Especialistas analisam a reação polêmica nas redes sociais à capa com imagem de jovem amarrado a poste

“Não basta acabar com a escravidão. É preciso destruir sua obra”. A imagem do jovem negro amarrado a um poste mostra que, 127 anos depois da abolição da escravatura, a sociedade brasileira ainda reproduz as cenas que o abolicionista Joaquim Nabuco (1849-1910) lutava para extirpar do país.

no Extra

A conclusão é do historiador Luiz Antonio Simas, que cita a obra do historiador e diplomata abolicionista para analisar as reações inflamadas à capa do EXTRA de ontem. A relação entre a execução sumária e a escravidão suscitou amplo debate nas redes sociais.

 — A chave para entender essa questão é a frase do Joaquim Nabuco. O mais complicado é acabar com a obra da escravidão. São quatro séculos de uma cultura escravocrata, onde a violência está presente, naturalizada. É claro que é preciso denunciar a tortura no período da ditadura militar, mas é preciso lembrar que a tortura é uma prática sistemática e cotidiana no Brasil em 500 anos. Essa naturalização da violência é obra da escravidão. E é terrível — explica o professor.

O historiador Nireu Cavalcanti ressalta que as reações favoráveis à execução sumária são um reflexo da descrença da população brasileira no Estado.

— A população se sente abandonada. Não adianta discutir se está certo ou errado, mas ver as causas da doença, que é a falta de credibilidade do estado, no qual a alta cúpula dos governos é condenada por corrupção. O governo brasileiro é uma fábrica de bandidos. Essa é a origem da doença, um estado corrupto em todas as suas esferas — declara o historiador, que também ressalta o massacre dos indígenas e as cenas da escravidão, ainda vivos na sociedade:

— A abolição foi ontem. O brasileiro tem resquícios dentro dele, de que é superior por questões de cor e agora também ao nordestino, aos índios. A população indígena no Brasil foi trucidada.

Para a antropóloga Alba Zaluar, o criminoso é desumanizado no Brasil.

— Houve escravidão em muitos países e não é isso que justifica a violência. A questão é mais complexa. Temos a visão horrorosa do que os soldados americanos fizeram com prisioneiros e eles não eram escravos. Acontece nos combates radicais em que o inimigo é desumanizado. O criminoso é visto assim no Brasil. Ele é desumanizado e sofre horrores na prisão. Aqui, se o traficante morre em confronto não tem problema. Como não? O problema é transformar o outro em inimigo e desumanizá-lo — afirma Alba.

O deputado federal Chico Alencar também comentou o caso.

— O EXTRA retoma uma tradição jornalística fundamental para o abolicionismo, que culminou com o fim da escravidão na segunda metade do século 19. O papel da imprensa é informar e formar em torno de valores, com o combate ao preconceito e ao racismo. É muito educativo mostrar as semelhanças entre a opressão da escravidão sobre o povo negro do Brasil, com argola, ferro e chibata, e a raiva materializada em maus-tratos do passado, e o instinto de vingança sumária. O justiçamento representa a descrença em qualquer solução civilizada. A população carcerária do Brasil aumentou 574% nos últimos 25 anos. E o registro de atos violentos cresceu 114% nesta última década. Toda violência no Brasil, fora os casos isolados de psicopatia, é fruto de nossa estrutura social. Não significa dizer que todo miserável é violento, mas uma análise da população carcerária, do acesso à escola mostra uma evidente correlação entre a violência e a estrutura social. Países mais desiguais são mais violentos.

leia sobre o caso:

+ sobre o tema

LE FIGARO: Brasil tem banho de sangue e “autoridades nem se comovem”

Jornal francês relata que "a mídia brasileira tem exibido...

ONU Brasil pede rigor nas investigações de ataque a indígenas no Maranhão

O Sistema das Nações Unidas no Brasil divulgou nota...

Direitos Humanos e Justiça Criminal – Enfrentando a Prisão Provisória e o Encarceramento em Massa no Brasil

APRESENTAÇÃO O Fundo Brasil de Direitos Humanos, a Fundação Oak...

Exploração consentida

Portaria do MTE altera definições de trabalho escravo e...

para lembrar

O linchamento como sintoma

O verdadeiro crime cometido por Cleydison Pereira Silva, espancado...

Um lugar chamado Branquitude, conhece?

Você esta lá, acomodada em um local muito confortável...

“Não sabia se ela era inocente ou não”, diz eletricista preso por linchamento de dona de casa

Um dos suspeitos de participar do linchamento da dona...

Ativistas afegãs rompem tradição e carregam caixão de mulher linchada

O caixão de uma mulher espancada e apedrejada até...
spot_imgspot_img

A história brutal e quase esquecida da era de linchamentos de negros nos EUA

Atenção: esta reportagem contém conteúdos perturbadores. Por Ángel Bermúdez No Uol Em 1904, o afro-americano Luther Holbert foi amarrado a uma árvore em Doddsville, no Estado americano...

Ativistas afegãs rompem tradição e carregam caixão de mulher linchada

O caixão de uma mulher espancada e apedrejada até a morte em Cabul foi carregado por um grupo de mulheres, rompendo a tradição dos...

Homem linchado não violentou crianças no Paraná, aponta exame

Caminhoneiro de 58 anos morreu após ser agredido por moradores. Ele estava com duas crianças em um caminhão, em Paraíso do Norte. Do G1 Imagem retirada do...
-+=