Engenheiro preso por suspeita de racismo nega ofensas, diz advogado

Fonte: G1 –

Segurança de escola afirma ter sido ofendido por homem na terça-feira.
Segundo a polícia, testemunhas confirmaram o ocorrido.

 

O engenheiro Alexandre Semenoff, preso na tarde de terça-feira (6) por suspeita de racismo contra o segurança de uma escola na Zona Sul de São Paulo, confirmou ter se envolvido em uma discussão com o homem, mas negou ter feito qualquer ofensa, seja ela de cunho racial ou não. A informação foi dada ao G1 pelo advogado do preso, Leonardo Watermann, na manhã desta quarta-feira (7).

 

“Ele fala categoricamente que não ofendeu ninguém. Ele admite que discutiu com o segurança da escola, com a qual ele já tinha problemas por causa do barulho, e diz que ele tentou intimidá-lo por causa desse histórico”, explicou o advogado. “Depois, foi para casa se trocar pois tinha o intuito de ir até a delegacia fazer um boletim de ocorrência. Mas foi surpreendido pela prisão.”

 

Watermann disse que o engenheiro já havia reclamado do barulho do estabelecimento de ensino outras vezes e que o ocorrido na tarde de terça foi um mal entendido. “Vou pedir a liberdade provisória hoje. Dificilmente ela não será concedida, pois não tem muito motivo manter presa uma pessoa que dificilmente será condenada e presa por esse crime, de pena pequena”, afirmou.

O segurança que fez as acusações de racismo, Delcio Joaquim Gonçalves, de 52 anos, contou à equipe da TV Globo sua versão para a briga. “Ele falou um monte de palavrão, continuou, foi para o meio da rua e fez gestos de preconceito comigo. Apontou o braço para mim, mexeu no braço dizendo que eu não valho nada, que minha cor não vale nada”.

 

A Polícia Militar foi chamada, e testemunhas confirmaram as ofensas. Todos foram levados para a delegacia, onde o engenheiro foi preso em flagrante por injúria racial. O crime é inafiançável, e se condenado pela Justiça, ele pode pegar uma pena de até três anos de prisão.

 

Para o diretor da escola, a prisão mostra que o preconceito independe da classe social. Segundo a Polícia Civil, o engenheiro deveria ser transferido para a carceragem do 40º Distrito Policial, na Vila Santa Maria, na Zona Norte, onde ficam presos com nível universitário, na manhã desta quarta.

Matéria original

 

+ sobre o tema

Após acusações de racismo, proprietário do Real Salt Lake venderá time

Após ser acusado de ter feito declarações racistas sobre...

Movimento Negro na Conferência do Clima da ONU

Depois de 13 dias respirando combustíveis fósseis, nos Emirados...

ONU adota resolução sobre incompatibilidade entre democracia e racismo

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações...

para lembrar

Seguranças do Metrô agridem rapaz negro na estação Vila Madalena

Defensor público interveio e caso foi registrado como lesão...

Mistura ou Massacre? – Do Ponto de Vista de Abdias

Osmundo Pinho via Guest Post    “Duvido que haja biologista que...

Advogado de torcedora gremista afirma: “ela é de uma família humilde, então tem amigos negros”

A jovem torcedora gremista envolvida no mais recente caso de...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=