Atirador de igreja em Charleston irá responder por crime de ódio

Dylann Roof foi indiciado por 33 crimes federais, além de nove estaduais. Procuradores ainda não anunciaram se irão pedir pena de morte.

Do G1

Dylann Roof, acusado de matar nove pessoas negras durante um encontro em uma igreja em Charleston, em junho, foi indiciado na quarta-feira (22) por 33 crimes federais, incluindo crimes de ódio, violações de armas de fogo e obstrução de prática religiosa, o que pode leva-lo à pena de morte.

A procuradora geral Loretta Lynch anunciou o indiciamento de Roof, de 21 anos, em um grande júri. As acusações eram esperadas desde que ele foi detido após o tiroteio, em 17 de junho, na Emanuel African Methodist Episcopal Church, em Charleston.

Roof, que é branco, apareceu em fotos exibindo bandeiras dos confederados e queimando ou profanando bandeiras dos EUA, e alegadamente escreveu textos incentivando violência racial. Sobreviventes disseram à polícia que ele proferiu insultos raciais durante o ataque.

Os procuradores não disseram se irão pedir a pena de morte para Dylann Roof.

Agentes federais haviam dito anteriormente que os crimes do tipo praticado por ele em geral cumprem os requisitos para um crime de ódio, e que o indiciamento federal era provável.

Roof já enfrenta acusações estaduais, incluindo nove pelos homicídios.

Crimes de ódio são frequentemente um desafio para o governo porque ele precisa provar que um acusado foi motivado primariamente pela raça ou religião de uma vítima, em vez de outros fatores frequentemente alegados pelos advogados de defesa, como vício em drogas ou distúrbios mentais.

No ano passado, uma corte de apelação federal em Ohio reverteu condenações por crime de ódio contra homens e mulheres Amish acusados de ataques nos quais cortavam as barbas e cabelos de outros religiosos Amish que supostamente haviam desafiado o líder da comunidade.

A corte alegou que o júri havia recebido instruções incorretas sobre como medir o papel da religião nos ataques e que os procuradores deveriam ter provado que os ataques não teriam acontecido se não houvessem motivos religiosos.

+ sobre o tema

Uma breve reflexão sobre o racismo no Brasil e o direito no âmbito da sociedade brasileira

Esse artigo propõe-se a discutir, numa perspectiva crítica, a...

“Não somos racistas”: faltou combinar com os russos…

O dia de Martin Luther King é comemorado...

Secretaria de Cultura do Pará altera cartaz de Feira do Livro após polêmicas envolvendo racismo

Programação também foi alvo de críticas por não incluir...

Dia da Consciência Negra: para conquistar o orgulho é preciso resgatar origens, diz pesquisador

Em 20 de novembro de 1695 morreu Zumbi dos Palmares, símbolo da...

para lembrar

Bang Bang da violência em SP gera medo de bandidos e policiais

Tiros na noite. O cinegrafista amador achou que os...

O racismo não é uma opinião

Por Jorge Soares, do O que é o Jantar? O racismo...

O aceno da utopia

Num dia histórico, a Maré marchou por ruas e...

‘Nem todas as crianças vingam’: pedagogia da violência pode matar o país

Ano acabando, verão chegando e aquela vontade sincera de...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=