Entidade que combate racismo divulga nota de repúdio contra atitude de secretário municipal

Fonte: Rondoniaovivo –
“REBELE-SE CONTRA O RACISMO”

 

 

A UNEGRO/RO (União de Negros pela Igualdade – Seção Rondônia), entidade de combate ao racismo, pela superação do capitalismo e por justiça social, compreende que as práticas seculares racistas e machistas cristalizaram e continuam consolidando a opressão e a intolerância na sociedade do século XXI. Para que estas questões sejam superadas é necessário que se fortaleça a luta pela equidade social e econômica. Diante do exposto, a UNEGRO vem a público afirmar:

1. Que políticas de reparação para diminuir com as desigualdades sócio-raciais são necessárias e urgentes, visto que a disparidade sócio-econômica está intimamente ligada com a omissão histórica do poder público, relutante em adotar e instituir de forma continuada, políticas públicas reparadoras, contemplando a população negra que, ao romper das décadas, foram sempre tratadas à margem de toda e qualquer atitude pública de inclusão social;
2. Mesmo com o avanço da legislação anti-racismo – a exemplo citamos as Leis Nº 7.776/89 (Lei is) e Nº. 9.459/97 (Lei Paim), como também o artigo 140 do Código Penal Brasileiro e a Constituição Federal, cujo artigo 3º, inciso IV, tem como objetivo fundamental a promoção do bem de todos, sem preconceito de raça, assim como, o seu artigo 5º, que estabelece igualdade de todos perante a lei, sem distinção de qualquer natureza -, as práticas racistas e por marcadores físicos ainda se manifestam em normas práticas e comportamentais discriminatórias, adotadas no convívio social, principalmente no mundo do trabalho. Estas práticas são frutos da ignorância, da ideologia equivocada do racismo e da falta de respeito com o semelhante que, veementemente, a UNEGRO combate;
3. A superação do racismo estará longe de acontecer enquanto existir gestores com posturas e atitudes racistas, discriminatórias, intolerantes e truculentas, aprofundando cada vez mais o fosso do Racismo Institucional, postura com a qual a UNEGRO não coaduna;
4. O Racismo Institucional acontece sempre que há o autoritarismo exarcebado e rompantes arrogantes dos gestores da administração pública nas relações com seus subordinados, sejam eles negros, indígenas, periféricos, ribeirinhos, caboclos, mestiços e segmentos sociais historicamente excluídos, considerando cargo/função, de forma ofensiva e agressiva, tratando servidores, fornecedores e usuários com desigualdade, fato corriqueiro, sobretudo, com funcionários da limpeza pública e dos serviços gerais, negros e caboclos em sua grande maioria;
5. Neste sentido, a UNEGRO vem exigir da gestão municipal ações realmente concretas, necessárias e justas, para o completo cumprimento das Leis que envolvam o conjunto da administração municipal, em suas secretarias, fundações, autarquias, coordenadorias e assessorias, para o rompimento, pela raiz, de atitudes de naturalização racista, extinguindo, em definitivo, o Racismo Institucional;

Por isto posto, e considerando o fato lamentável envolvendo uma autoridade da gestão municipal de Porto Velho (Nota de Redação: Jair Ramires), em relação à prática de racismo, a UNEGRO vem externar sua INDIGNAÇÃO e REPÚDIO pelo ocorrido, bem como, orientar a todo cidadão, no sentido de estar sempre atento, para denunciar toda e qualquer forma de racismo, registrando ocorrência na delegacia de polícia e denunciando nos Ministérios Públicos Estadual e Federal, fatos inaceitáveis desta natureza. Denúncia e punição são formas de combater a discriminação e atos racistas.

Porto Velho, 19 de agosto de 2009.

Matéria original: Entidade que combate racismo divulga nota de repúdio contra atitude de secretário municipal

+ sobre o tema

Comunidade quilombola de Cairu (BA) é ameaçada por fazendeiro

Batateira, quilombo situado numa ilha no município de...

Quilombolas poderão comercializar produtos com nota fiscal

Quilombolas do estado do Espírito Santo, certificados pela Fundação...

Fundo Rotativo Solidário beneficiará empreendedores do Fórum da Economia do Negro de Fortaleza (CE)

Por: Karol Assunção   Adital – Empreendedores/as da capital cearense organizados...

para lembrar

Morre árvore de 200 anos, símbolo da cultura negra em Araxá

Lenda conta que dois escravos foram enforcados na árvore.Depois...

Ao som dos tambores africanos

Novo espaço da cultura negra em Curitiba apresenta oficinas...

Ministras buscam parcerias com estados pela igualdade racial e de gênero

  As possibilidades de parcerias e convênios entre o governo...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=