Escolinha Maria Felipa lança a AfroEducativa – Formações Pedagógicas em setembro

Ciclo de formações da escola afro-brasileira se renova e tem três dias de encontros, de 13 a 15 de setembro, na 7ª formação oferecida pela instituição

A escolinha de educação infantil afro-brasileira e trilíngue – português, inglês e libras – Maria Felipa (@escolinhamariafelipa) há dois anos realiza ciclos formativos para as relações étnicas-raciais e chega a sétima edição anunciando um novo nome: AfroEducativa – Formações Pedagógicas Maria Felipa. Com a participação da Dra. em educação Nilma Lino Gomes – autora do livro O Movimento Negro Educador, entre outros, e do Dr. em semiótica e linguística e babalorixá Sidney Nogueira, além de Bruno Coelho, professor de línguas, e da pedagoga Cristiane Coelho, a próxima formação ocorre nos dias 13, 14 e 15 de setembro, através do Google Meet, de 19h às 21h respectivamente. 

As inscrições, que vão até o dia 13 de setembro, podem ser realizadas pela plataforma Even3 (https://www.even3.com.br/afroeducativaformacaomariafelipa/), no valor de R$60. O AfroEducativa – Formações Pedagógicas Maria Felipa é uma ferramenta para construir conjuntamente a superação das discriminações, preconceitos e violências, consequentes do racismo, machismo e lgbtfobia, através da educação.

A formação será iniciada no dia 13 de setembro com o ciclo que tem como perspectiva uma formação coletiva, emancipadora, que liberta e é equânime, com a Pró Cris Coelho e Prô Bruno Brito, no encontro “História pretinha das coisas: o caderno bilíngue de atividades afrocentradas de ciências“. O caderno será apresentado com intuito de difundir uma ancestralidade outra, que foge dos estigmas do escravismo e coloca a população negra em um lugar de positivação das suas memórias, da sua existência, da sua subjetividade. Este material foi desenvolvido pelos professores e pode ser utilizado em casa e em qualquer escola, diante da falta de referências em materiais afrocentrados para trabalhar a educação infantil. 

Afroeducativa chega para desmistificar o entendimento coletivo acerca da educação escolar afro-brasileira e afroafetiva. “Geralmente as pessoas cometem erros ao pensar a educação que pautamos e um deles é: acreditar que a nossa abordagem é unilateralizada e focada apenas nas religiões de matriz africanas, como se essa fosse a única possibilidade de pensar a comunidade negra na diáspora. Desejamos mostrar que somos pluriversais, que temos múltiplas frentes de atuação, de trabalho, na sociedade, intelectuais, conhecimentos científicos e filosóficos, aspectos culturais de naturezas diversas, a cultura popular, diversas frentes culturais a serem socializadas coletivamente e na escola”, afirma Bárbara Carine, idealizadora e consultora pedagógica da Maria Felipa. 

No segundo dia (14/09), as inscritas(os) ficam com a professora e doutora em educação, ex ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos no governo de Dilma Roussef e a primeira mulher negra do Brasil a comandar uma universidade federal, ao ser nomeada reitora da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, em 2013, Nilma Lino Gomes, no encontro O movimento negro educador: o papel da escola na construção da sociedade que queremos“. O debate, que traz em seu tema o título do livro da mestra, foca em  compreender como o movimento negro se materializa no espaço escolar e como ele pode ser materialzizado na contemporaneidade, para avançar em uma educação equânime.

Para fechar os inscritos(as) ficam com a mesa “Superando o racismo religioso na educação escolar: desafios e estratégias”, ministrada pelo Professor Dr. e babalorixá Sidney Nogueira, no dia 15 de setembro. O encontro com o coordenador e professor do Ilê Ará de São Paulo – Instituto Livre de Estudos Avançados em Religiões Afro-brasileiras e autor do livro Intolerância Religiosa da coleção Feminismos Plurais, coordenado por Djamila Ribeiro, tem o objetivo de pautar o racismo religioso e buscar a sua superação através de mecanismos como a fuga da ótica de demonização das religiões de matriz africanas e as suas entidades, compreendendo o espaço escolar como um ambiente de libertação dos estigmas e sistemas de opressões. 

