Entre lutas por reconhecimento e relações de poder: o papel das mulheres na organização sociopolítica do movimento quilombola no Pará

Apresentado no 9º Congresso Latinoamericano de Ciência Política, o artigo Entre lutas por reconhecimento e relações de poder: o papel das mulheres na organização sociopolítica do movimento quilombola no Pará, Brasilda assessora de comunicação da Coordenação das Associações das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Pará (Malungu), Janine Bargas, e da professora da  Faculdade de Comunicação Social da UFPA, Danila Cal, analisa o papel das mulheres na organização sociopolítica atual do movimento quilombola no estado do Pará.

Do Na Raça e na Cor

As associações, os encontros estaduais e a presença feminina nos espaços de tomada de decisão política do movimento quilombola paraense, representam, segundo as autoras, a complexificação do papel da mulher nas suas lutas por reconhecimento em um novo cenário. Sem deixar de exercer suas responsabilidades no ambiente doméstico, essas mulheres assumem novas atribuições na esfera política.

Resgatando a configuração histórica, dados e conflitos, assim como a conceituação de “quilombo”, o artigo apresenta uma contextualização dos processos históricos e sociais que culminaram na luta quilombola do Pará para lançar luz a duas perguntas norteadoras: no interior desse processo, como as mulheres se posicionam e são posicionadas? Como as relações de poder e as questões de gênero influenciam a luta por reconhecimento dos quilombolas?

A partir de um referencial teórico que destaca três aspectos das relações de poder (dominação, resistência e empoderamento, e solidariedade) as autoras analisam a “atuação das mulheres na atuação política de luta por reconhecimento dos quilombolas de modo geral e, especificamente, das na luta das próprias mulheres por reconhecimento intra e extra comunidades nas quais estão inseridas”.

Discutindo a importância da interseccionalidade, o artigo atenta para as diferentes formas de opressão embutidas na roupagem do feminino e utiliza respostas de mulheres quilombolas, obtidas através de questionário, para auxiliar na interpretação sobre a atuação da mulher como sujeito político.

A análise revela que está ocorrendo um processo de complexificação dos papéis da mulher quilombola, que atuam como resistentes por meio do associativismo, além de protagonizarem mobilizações e atuarem para ampliação dos padrões de reconhecimento dos quilombolas. Ainda, o artigo conclui que há busca não apenas da justiça social, “mas a uma solidariedade política e a uma busca verdadeiramente emancipatória por justiça que se pretende extensiva a todas e todos”.

+ sobre o tema

Fabiana Silva perde a 2ª no badminton e se despede da Olimpíada de Tóquio

A brasileira Fabiana Silva se despediu da Olimpíada de Tóquio nesta quarta-feira. A...

Joburg Ballet, o outro sonho de Mandela

Durante o ‘apartheid’, o balé era só de brancos...

A atriz Lívia Graciano estréia no elenco de Priscilla, A Rainha do Deserto

Priscilla, A Rainha do Deserto Baseado no premiado filme de...

Barack Hussein Obama II

Barack Hussein Obama II (Honolulu, 4 de agosto de...

para lembrar

África na Guerra Fria: excelente mercado para a venda de armas

África na Guerra Fria: excelente mercado para a venda...

25 curiosidades sobre a escravidão

Dia 13 de maio se comemora a abolição da...

Museu da Harley Davidson comemora mês da História Negra com exposição especial

por Fabiana Alves Em comemoração ao Mês da História Negra...
spot_imgspot_img

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=