sexta-feira, maio 27, 2022
InícioÁreas de AtuaçãoMercado de TrabalhoEm vitória histórica, trabalhadores da Amazon em Nova York conseguem se sindicalizar

Em vitória histórica, trabalhadores da Amazon em Nova York conseguem se sindicalizar

Derrota é um divisor de águas para gigante do e-commerce, que manteve os sindicatos fora de suas operações por mais de 25 anos

Os funcionários da Amazon que trabalham em um depósito em Nova York votaram a favor de ingressar em um novo sindicato, uma vitória histórica que dá aos trabalhadores organizados sua primeira posição nas operações da empresa nos Estados Unidos.

A eleição no centro de distribuição JFK8 da Amazon, em Staten Island, foi apertada, com o Sindicato dos Trabalhadores da Amazon (ALU) liderando com 2.654 votos a favor e 2.131 contra. Depois de assinar os resultados das eleições, o fundador da ALU, Christian Smalls, bateu palmas, apontou os dedos para o céu e ergueu o punho em triunfo.

A vitória dos trabalhadores é um divisor de águas para a Amazon. A empresa com sede em Seattle conseguiu manter os sindicatos fora de suas operações nos EUA por mais de um quarto de século.

A menos que a empresa consiga reverter o resultado, a Amazon terá que iniciar negociações contratuais que potencialmente podem prejudicar sua capacidade de ajustar os requisitos de trabalho e o agendamento em tempo real. A empresa tem até 8 de abril para contestar.

Comemorando a vitória

“A Amazon queria me fazer o rosto de todos os esforços sindicalistas contra eles”, twittou Smalls quando os resultados foram divulgados nesta sexta-feira. “Ai vai! Bem-vindo ao 1º sindicato na América para a Amazon.”

O tweet triunfante de Smalls testemunha uma conquista histórica, iniciando um sindicato de sucesso e derrotando uma das empresas mais poderosas do mundo com pouca ajuda do trabalho organizado.

Com fundos limitados, ele empregou táticas não convencionais, twittando fotos de consultores da Amazon que ele considerava “caçadores de sindicatos”, incentivando os funcionários a interromper as reuniões antissindicais da empresa dentro do depósito e distribuindo panfletos no estacionamento da instalação.

Smalls terá uma segunda oportunidade de estender sua vitória em 25 de abril, quando trabalhadores de outra instalação da Amazon em Staten Island começarem a votar sobre a adesão ou não à ALU. Enquanto isso, Smalls espera forçar eleições em mais duas instalações da Amazon no bairro de Nova York.

Especialistas esperam que a vitória em Nova York dê ânimo a ativistas trabalhistas e trabalhadores da Amazon e de outras empresas.

— Este é um grande impulso para todo o movimento trabalhista — disse Kate Bronfenbrenner, diretora de pesquisa em educação trabalhista da Universidade de Cornell. — Isso vai inspirar os trabalhadores, não apenas nos EUA. Aos olhos das pessoas, Amazon e Walmart são intercambiáveis como os maiores empregadores do setor privado que todos pensavam que não poderiam ser derrotados.

Mesmo antes da derrota da Amazon, houve uma enxurrada de vitórias eleitorais de alto nível nos últimos meses entre funcionários terceirizados do Google Fiber, em Missouri; funcionários de vendas da REI, em Nova York; trabalhadores de tecnologia do New York Times; e baristas nos cafés da Starbucks, em Nova York, Arizona e na cidade natal da empresa, Seattle.

Smalls, de 33 anos, não estabeleceu uma agenda detalhada, mas entrevistou trabalhadores para avaliar suas prioridades. Entre os principais pontos estão: trazer de volta os bônus mensais de produtividade que a empresa eliminou em 2018, dar aos trabalhadores horistas ações da Amazon e aumentar o salário para US$ 30 por hora em comparação com o salário inicial médio atual, de US$ 18 por hora.

Relação conflituosa

O sindicalista está em disputa com a Amazon desde 2020, quando trabalhava nas instalações do JFK8, em Staten Island, e ajudou a organizar uma paralisação depois que os colegas começaram a dizer que estavam doentes e apresentarem sintomas do Covid-19.

Não muito tempo depois, a Amazon disse a Smalls para ficar em casa porque ele possivelmente estava em contato com um colega infectado. Só que ele apareceu para um comício e foi demitido, levando-o a entrar com uma ação alegando preconceito racial nos protocolos de segurança de Covid da Amazon. Um juiz rejeitou o caso em fevereiro.

As tensões entre Smalls e Amazon chegaram ao auge quando ele foi preso no JFK8 e acusado de invasão de propriedade, resistência à prisão e obstrução da administração governamental.

A porta-voz da Amazon, Kelly Nantel, diz que a polícia foi chamada depois que Smalls foi avisado várias vezes de que  não tinha permissão para entrar na propriedade da empresa. O sindicalista, por sua vez,  diz que um juiz adiou o caso por seis meses e descartará as acusações desde que ele não seja acusado de um crime durante esse período.

— Digo o que digo e foi isso que me trouxe até aqui —, disse Smalls à Bloomberg antes da eleição. — A mesma coisa com o sindicato: representa o que os trabalhadores querem falar.

Artigos Relacionados
-+=