Equador reconhece a identidade de gênero no documento de identificação

A assembleia Nacional do Equador aprovou com 77 votos afirmativos entre 100 assembleístas presentes a Lei Orgânica do Serviço Nacional de Gestão de Identidade e Dados Civis, que, entre outros avanços, permitirá às pessoas maiores de idade – 18 anos – mudar o campo de sexo pelo de gênero em seus documentos de identidade. Para Diane Rodríguez, presidenta nacional da Federação Equatoriana de Organizações LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais], esse direito que, hoje, atende de forma real a todas as pessoas, sem importar se são heterossexuais ou parte dos coletivos de gays ou de lésbicas, beneficia, em especial, as populações trans e intersex.

Do Pravda.ru

Diferente de outras legislações, que reconhecem as pessoas trans por seu sexo (Argentina, Itália, Dinamarca, etc.), ou criando um terceiro gênero (Austrália, Índia, Nepal), o Equador se consagra como o primeiro país, em nível mundial, que reconhece o sexo das pessoas por seu nascimento (caracteres biológicos e cromossômicos, que não mudam por nenhuma intervenção cirúrgica ou hormonal) e o gênero, a partir da autopercepção de se sentir feminino ou masculino.

Em 2012, a proposta legal, apresentada pela advogada Elizabeth Vásquez, se estancou na Assembleia, logo que o Executivo a rechaçara, por pretender alcançar o matrimônio igualitário, com supostas artimanhas legais.

Em 2013, várias organizações LGBT, como a Associação Silueta X, puderam gerar o acordo N° 21525 com o governo do presidente Rafael Correa, conseguindo até esta data o reconhecimento da “união de fato” de pessoas homossexuais, que geram os mesmos direitos que o matrimônio, em 2014. Ademais do reconhecimento da identidade de gênero das pessoas trans e intersex, em 2015. Isto sem mencionar a menção da orientação sexual e da identidade de gênero nas leis orgânicas e avanços em saúde e justiça.

Quem tenha claramente o direito público entre heterossexuais, homossexuais e bissexuais poderão solicitar a mudança do gênero no documento de identidade. Enquanto que as pessoas trans e intersex, que historicamente, têm sido discriminadas pelo gênero, poderão escolher entre: masculino e feminino conforme sua satisfação, guardando seu sexo na certidão de nascimento, como um direito privado.

+ sobre o tema

Cerca de 40% das mulheres que denunciam violência não voltam à delegacia

Retorno da vítima é necessário para ouvir depoimento e...

Governo recua na proposta de igualar salário de mulheres ao de homens

Recurso apresentado nesta sexta-feira (9/3) pelo líder do governo...

Vozes femininas disputam espaço na Rio+20

"Se alguém acha que somos invisíveis, está na hora...

para lembrar

Por que tantas jovens amam o método do ‘coito interrompido’

Em muitos aspectos, a época atual é excepcionalmente boa...

Prêmio combate a violência contra a mulher

Prêmio combate a violência contra a mulher
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=