quinta-feira, abril 22, 2021

Tag: linchamento

A história brutal e quase esquecida da era de linchamentos de negros nos EUA

Atenção: esta reportagem contém conteúdos perturbadores. Por Ángel Bermúdez No Uol Em 2005, o Senado dos Estados Unidos pediu desculpas por não ter aprovado uma legislação proibindo linchamentos (Foto: Getty Images) Em 1904, o afro-americano Luther Holbert foi amarrado a uma árvore em Doddsville, no Estado americano do Mississippi, por uma multidão que o acusava de matar um fazendeiro branco. Naquela época, os Estados Unidos viviam um período de violência e segregação raciais. Junto de Holbert, também presa a uma árvore, estava uma mulher - acredita-se que era sua esposa. Ambos foram obrigados a erguerem as mãos. Em seguida, seus dedos foram cortados um a um, e depois jogados para a multidão, como uma espécie de souvenir macabro. Suas orelhas também foram cortadas. Além disso, os dois foram espancados. Uma espécie de saca-rolhas foi usada para fazer buracos em seus corpos e retirar pedaços de suas carnes Finalmente, Holbert e a mulher foram ...

Leia mais

Ativistas afegãs rompem tradição e carregam caixão de mulher linchada

O caixão de uma mulher espancada e apedrejada até a morte em Cabul foi carregado por um grupo de mulheres, rompendo a tradição dos funerais no Afeganistão. Do BBC Centenas de pessoas foram ao funeral de Farkhunda exigindo que os perpetradores do crime fossem punidos. Na última quinta-feira, uma multidão, composta principalmente por homens, atacou a mulher com paus e pedras, espancando-a até a morte. Em seguida, atearam fogo a seu corpo. A polícia, segundo relatos, testemunhou a ação, mas não tomou providências. O ataque da mulher, assim como a falta de intervenção policial, foram duramente criticados. O presidente afegão Ashraf Ghani disse ter ordenado uma investigação sobre o episódio. Imagens do ataque filmadas por celulares circularam nas redes sociais em todo o mundo. Mulher foi acusada de queimar cópia do Alcorão, mas investigador oficial diz que ela era inocente Imagens de mulher sendo espancada e apedrejada repercutiram nas redes ...

Leia mais

Homem linchado não violentou crianças no Paraná, aponta exame

Caminhoneiro de 58 anos morreu após ser agredido por moradores. Ele estava com duas crianças em um caminhão, em Paraíso do Norte. Do G1 Imagem retirada do G1 O homem que foi linchado por vizinhos ao ser encontrado com duas crianças em um caminhão, em Paraíso do Norte, no noroeste do Paraná, não as violentou, conforme laudo do Instituto Médico-Legal divulgado na tarde da quinta-feira (25). Ele morreu em decorrência dos ferimentos na quarta-feira (24), em um hospital de Paranavaí. Juvenal Paulino de Souza, de 58 anos, estava internado desde a terça-feira, quando aconteceu a agressão. No dia, o caminhoneiro foi encontrado pela polícia, desacordado, em uma casa em Paraíso do Norte. "Eu acho que eles tinham que ter chamado a autoridade, e a autoridade resolvia isso, né? Não com as próprias mãos. Acho que não pode ser assim", comenta o aposentado Idaiso da Silva, morador do município. O delegado ...

Leia mais
Image processed by CodeCarvings Piczard ### FREE Community Edition ### on 2015-10-13 13:28:28Z | http://piczard.com | http://codecarvings.com

Breve história do ódio: linchamentos, rolêzinhos e a reação racista à mobilidade social

Os dia 31 de janeiro de 2014, cerca de 30 rapazes em 15 motos cercaram quatro adolescentes na avenida Rui Barbosa, no bairro carioca do Flamengo, aparentemente sob pretexto de que pareciam suspeitos. Dois meninos abordados conseguiram fugir. Por Luiz Eduardo Do Justificando Os outros dois viram uma pistola 9mm com um dos motoqueiros e não correram. Foram espancados. Um deles fugiu. Seu parceiro de infortúnio, um adolescente negro, foi amarrado pelo pescoço a um poste, onde o deixaram nu, sangrando como uma presa abatida. Os justiceiros foram embora. Logo surgiram mais notícias sobre a gangue de motoqueiros. Outros jovens pobres foram surrados e deixados nus, sob ameaça de linchamento. Enquanto batiam em suas vítimas, os motoqueiros as acusavam de terem cometido roubos e outros delitos. Os sinais parecem claros, mesmo que não fossem conscientes. Por que amarrar pelo pescoço a um poste? Por que deixar a vítima nua? Havia mensagens ...