“Toda a formação e esse material é uma possibilidade de fazer um caminho reverso dentro das suas próprias casas até, para quem não tem condições de ter a Maria Felipa para trabalhar com as suas crianças, para quem sente a necessidade e a importância de criar condições para que tenham referências para além das que negam a africanidade e as outras perspectivas que positive a existência do povo negro.”, trouxe Maju Passos, sócia da escola. 

Ciclo

A formação iniciou-se em 2019, de forma presencial, na própria escola, e teve sua primeira versão online em 2020. Além de trocas, partilhas, quanto aos conhecimentos antirracistas, segue com o propósito de levantar recursos financeiros para manutenção da instituição, neste momento de pandemia e crise econômica.

Diante de uma sociedade que ainda enfrenta violências que, fruto do racismo, machismo e preconceitos, atravessam o físico, psíquico e emocional de toda a sociedade, a escola e consequentemente a formação são não só mensagens para o futuro, representam a luta pelos símbolos, memória e possibilidades para que haja um mundo que respeite e paute pessoas diversas, complexas e com particularidades culturais que fazem parte do país.

Escola Maria Felipa

A Escola Maria Felipa retorna com as aulas presenciais dia 30 de agosto, num sistema híbrido  – on-line e presencial, respeitando todos os protocolos de prevenção à Covid-19, equipe de profissionais totalmente vacinada e a partir da escolha de cada família. Em sua organização didático-pedagógica, cada turma é nomeada por um reino/império africano que norteará os estudos dos grupos, sendo eles, Império Inca (G2 – 02 anos), Reino Daomé (G3 – 03 anos ), Império Maia (G4 – 04 anos), Império Ashanti (G5 – 05 anos) e Reino de Mali (1° ano fundamental).

A instituição de ensino infantil, localizada na Rua Barão do Triunfo (107 – Federação), é afrocentrada, afroafetiva, anti-opressiva, valoriza a diversidade e carrega o nome de uma mulher, uma referência histórica de força, luta e liderança, como compromisso à ancestralidade africana. A EMF é criada em 2017 por Bárbara Carine, idealizadora e consultora pedagógica da instituição, no processo de adoção de sua filha e pensar sobre sua educação. Ao perceber que a escola pautada em uma perspectiva decolonial, que contribuísse para o desenvolvimento humano não só da sua filha, mas de todos as alunas(os), não existia, ela aprofundou os dois anos anteriores à fundação em pesquisas e entrevistas com militantes e pesquisadoras(es) da temática étnico-racial e pedagógica e assim surge a Escola. 

Programação

1° dia – 13/09-  (19h – 21h) – Pró Cris Coelho e Prô Bruno Brito

Tema – História pretinha das coisas: o caderno bilíngue de atividades afrocentradas de ciências

2° dia – 14/09 – (19h – 21h) – Dra. Nilma Lino Gomes 

Tema – O movimento negro educador: o papel da escola na construção da sociedade que queremos

3 dia – 15/09 – (19h – 21h) – Professor Dr. e babalorixá Sidney Nogueira 

Tema – Superando o racismo religioso na educação escolar: desafios e estratégias

Serviço

O Quê: VII edição do AfroEducativa – Formações Pedagógicas Maria Felipa 

Quando: 13, 14 e 15 de setembro, às 19h

Inscrições: R$ 60 (sessenta reais) https://www.even3.com.br/afroeducativaformacaomariafelipa/

Maiores informações: 71 3506-3731 / 71 98290-5917 | [email protected]

+ sobre o tema

II Edital Gestão Escolar para a Equidade – Juventude Negra

Vários estudos mostram que há resultados educacionais significativamente piores...

Cerimônia de formatura em MT reúne 43 índios de 32 etnias diferentes

Formandos do curso de Pedagogia Intercultural que reúne 32...

Aluno da primeira turma de cotistas raciais da UFPR defende tese de doutorado

A UFPR agendou para a próxima terça feira (7)...

Bolsa de mestrado para grupos sub-representados na Ciência

Diversidade e Inclusão na Ciência Do British Council Sob a linha...

para lembrar

spot_imgspot_img

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde, Nina Simone. Quem é minimamente versado na história dos Estados Unidos (naquilo que ela tem...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Gênero e reparação histórica na Guiné-Bissau e Além: entrevista com a intelectual Joacine Katar Moreira

No ano da celebração do 50º Aniversário da Independência da Guiné-Bissau, o Sesc Pompeia e o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP...
-+=