Emanoel Araújo fala sobre o racismo à brasileira

Apoiado em uma das mesas de seu ateliê, Emanoel Araújo recebeu a reportagem do site O Beijo em seu ateliê, no Bexiga. Com um tom firme, de uma delicadeza difícil de se descrever, o artista, também fundador e diretor do Museu Afro Brasil, falou sobre o racismo no Brasil e a percepção ainda estereotipada que temos do continente africano. Confira abaixo trechos da conversa.

Por Tatiane de Assis no O Beijo

O Beijo — Em 1988, você foi responsável, pela organização do livro “A mão afro-brasileira”, o primeiro compilado de artistas afro-descendentes no Brasil. Depois de quase 30 anos, você acha que avançou o reconhecimento do artista negro no circuito artístico e na sociedade?

Emanoel Araújo: Essa questão é complicada. Apesar do livro ter feito muito sucesso, uma publicação que tem 7 mil exemplares não consegue circular satisfatoriamente pelo Brasil. Então, ele existe como documento, nas bibliotecas, nas universidades, nas teses de doutorado. Para ter mais alcance, tinha que ter tido 200 mil, 2 milhões de exemplares. Mas essa é a nossa função e a gente espera que as pessoas se conscientizem.

 

O Beijo – Hoje, a gente vive um acirramento da questão racial no país. Como você vê este cenário?

E.A.: As reclamações que surgem com as redes sociais já existiam, mas estavam embutidas, anestesiadas. O que acontece agora é que elas estão vindo à tona. Estão expondo a ferida. Mostrando que o Brasil é um país com muito preconceito e poucos avanços sociais e raciais.

“A democracia racial no Brasil não passa de uma mentira, de um conto de carochinha”

 

O Beijo – Você citar áreas críticas onde se vê este preconceito?

E.A.: O preconceito atinge todo mundo. A mídia, por exemplo. Quem vê televisão no Brasil, pensa que está na Suécia. Tem loiras verdadeiras, loiras falsas. Negro não aparece. Quando é visto, é em propaganda de supermercado, o que mostra que é um país socialmente feito para brancos.

 

O Beijo — Em 2015, o Museu Afro Brasil fez uma grande exposição de arte contemporânea africana (África Africans). Qual a importância dela para superar o preconceito?

A gente fez esta mostra para celebrar o aniversário de 11 anos do museu. O que a gente queria era mostrar uma faceta desconhecida da África no Brasil. Aqui, a arte que se faz no continente africano ainda fica no lugar folclórico e é vista de forma negativa. Com a população de negros que temos, não deveria ser assim. Deveria ter um museu de arte africana, assim, como um museu de arte indígena.

 

+ sobre o tema

Erika Januza: “Questões com meu cabelo já mexeram comigo. Hoje gosto muito de mim como sou”

Por Guilherme Lima Do Revista Quem Erika Januza tem deixado jurados e...

Vice: desigualdades podem causar revolução na África do Sul

As enormes desigualdades entre ricos e pobres podem...

Aglomerado traz a cultura das periferias brasileiras para a televisão

Debaixo do viaduto de Madureira, no coração do subúrbio...

Fugindo da guerra, congoleses enfrentam violência, racismo e desemprego para recomeçar no Brasil

Se não tivessem desembarcado no Brasil cinco anos atrás, os irmãos...

para lembrar

Nota de repúdio contra resolução do Incra que viola direitos quilombolas

Ao reduzir o território por ato administrativo, sem consulta...

Podcast Original Spotify Mano a Mano ganha segunda temporada

Relembre os episódios da primeira temporada aqui O Spotify confirmou hoje...

Biografia do 1º médico negro de Londrina será lançada

Fruto de uma pesquisa acadêmica realizada por Mariana Panta,...

CNN mata Pelé no Twitter e pede desculpas

    O canal CNN, através do perfil do programa New...
spot_imgspot_img

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=