Leia mais
Foto: Flávio Florido

Faltava apenas uma faísca: O linchamento e a bomba-relógio do ódio

Faltava apenas uma faísca. Foto: Flávio Florido por Leonardo Sakamoto no Blog Por certo, os moradores mais ricos da cidade tinham motivo para reclamar. Ninguém quer ir à praia, com sua família e amigos, para correr o risco de ser assaltado, apanhar ou coisa pior. Sentiam que o Estado que, fazendo pouco para combater a impunidade, dava de ombros não só para a sua segurança, como também para a estabilidade das coisas. Então o que era medo começou a se transformar em algo maior, mais viscoso e mal cheiroso nas conversas de bar, nos jantares de família, nas redes sociais. “Precisamos fazer algo'', “Como está não pode ficar'', “Cidadãos de bem não podem sofrer assim'', “São eles ou nós''. São eles ou nós. E, naquele domingo, o WhatsApp foi usado para convocar não para o vôlei na praia, mas para caçar aqueles que eram, a seu ...

Leia mais

Linchamento em Copacabana: policial assiste e historiador salva ladrão de morte iminente

Li hoje na Coluna do Ancelmo. Por marcos romão, do Mamapress  Linchamento em Copa Um ladrão estava encurralado na Rainha Elizabeth com Nossa Senhora de Copacabana, sábado, 18h30m. Ensanguentado, levava porrada de saradões, mulheres, velhos. De passagem, o historiador Joel Rufino, 74 anos, exibiu a carteira de diretor de comunicação do TJ e impediu o massacre. Um policial civil armado assistia sem se meter. Nota da Mamapress: É tudo uma questão de olhar e cidadania. Nosso amigo, o historiador Joel Rufino dos Santos não poderia fazer por menos, ao se ver diante de uma cena de barbárie perpetrada por uma corja de rufiões saradões e senhoras “de classe”, que sob o olhar complacente e incentivador de um policial civil, linchavam um ladrão em plena Princesinha do Mar,  como o bairro de Copabacana é chamada pelos poetas: Joel Rufino reagiu. Interferiu, se meteu no meio do banho de sangue e salvou a vida ...

Leia mais

MT: homem confundido com estuprador é espancado até a morte

Maranhense foi linchado e levou socos e chutes no meio da rua na Grande Cuiabá. Em sua ficha, porém, não consta nenhuma acusação de estupro Por Keka Werneck, do Terra  O maranhense Roberto Luís dos Santos, de 57 anos, que se mudou para Mato Grosso em busca de emprego, foi espancado por populares em um bairro de periferia em Várzea Grande (MT), na Grande Cuiabá, após ser confundido com um estuprador, neste domingo (2). Quando ele passava pela rua Argentina do bairro Jardim Imperial II, um homem o xingou de estuprador, gritando alto, como informa a Polícia Militar. Porém, em sua ficha não consta acusação de estupro. Em pouco tempo, a vítima foi cercada e espancada a chutes, socos e pontapés. Quando a PM chegou, encontrou-o desfalecido. Encaminhado ao Pronto-Socorro, morreu no box de emergência, não resistindo aos ferimentos. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para ...

