Encontro de Cinema Negro tem recorde de inscrição de filmes

O eletrizante Hear Me Move (Ouça Meus Movimentos, em tradução livre), primeiro filme sul-africano de dança, do diretor Scottnes Smith, abre hoje (30), às 19h, a 10º edição do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul – Brasil, África e Caribe, no Rio de Janeiro.

Por Isabela Vieira  da Agência Brasil 

longa-metragem, de 2015, conta a história do filho de um famoso dançarino de rua que tenta descobrir as razões por trás da morte do pai. O filme rodou importantes festivais, como os de Toronto, no Canadá, e Cannes, na França, com uma trilha sonora inebriante e é a aposta da primeira noite do festival.

 O curador do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul, o cineasta Joel Zito Araújo Tânia Rego/Arquivo/Agência Brasil

O Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul vai até 9 de setembro, trazendo em sua programação, que este ano homenageia o fundador do festival – Zózimo Bulbul, morto em 2013 – mais de 80 produções, sendo boa parte estrangeira, vindas do Senegal, Mali, Nigéria, Gana e de Cuba, por exemplo. Haverá produções consagradas e trabalhos de jovens revelações.

“Na última edição, tivemos 32 filmes brasileiros selecionados, de um total de 55 inscrições, esse ano, tivemos 66, em um universo de 98. É um salto de 100%”, diz o curador e diretor premiado, Joel Zito Araújo, salientando o caráter afirmativo do festival. Ele atribui o aumento de realizadores negros no Brasil a políticas de cotas raciais nas universidades e ao crescimento do movimento hip hop nas periferias “que aceleraram o processo”.

Outro destaque internacional da mostra vem da Inglaterra. O documentário Generation Revolution (Geração Revolução, em tradução livre, 2016) é sobre jovens ativistas negros e latinos que vivem em Londres e se posicionam contrariamente a políticas de austeridade, a pobreza e a violência policial. O filme chama a atenção para a capacidade de organização dos jovens, além do compromisso deles com a igualdade de gênero.

Referência no Brasil e no mundo, o Encontro de Cinema Negro pretende fortalecer a identidade negra de maneira não estereotipada, favorecer a troca de experiências, negócios e o diálogo com festivais pelo mundo. Para isso, estarão presentes os curadores do Festival de Ecrans Noir, de Camarões, e o secretário-geral da Federação de Cineastas Pan-africanos, Cheick Oumar Sissoko, um dos mais premiados e reconhecidos cineastas do Mali. O evento é também uma janela de exibição para produções de destaque que não chegam facilmente ao público.

Uma novidade desta edição é a mostra de filmes infantis que ocorre amanhã (31) e sábado (2). As salas do Cinema Odeon, centro, vão exibir o consagrado desenho animado Nana e Nilo e o Tempo de Brincar, de Sandro Lopes, além de Òrun ÀiyÉ. Este último, de Jamile Coelho e Cíntia Maria, dublado por Carlinhos Brown, apresenta o mito de criação do universo narrado pelos orixás. Ainda na programação para crianças, El Reflexo, da sergipana Everlane Moraes, que estudou na Escuela Internacional de Cinema y TV, de Cuba, é um dos filmes em espanhol.

O cineasta Zózimo Bulbul, que completaria 80 anos em 2017 e dá nome ao festival, é homenageado no Encontro de Cinema NegroFernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil

Estreias

Entre os destaques nacionais estão as estreias do primeiro episódio da série Fé Menina, do Coletivo Mulheres de Pedra, que será exibido hoje, na abertura, e o aguardado documentário Tia Ciata, de Mariana Campos e Raquel Beatriz, em exibição amanhã (31), às 21h. O filme sobre Tia Ciata traz uma perspectiva feminina sobre a baiana batizada Hilária Batista de Almeida, uma das figuras mais influentes para o surgimento do samba, no Rio, no século 19. Haverá uma sessão especial do longa na quarta-feira (6), às 14h, no Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet), no Maracanã.

Para destacar o protagonismo das mulheres negras no audiovisual, será exibido ainda o curta Rainha (2016), de Sabrina Fidalgo, vencedor do Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro – Curta Cinema, em novembro passado. Em preto e branco, o filme narra a jornada de uma jovem para se tornar rainha de bateria em sua comunidade. A realizadora estudou na Escola de TV e Cinema de Munique, na Alemanha, e dirige a própria produtora.

“O filme selecionado, Rainha, é meu sexto curta e é o quarto filme selecionado para o Encontro”, disse. Ela frisa o papel do festival como uma importante janela de exibição. “Moramos em um país onde mais da metade da população brasileira é negra, mas ela não é vista no audiovisual. As produções ignoram nossa presença seja atrás ou na frente das câmeras”, criticou.

Paralelamente, na mostra educativa, serão exibidos filmes de sucesso nacional, como os documentários Raça (2013) de Joel Zito Araújo, curador do Encontro de Cinema Negro, e Abolição (1988), de Zózimo Bulbul, o homenageado, sobre os 100 anos da Lei Áurea.

Os ingressos para as sessões no Cinema Odeon, no centro, custam R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia) e estarão disponíveis a partir de hoje. A entrada é gratuita no Centro Cultural Justiça Federal, no centro, e no Museu de Arte do Rio (MAR), na Praça Mauá. Basta chegar uma hora antes e retirar os bilhetes. A programação completa você encontra aqui.

 

+ sobre o tema

Cinco dissidentes fazem greve de fome por morte de Zapata

Opositor foi enterrado na quinta; governo prendeu cerca...

Colorida, leve e luxuosa! Imperatriz levará ‘África moderna’ e combate ao racismo para a Sapucaí

A Imperatriz Leopoldinense deu mais um passo importante para...

Kapulana recebe originais em nova edição do “Seja Nosso Autor”

Autores interessados podem enviar os originais para a Kapulana...

Mano Brown responde a Lobão

Lançando o livro Manifesto do Nada na Terra do...

para lembrar

Festival Salvador Capital Afro abre inscrições para projetos audiovisuais e musicais

Artistas, produtores, diretores e roteiristas negros que produzem conteúdos...

Companhias de dança questionam papéis de gênero no balé

Grandes estúdios estão revendo os estereótipos da dança clássica...

(Re)exisência dos griôs nos quilombos em meio à pandemia

A cada dia é noticiado que milhares de vidas foram ceifadas...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...
-+=