Entre lutas por reconhecimento e relações de poder: o papel das mulheres na organização sociopolítica do movimento quilombola no Pará

Apresentado no 9º Congresso Latinoamericano de Ciência Política, o artigo Entre lutas por reconhecimento e relações de poder: o papel das mulheres na organização sociopolítica do movimento quilombola no Pará, Brasilda assessora de comunicação da Coordenação das Associações das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Pará (Malungu), Janine Bargas, e da professora da  Faculdade de Comunicação Social da UFPA, Danila Cal, analisa o papel das mulheres na organização sociopolítica atual do movimento quilombola no estado do Pará.

Do Na Raça e na Cor

As associações, os encontros estaduais e a presença feminina nos espaços de tomada de decisão política do movimento quilombola paraense, representam, segundo as autoras, a complexificação do papel da mulher nas suas lutas por reconhecimento em um novo cenário. Sem deixar de exercer suas responsabilidades no ambiente doméstico, essas mulheres assumem novas atribuições na esfera política.

Resgatando a configuração histórica, dados e conflitos, assim como a conceituação de “quilombo”, o artigo apresenta uma contextualização dos processos históricos e sociais que culminaram na luta quilombola do Pará para lançar luz a duas perguntas norteadoras: no interior desse processo, como as mulheres se posicionam e são posicionadas? Como as relações de poder e as questões de gênero influenciam a luta por reconhecimento dos quilombolas?

A partir de um referencial teórico que destaca três aspectos das relações de poder (dominação, resistência e empoderamento, e solidariedade) as autoras analisam a “atuação das mulheres na atuação política de luta por reconhecimento dos quilombolas de modo geral e, especificamente, das na luta das próprias mulheres por reconhecimento intra e extra comunidades nas quais estão inseridas”.

Discutindo a importância da interseccionalidade, o artigo atenta para as diferentes formas de opressão embutidas na roupagem do feminino e utiliza respostas de mulheres quilombolas, obtidas através de questionário, para auxiliar na interpretação sobre a atuação da mulher como sujeito político.

A análise revela que está ocorrendo um processo de complexificação dos papéis da mulher quilombola, que atuam como resistentes por meio do associativismo, além de protagonizarem mobilizações e atuarem para ampliação dos padrões de reconhecimento dos quilombolas. Ainda, o artigo conclui que há busca não apenas da justiça social, “mas a uma solidariedade política e a uma busca verdadeiramente emancipatória por justiça que se pretende extensiva a todas e todos”.

+ sobre o tema

Coletivo Luiza Bairros: conheça grupo que atua no combate ao racismo institucional na UFBA

A principal estratégia utilizada é na exigência do cumprimento...

Após reivindicação do movimento negro, sítio arqueológico no centro do Rio será preservado

Diferente das ossadas humanas descobertas durante escavações próximas à...

Agenda única de eventos em novembro celebra a consciência negra na UFMG

Iniciativa, que une comunidade e gestão, integra formação, informação...

para lembrar

Projetos de promoção da igualdade racial nos estados terão apoio da SEPPIR

Nessa etapa, serão priorizados os estados que ainda não...

Das 3.782 terras quilombolas do país, só 193 foram tituladas

Das 3.782 terras quilombolas do país, só 193...

Dia 20 de novembro é o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra

Algumas cidades brasileiras decretaram feriado nesta data O...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=