Leia mais

Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil

A intolerância é a principal causa dos linchamentos que ocorrem em vários estados do Brasil, dizem especialistas em comportamento humano, segurança pública e direito. Para a pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da Universidade de São Paulo, Ariadne Natal, os espancamentos são fruto da combinação da percepção de Estado ineficiente, por parte da população, com uma tradição de desrespeito aos direitos humanos. Por Cristina Índio do Brasil da Agência Brasil “De um lado, a percepção de que o Estado não é capaz de prover segurança e justiça. Há uma percepção difusa de uma parte da população de que a impunidade dá a sensação de medo, aumento da criminalidade e a população se vê vulnerável. Então, há a percepção de que o Estado é ausente e ineficiente. Além disso, há uma cultura de desrespeito aos direitos humanos. A gente vive em um país em que há uma cultura de ...

Leia mais
Foto: Flávio Florido

Você lincha outros na internet? Talvez não saiba, mas é um covarde

Perseguir jornalista em rede social é nojento. Coisa de perfil falso e de páginas de ódio que operam de forma anônima na internet porque não têm ética para dialogar de cara limpa e de forma construtiva. Ou porque fazem isso profissionalmente. Foto: Flávio Florido Por Leonardo Sakamoto, do Blog do Sakamoto  Mas quando cidadãos comuns adotam esse comportamento, agindo como uma manada doida, algo de muito errado está acontecendo. Pois não adianta você bater no peito, dizendo que é um defensor da democracia se, na primeira oportunidade, usa de métodos ditatoriais para transformar a vida de outras pessoas em um inferno. Ficou insatisfeito com uma reportagem veiculada na Veja sobre o Romário? Critique o texto, aponte suas discordâncias, debata com os amigos com base em dados, mas não tente transformar a vida digital dos profissionais envolvidos em um inferno. “Ah, mas há colunistas que usam desse expediente…'' Dane-se! ...

Leia mais

‘Quem lincha sabe que tem respaldo social no Brasil’, diz pesquisadora

O caso de Cleidenilson Pereira da Silva, de 29 anos, espancado e esfaqueado até a morte no início de julho após ser amarrado a um poste em São Luís, no Maranhão, chocou o país. Cercado e atacado por um grupo após uma acusação de roubo, ele foi linchado em plena luz do dia. No Rio de Janeiro, na segunda-feira, Newton Costa Silva também foi espancado até a morte na favela da Rocinha, acusado de tentar matar uma mulher e seus dois filhos. por Jefferson Puff no BBC Em comum, os dois casos trazem à tona a inegável brutalidade dos linchamentos, um fenômeno que tem chamado a atenção no país. Apesar de justiçamentos pelas próprias mãos configurarem crimes de homicídio ou lesão corporal, o comportamento de alguns setores da população, de parte da polícia e até mesmo da mídia revela por vezes um clima de aceitação da violência quando cometida contra ...

Leia mais

Moradores da Rocinha lincham suspeito de agredir bebê

Um homem foi linchado na madrugada desta segunda-feira (20) por moradores da Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro, após supostamente agredir um bebê de 1 ano e 10 meses na comunidade. Newton Costa Silva chegou a ser levado para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, zona sul da cidade, com sinais de tortura, mas não resistiu aos ferimentos. Ele foi acusado de ferir a criança com um objeto cortante na cabeça, possivelmente uma faca. Por Stênio Ribeiro Do Agência Brasil Este foi o terceiro caso, em menos de um mês, de ações de justiçamento no estado do Rio. Segundo o comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, policiais estiveram na Estrada da Gávea para verificar a informação de um espancamento. No local, os agentes encontraram o rapaz com ferimentos e amarrado a fios. O caso foi registrado na 11ª Delegacia Policial (DP) da Rocinha. De acordo com informações da ...

Leia mais

A lei de Lynch

“Não matarás”.  Eis a ordem definitiva dos deuses em qualquer religião e, entre os céticos, há uma expressão lapidada segundo a qual um crime não justifica outro. Todas as consequências que levam ao linchamento tem por trás de si históricos de tensão econômica, discriminação, guerra, insegurança, preconceito, opressão racial e fanatismo. por J.M. Cunha dos Santos Foi assim com a mulher adúltera salva por Jesus Cristo quando o adultério feminino era punido com apedrejamento. Mas julgam alguns que participam de linchagens ou que as assistem estar promovendo alguma forma de Justiça. Um erro crasso e um ato de desumanidade sem medidas, no qual muitos homens se juntam para tirar a vida de outro homem ou de um grupo que julguem ter excedido os limites da convivência social. Pra corrigir um crime, cometem outro crime ainda maior. Está no Jornal Pequeno de segunda-feira a notícia de 10 mortes acontecidas em 9 ...

