a atriz Angelina Jolie visitou, no último domingo (25), campos de refugiados de onde sírios e iraquianos estão abrigados em razão dos conflitos que atingem a região, e resolveu se pronunciar sobre o assunto em um artigo publicado no jornal The New York Times, na quarta-feira (28).

Leia abaixo trechos do artigo:

“Visitei o Iraque 5 vezes desde 2007, e não vi nada que se compare ao sofrimento que estou testemunhando agora. Vim visitar os campos de refugiados onde iraquianos e sírios estão procurando desesperadamente por proteção contra os combates que atingem suas regiões”, contou.

“Por muitos anos visitei acampamentos, e todas as vezes, eu me sento em uma barraca para ouvir histórias. Eu tento fazer o meu melhor para dar apoio. Para dizer algo que vai mostrar solidariedade e dar algum tipo de orientação. Nesta viagem eu fiquei sem palavras”, diz.

“O quê dizer a uma mãe com lágrimas correndo pela face, que diz que a sua filha está nas mãos do Estado Islãmico, e diz que desejaria estar lá também? Mesmo que tiversse que ser torturada e estuprada, ela diz, seria melhor do que não estar com sua filha”, conta ela que, ao lado de Brad Pitt, é mãe de seis crianças.

“O quê dizer a uma criança de 13 anos que descreve os armazéns onde ela e outras viviam, em que, três de cada vez, eram chamadas para ser estupradas por homens?”, indagou Angie. “Quando o irmão dela descobriu, se matou”. Ela continua: “Como você pode falar quando uma mulher da sua idade te olha nos olhos e lhe diz que toda a sua família foi morta em frente a ela, e que ela agora vive sozinha em uma barraca e tem rações alimentares mínimas?”.

“Na tenda seguinte, conheci uma família de 8 crianças. Sem pais. Pai assassinado. Mãe desaparecida, provavelmente raptada. O garoto de 19 anos é o ganha pão. Quando comentei que era uma grande responsabilidade para sua idade, ele apenas sorriu e abraçou a irmã mais nova. Ele diz ser grato pela oportunidade de trabalhar para ajudá-los. Ele realmente quer dizer isso. Ele e sua famíli são a esperança para o futuro. Eles são resistentes contra o impossível”.

A atriz conclui pedindo ajuda das autoridades e a comunidade internacional. “Não é o suficiente defender os nossos valores em casa, em nossos jornais e em nossas instituições”, escreve ela. “Nós também temos que defendê-los nos campos de refugiados do Oriente Médio, e nas cidades-fantasma em ruínas da Síria.”

angelina2 angelina3

+ sobre o tema

Programa Extra-classe – Feminismo Negro

Programa Extra-classe - Feminismo Negro

Mulheres enfrentam assédio em transporte público do Rio e SP

Nas últimas duas semanas, dois casos de assédio em transportes públicos...

Quase 3 mil cidades promovem direitos humanos, mas só 79 combatem homofobia

Dados do IBGE mostram também que 67,5% dos municípios...

Sobre a solidão da mulher negra

Esse texto é sobre a solidão da mulher negra. Por Albertina...

para lembrar

Pai atende pedido do filho para se vestir de princesa

Paul Henson, dos Estados Unidos, deixou o filho se...

Botswana – A ministra-sensação do continente africano

Foi a mais nova deputada e agora Bogolo Joy...

Homofobia custa US$ 405 bilhões ao Brasil

Preconceito, despreparo e violência atinge um publico que movimenta...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=