Emicida denuncia racismo de taxista em São Paulo: ”todos sabem como se tratam os pretos”

Após tarde repleta de encontros com fãs, rapper teve dificuldades de conseguir motorista disposto a aceitar dois negros como passageiros

no UAI

Semanas depois de lançar sua abordagem visceral do racismo no Brasil com o clipe de ‘Boa esperança’, Emicida voltou a tratar do assunto em postagem confessional no Facebook. Na tarde desta terça-feira, 21, o rapper paulistano contou na rede social que um taxista recusou-se a viajar com ele e um amigo, também negro, a bordo. “Entramos e sentamos no banco traseiro, ele nem liga o carro, vira e diz que não podem ir duas pessoas no banco traseiro”, relatou.

A discriminação implícita é contrastada pela popularidade do músico, que conta ter atendido diversos fãs entre as tentativas de conseguir um táxi. “O taxista não era fã de rap. No final, a gente era só dois pretinhos e como Gil e Caetano cantaram em ‘Haiti’, todos sabem como se tratam os pretos”, observou. A prática, o artista afirma, é rotineira.

No mesmo dia, a funcionária de uma casa lotérica havia se incomodado com o fato do amigo de Emicida estar usando boné dentro do estabelecimento. “Haviam outras três pessoas de boné na lotérica, comigo quatro, e quem adivinhar a diferença entre elas e o Djose ganha um brinde. Sem novidade”, comentou o artista.

 

Confira o relato completo de Emicida:

“Rapidinho.
Que cena foda aquela do filme do James Brown no final, onde ele foge da polícia e ao ser enquadrado, quando abre a porta e desce do carro, ele volta a ser apenas uma criança, um pretinho. Isso foi muito forte pra mim.
Tava ali hoje com meu parceiro Djose, fui resolver umas pendências no cartório por que segundo semestre tem uns shows pela europa de novo, tudo rapidinho no cartório.
Passamos na lotérica pra pagar umas contas, mesma coisa de sempre, umas fotos, umas piadas, faz uma rimaê Emicida, todo mundo ri e volta pros seus universos.
Detalhe – a menina da lotérica pergunta em choque – porque ele está escondendo o rosto? Isso devido ao fato de ele estar de boné, haviam outras três pessoas de boné na lotérica
( comigo quatro ) e quem adivinhar a diferença entre elas e o Djose ganha um brinde.
Sem novidade.
Fióti me chama pra ir ao escritório assinar um documento, eu que estava a pé naquele rolêzinho pela norte, pra agilizar resolvo pegar um táxi. Selfie com o menino do posto de gasolina.
Djose acena pro primeiro que passa, ele diminui a velocidade, olha bem pros dois pretos e acelera de novo como se não tivesse nos visto. Foda-se, rimos e continuamos, afinal existem centenas de taxis na cidade, certo?
Vem um ciclista e pede pra tirar foto, é fã e está emocionado. Da hora.
O segundo táxi que vem, idem, avalia o freguês e acelera de novo. Aí já ficamos mais sérios. Deixou de ser uma piada.
Chegamos a um ponto de táxi, freia um eco-sport ao lado do táxi, era outro fã, me comprimenta, eu retribuo, viro pro taxista, mando meu boa tarde e pergunto se o taxi dele está livre, ele atua no procedimento padrão:
– Pra onde você vai?
Respondo o bairro e ele destrava a porta.
Entramos e sentamos no banco traseiro, ele nem liga o carro, vira e diz que não podem ir duas pessoas no banco traseiro.
Eu pergunto de onde ele tirou isso e ele me responde que é assim mesmo. Ponto final.
Nos recusamos a ir pro banco da frente e ele ainda sem ligar nem o carro e nem o taxímetro pergunta:
– Qual o endereço exato de onde vocês vão.
Eu no auge da minha paciência digo o endereço e ele repete:
– Agora um dos dois passa pra frente.
Nos recusamos novamente e pergunto – qual o problema?
Silêncio.
Ele me pergunta o endereço exato novamente.
Eu pergunto qual o problema outra vez.
Ele vira, se nega a nos levar e silêncio.
Dei umas xingadas e desci do carro.
Uma menina acena e grita:
– parabéns pelo trabalho, sou fã!
Agradeço sorrindo automaticamente.
Então fomos, eu e Djose procurar outro táxi, debatendo sobre como é foda isso ainda ser tão normal.
Fiquei pensando nessa cena do filme do James Brown, o rei do soul, do funk, uma das mais influentes figuras do século 20, mas na hora do enquadro, o policial não era fã de Soul. E então, James Brown era só mais um pretinho.
Depois de ter tirado todas aquelas fotos, ter saído de uma entrevista, indo renovar o passaporte pra tocar na gringa outra vez, com a cara na capa da revista e tudo mais. Nada importa. O Taxista não era fã de rap. No final, a gente era só dois pretinhos e como Gil e Caetano cantaram em Haiti, todos sabem como se tratam os pretos.”

 

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Emicida – Sobre crianças, quadris, pesadelos e lições de casa

Desde muito antes de ser “descoberto” pela mídia especializada...

Emicida lança ‘Amarelo’ em album ao vivo e em documentário

“Eu humildemente acho que nós fizemos história nesse dia...

Racionais MC’s celebram supremacia no hip hop pelo País

Jotabê Medeiros Grupo de rap se apresenta em São Paulo...

Fotógrafo registra os últimos sobreviventes do nascimento do blues no Mississipi

O trabalho de Lou Bopp resgata parte importante da...
spot_imgspot_img

Somos o mundo

Faz quase 40 anos, uma ação entre artistas mudou a forma de celebridades e sociedade civil se relacionarem com agendas humanitárias urgentes. A ficha...

Morre atriz e cantora Denise Assunção, que atuou em peças de teatro e na televisão

Morreu, nesta quinta-feira, a atriz e cantora Denise Assunção, aos 67 anos, em decorrência de complicações de um câncer no intestino. A informação foi divulgada...

“Chamaê”: Emicida e Nubank lançam podcast em parceria

O Nubank anuncia hoje o lançamento do Chamaê, um novo podcast apresentado pelo músico, empresário, escritor e apresentador Emicida. A novidade é fruto da...
-+=