Leia mais

Um lugar chamado Branquitude, conhece?

Você esta lá, acomodada em um local muito confortável chamado branquitude. Um topo, um lugar alto, de visão privilegiada de onde observa os demais que são considerados exóticos, simplesmente por não serem brancos, por não atenderem aos requisitos para adentrar este lugar especial e protegido. por Verinha Kollontai no Feminismo sem Demagogia Com os seus você forma uma irmandade tão forte quanto a irmandade que as mulheres reclamam dos homens, onde protegem se mutuamente, e para garantir este lugar privilegiado, estes irmãos quando ouvem as pessoas negras reclamarem de racismo dizem em uníssono: – Vitimismo! – Não existe mais racismo! – Os negros estão em todos os lugares! – Eles tem mais voz que eu! Você não sabe exatamente por que faz isso, né? Mas vou te dizer por que: A negação do racismo e contra-ataque a denuncias de racismo tem uma motivação, manter seguro seu lugar de privilégio. A mulher ...

Leia mais

Linchamentos: Blade Runner e o futuro que é aqui

No filme, seres não desejados precisam ser exterminados a qualquer custo. Qualquer semelhança com o Brasil contemporâneo não é mera coincidência. Murilo Cleto* no Carta Maior Imagine um futuro em que a cidade é um caos absoluto. Em que, de tão superlotadas, é impossível caminhar pelas vielas sem esbarrar em alguém que não se faz ideia quem. Um futuro em que a imaginação das pessoas é completamente colonizada pelos outdoors, que são tantos a ponto de precisarem dos prédios pra que caibam na paisagem. Imagine um futuro em que o desenvolvimento tecnológico sobrepôs-se ao próprio homem, que agora luta pra minimizar os seus efeitos colaterais. Imagine que neste futuro há seres idênticos aos humanos, mas que deram errado e que precisam ser exterminados. Criados para executar tarefas árduas ou para servir como escravos ou soldados, os replicantes suportam a dor e desconhecem o medo. Alguns recebem até implantes de memória, que simulam ...

Leia mais
Manifestações de intolerância crescem no mundo, e aqui não é diferente

Nossa sociedade tem caminhado por uma perigosa estrada de extremismos

A difícil tarefa de escrever. É de fato um desafio trazer algo que possamos dividir com o outro e que faça alguma diferença na sua forma de ver o mundo, ou um determinado tema. Por Mônica Francisco Do Jornal do Brasil O desejo de não se tornar repetitiva, monotemática é enorme. Mas diante de situações como os frequentes linchamentos, espancamentos e outras atrocidades cometidas por "pessoas de bem"... Nossa sociedade tem caminhado por uma perigosa estrada de extremismos. Há um discurso muito duro de que, se não resolvem eles (autoridades), resolvemos nós. Não podemos nos deixar levar por desacerto que podem culminar com tragédias maiores futuramente. Se hoje temos casos "isolados", amanhã, nós, as pessoas ditas de bem, poderemos promover ações das quais nos arrependeremos todos. Há que se tomar cuidado, todos nós, pessoas físicas e jurídicas, temos essa responsabilidade e incumbência. Precisamos voltar a uma casa, como em um jogo de ...

Leia mais
(Foto: Lucíola Pompeu)

Amizades no ringue

Pouco aguento ler ou ouvir notícias. São sempre as mesmas. Os grandes jornais, concorrentes entre si, duelando para conservar assinantes cada vez mais escassos, contam reprises. Como se a pauta não fosse um trabalho humano, mas divino. Unanimidades que caem do céu diretamente nos computadores dos jornalistas. Por Fernanda Pompeu  Do Yahoo Mas a mesmice não ataca apenas a imprensa, ela pousa nas telenovelas, nos programas de rádio e até na maneira igual e ruim de jogar futebol. É baita contradição. Se por um lado há um enxame de narrativas, sete bilhões de pontos de vista, por outro lado há um desejo de pertencer à manada. Está na moda dizer que a sociedade brasileira é conservadora. Pode até ser. Mas não o tempo todo, não em todos os aspectos. Assim como houve uma época em que se martelava que o brasileiro era um povo alegre, capaz de fazer piada com a própria ...

