Combate ao racismo e homofobia tem pouco espaço nas escolas, diz relatório

48% das escolas têm projetos sobre racismo; 26% falam sobre homofobia e 15,8% sobre machismo, segundo anuário do Todos Pela Educação

Apenas 48% das escolas brasileiras afirmaram ter projetos para tratar relações étnico-raciais, por exemplo. Menos da metade das escolas brasileiras têm projetos para debater o racismo e demais relações étnico-raciais. Menor ainda é o espaço do combate ao machismo, à homofobia e às desigualdades sociais. Os dados estão no Anuário Brasileiro de Educação Básica 2021, divulgado na última semana pela organização Todos Pela Educação.

De acordo com o levantamento, 48% das escolas afirmaram ter projetos para tratar relações étnico-raciais, incluindo o racismo. Apesar desse debate avançar na sociedade, a pauta não avançou pelas salas de aula – pelo contrário. Como comparação, entre 2013 e 2017, mais de 70% das escolas tinham projetos nesta temática.

Dentre essas questões, o machismo é o menos abordado no ambiente escolar, com projetos em apenas 15,8% das escolas. Já a homofobia é tratada por apenas 26% das instituições de ensino; e as desigualdades sociais por 35,9%.

“Quando a gente olha num histórico, 2019 foi o ano em que menos escolas declararam ter projetos sobre essas temáticas”, analisa o líder de Políticas Educacionais da Todos Pela Educação, Gabriel Corrêa.

O líder da organização Todos Pela Educação acredita que tratar essas questões desde cedo pode ajudar a reduzir desigualdades pelo país e avalia como irresponsável quando esse debate é centralizado no campo político-ideológico.“A educação vai muito além da transferência de conteúdos técnicos de disciplinas para os nossos estudantes. A educação precisa preparar os alunos para o exercício da cidadania”, avalia Corrêa.

Foto: Anuário Brasileiro de Educação Básica 2021/Todos pela Educação

Diversidade nas escolas

Com uma década de experiência no ensino básico, o professor Gabriel Teodoro defende o envolvimento dos responsáveis pelos estudantes e o preparo da equipe pedagógica para tratar essas pautas.

Teodoro é mestre em Educação e especialista em Gênero, Diversidade e Relações Etnico-raciais na Escola.“Temos visto um avanço do conservadorismo e da pressão de grupos que não são legitimados para falar do currículo escolar, ganhando espaço e dizendo o que se deve falar ou não na escola. E isso deixa a equipe insegura para, inclusive, cumprir o que está nas diretrizes e no currículo escolar”, diz.

Teodoro também chama atenção para a urgência de trabalhar esses temas com crianças, adolescentes e jovens. “Não significa que tratá-los será a resolução ou culminará no fim do racismo, da violência de gênero ou da homofobia; e sim que a escola está acompanhando o curso da diversidade e do respeito ao outro, às diferenças e que está cumprindo o seu papel de espaço democrático de produção e acumulação de valores humanos e humanitários”, avalia o professor.

+ sobre o tema

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

para lembrar

Estudantes do DF fazem avaliação que medirá desempenho de escolas públicas

Cerca de 170 mil estudantes da rede pública...

Resultado do Enem 2021 já pode ser conferido; saiba como ver sua nota

O Ministério da Educação informou nesta quarta-feira (9/2) que já é...

Mesmo com avanços, quase 40% não têm ensino médio completo aos 19 anos

Apesar de avanços contínuos nos últimos anos, quase 40%...

Ex-aluno de faculdade top dará aula em escola carente

Projeto começa no Rio e depois vai para outras...
spot_imgspot_img

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...

Inscrições para ingresso de pessoas acima de 60 anos na UnB segue até 15 de maio; saiba como participar

Estão abertas as inscrições do Processo Seletivo para Pessoas Idosas que desejam ingressar nos cursos de graduação da Universidade de Brasília (UnB) no período...
-+=