Enfermeira judia comove ao amamentar bebê palestino que tinha mãe internada

Um sopro de generosidade no conflito Israel-Palestina. Após bebê perder o pai e ter a mãe gravemente ferida em acidente, enfermeira judia se oferece para amamentar o bebê e história viraliza nas redes sociais

Do Brasil247

Após um acidente que vitimou o pai e deixou a mãe de um bebê palestino em estado grave, uma enfermeira judia comoveu as redes sociais ao amamentar o bebê. Um gesto de solidariedade frente ao histórico conflito entre israelenses e palestinos.

Mãe de três crianças, Ula Ostrowski-Zak segurou nos braços Yaman, de apenas 9 meses. O menino não aceitava leite engarrafado e estava com o estado de saúde afetado depois de ficar sete horas sem comer. Os parentes do bebê apelaram por uma ama de leite e Ula se dispôs “sem pensar duas vezes” a oferecer seu próprio leite.

“As tias do bebê ficaram surpresas por uma judia ter concordado em amamentá-lo, mas eu disse que qualquer mãe faria isso. Elas me abraçaram e me agradeceram”, explicou Ula, que alimentou a criança cinco vezes durante a noite.

“Eu o vi se acomodar confortavelmente nos meus braços. Ele fechou os olhos, em paz, e adormeceu. Foi natural”, contou a enfermeira israelense. Ao sair do plantão, ela postou a história em um grupo no Facebook e dezenas de mulheres se ofereceram para doar leite ou mesmo ninar Yaman.

+ sobre o tema

para lembrar

Relator de comissão no Congresso propõe veto à adoção por casais gays

O deputado federal Ronaldo Fonseca (PROS-DF) apresentou nesta semana...

A novas Marielles

A mãe da socióloga Flávia Pinto, candidata a deputada federal pelo...

Escritora Conceição Evaristo em um papo no Arte do Artista

Aderbal Freire Filho recebe a escritora Conceição Evaristo, com...

ONU aprova resolução sobre a violação de direitos humanos de homossexuais

Conselho de Direitos Humanos aprova Resolução sobre a violação...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=