Leia mais

Linchamento

Cumplicidade e assassinato Por  Marcia Tiburi Do Revista Cult O linchamento é um tipo de violência em cuja base estão tensões sociais profundas que, embora possam explicá-lo, não servem de desculpa. Alguma “desculpa”, no entanto, está sempre no cerne do linchamento. Ela é relativa à ação conjunta na qual todos agem em torno de um curioso acordo acerca da verdade que rege o motivo do linchamento. O ato de linchar é um tipo de violência hedionda. Em primeiro lugar, por sua desproporção. Crime praticado por um grupo contra alguém indefeso, ele põe em jogo o procedimento do “todos contra um”. Em segundo lugar, por sua fatalidade. Escapar de um linchamento só é possível por milagre. No meio do coletivo, não surge quem ouse defender a vítima. Ninguém vai contra a maioria. A ação não admite dúvida nem reflexão. Por isso, quem pode fica quieto. Mas como se forma o grupo do ...

Leia mais
Manifestações de intolerância crescem no mundo, e aqui não é diferente

A geração que não sonha e nem sabe o que é sonhar

Mais uma semana, e um turbilhão de acontecimentos ainda em fase de digestão. É assim nesses dias acelerados, em que tudo parece acontecer ao mesmo tempo e nos faz pensar ainda mais na nossa necessidade de buscar, na medida do possível, um ponto de equilíbrio. Por Mônica Francisco Do Jornal do Brasil A visita do papa e sua conversa com os movimentos sociais na Bolívia, a visita de Dilma à Rússia, o Brics, a mandioca, o vídeo do Emicida e o linchamento de Cleidenilson no Maranhão. É assim que as notícias que deveriam nos fazer corar ou, nas atuais circunstâncias, enfiar a cabeça em buraco e nunca mais sair de lá, como o linchamento de Cleidenilson, suspeito de ter realizado um roubo, passam, como tudo. O linchamento de Cleidenilson nos humilha, nos atravessa como lança. Até onde podemos ir em nosso grau de desumanização e aniquilação total do outro? É isso ...

Leia mais

Para você que espanca até a morte

Você acha que faz parte de que prá dizer o que é certo ou errado? Você faz parte de que classe da sociedade que define quem vive ou quem morre? Você que espancou será o próximo! Acha que irão te reconhecer? Vão te chamar de JUSTICEIRO Justiceiro é tão nocivo quanto a policia que mata nossos jovens e nossos filhos, nossos vizinhos, primos, Ou acha que não? Acha que alguém irá te reconhecer como herói? Só que não!! KSL via Guest Post para o Portal Geledés

Leia mais

Homem morto após linchamento no Maranhão não tinha passagens pela polícia

Cleidenilson morava numa casa humilde no bairro João de Deus, com o pai, a madrasta, Maria, e um irmão de criação, filho dela. Nos fundos, sobre uma laje de cimento e entre tijolos sem pintura, o espaço que a família planejava transformar em quartos para os rapazes parece ressaltar o vazio. por Luã Marinatto no Extra Globo — Não faço mais café de manhã, pois sei que ele tomaria. A essa hora (fim da tarde), ele chegaria com pão fresquinho — diz Maria, mais uma vez sem controlar o choro. Se pegou os pais de surpresa, a tentativa de assalto também causou estranheza na vizinhança, onde Cleidenilson era querido — amigos lotaram um ônibus fretado, na última terça-feira, para ir ao enterro. A impressão geral, de que era sua primeira incursão no mundo do crime, é reforçada pelas autoridades: ele jamais respondeu na Justiça por qualquer delito, tampouco tinha passagens na ...

Leia mais
Página 1 de 2 1 2

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist