Em vigor há duas décadas, lei do assédio ainda não protege a mulher

Caso envolvendo o ex-presidente da Caixa reacende discussão sobre as dificuldades de provar e denunciar a agressão sexual

O olhar indiscreto, o convite insistente, o gesto inconveniente, a proposta incômoda — são alguns dos sinais do assédio sexual. Embora exista uma lei para proteger a vítima e punir o agressor, especialistas alertam para a dificuldade em fazê-la ser colocada em prática.

O crime de assédio sexual é tipificado há 21 anos no Brasil, conforme a Lei 10.224, de 15 de maio de 2001. O Código de Processo Penal (CPP) prevê de um a dois anos de detenção para o agressor.

Na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), não há menção explícita ao crime, mas ele se enquadra como incontinência de conduta, motivo para demissão por justa causa.

O assunto voltou a ser intensamente debatido devido aos episódios protagonizados pelo ex-presidente da Caixa, Pedro Guimarães, investigado pelo Ministério Público depois que funcionárias do banco denunciaram a conduta criminosa em relação a elas.

Conforme relataram, o ex-dirigente do banco condicionava a ascensão na instituição à suposta troca de favores sexuais. As assediadas procuraram o MP por não confiarem nos canais de denúncia da Caixa e temerem ser prejudicadas.

“Muitas vítimas têm medo de perder o emprego em razão dessa denúncia. Isso torna a investigação e a punição uma coisa muito delicada. Às vezes, não se consegue ouvir outras testemunhas para comprovar o caso”, disse Antônia Carneiro, coordenadora no Núcleo de Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) da Defensoria Pública do Distrito Federal.

Para ela, há dificuldades na aplicação da lei. Ela defende que é preciso mudar a mentalidade no ambiente de trabalho, para que pessoas que presenciam a agressão colaborem com as investigações.

+ sobre o tema

“Não me separei porque eu não gosto de você. Me separei porque eu sou gay”

Quatro pais contam como assumiram a homossexualidade para eles...

Campanha por ministra negra no STF é exibida na Times Square

Esta semana, a campanha #PretaMinistra, movida pelo Instituto de...

Festival Latinidades começa com debate sobre combate ao racismo

O Festival Latinidades foi criado em 2008 para comemorar...

Mesmo que as correntes sejam diferentes, somos todas prisioneiras

Por Ana Carolina Bartolamei Ramos e Fernanda Orsomarzo Do Justificando Não...

para lembrar

Educando nossos crespinhos

Em tempos de luta pela educação, precisamos pensar o...

Oito de março: mulheres marcham por igualdade

"Os espaços de participação são fechados, o protesto é...

Cabelo oprimido é um teto para o cérebro – Alice Walker

Como muitos de vocês devem saber, fui aluna desta...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=