Esmalte que detecta Boa noite Cinderela vira polêmica

A criação de um novo tipo de esmalte que muda de cor na presença de drogas usadas em estupro tem gerado polêmica e justamente entre ativistas anti-estupro.

por BBC Brasil

O projeto, que está sendo desenvolvido pela empresa “Undercover Colors”, de quatro estudantes universitários da Universidade da Carolina do Norte, prevê que a tinta mude de cor em contato com uma bebida que contenha drogas usadas em estupros, como GHB e Rohypnol, usados no boa noite cinderela.

A ideia foi inicialmente elogiada, com centenas de milhares de curtidas e compartilhamentos no Facebook e no Twitter.

“Com o nosso esmalte, qualquer mulher vai ter poderes para garantir discretamente sua segurança, simplesmente mexendo a bebida com o dedo”, disse a empresa.

“Se seu esmalte muda de cor, ela vai saber que algo está errado”.

Segundo Adam Clark Estes, do blog Gizmodo, já existem métodos para testar bebidas para drogas. “Mas não é necessariamente fácil carregar estas coisas à noite e mostrá-las em bares”.

No entanto, o projeto também recebeu críticas – e, surpreendentemente, de ativistas anti-estupro.

– Agradeço que jovens queiram frear o assédio sexual, mas qualquer coisa que coloca o ônus sobre as mulheres para ‘discretamente’ evitarem serem estupradas perde o ponto – escreveu Jessica Valenti para o jornal britânico The Guardian.

– Deveríamos estar tentando impedir o estupro, não apenas evitá-lo individualmente – disse.

Jessica argumenta que a promoção de produtos como o esmalte não é apenas ineficaz mas também pode levar à conduta de “culpar a vítima” se as mulheres não tomarem todas as precauções sugeridas.

Tara Culp-Ressler, para o blog Think Progress, também criticou tais produtos e disse que eles “reforçam a cultura de estupro” da sociedade.

Já Erin Gloria Ryan, na Jezebel, disse que melhorar a conscientização sobre assédio sexual poderia ser mais benéfico do que esmaltes que mudam de cor.

Apesar das críticas, a página da empresa no Facebook tem centenas de elogios,  desde mulheres interessadas no produto, mães preocupadas com filhas e manicures que querem oferecer o novo esmalte a clientes.

E, claro, feministas criticando outras ativistas por serem contra a invenção.

O grupo disse que o produto ainda não está à venda e que testes estão sendo realizados para que o esmalte detecte diversos tipos de drogas.

+ sobre o tema

Maju ganha prêmio de combate ao racismo e pede “paz e respeito”

Maria Julia Coutinho, a moça do tempo do "Jornal...

Irmãs, juntas, na luta pela liberdade

As ilustrações feministas da designer gráfica Carol Rossetti trazem...

para lembrar

Ela milita pelo reconhecimento intelectual de mulheres negras no Brasil

A carioca Giovana Xavier, ou @pretadotora, como se autodenomina...

Suprema Corte dos EUA abre caminho para casamento gay em 5 estados

Em uma decisão surpreendente, ministros rejeitaram apelos dos Estados...

Como ajudar na igualdade de gêneros? Não apenas falando, diz nova rabina de SP

Carreiras como a da paulistana Fernanda Tomchinsky-Galanternik ainda são...

Filhos de Gandhy desfilam contra violência a mulher

Com palavras de ordem como "Violência contra a mulher...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=