domingo, agosto 7, 2022
InícioQuestão RacialArtigos e ReflexõesUm lugar chamado Branquitude, conhece?

Um lugar chamado Branquitude, conhece?

Você esta lá, acomodada em um local muito confortável chamado branquitude. Um topo, um lugar alto, de visão privilegiada de onde observa os demais que são considerados exóticos, simplesmente por não serem brancos, por não atenderem aos requisitos para adentrar este lugar especial e protegido.

por Verinha Kollontai no Feminismo sem Demagogia

Com os seus você forma uma irmandade tão forte quanto a irmandade que as mulheres reclamam dos homens, onde protegem se mutuamente, e para garantir este lugar privilegiado, estes irmãos quando ouvem as pessoas negras reclamarem de racismo dizem em uníssono:

– Vitimismo!
– Não existe mais racismo!
– Os negros estão em todos os lugares!
– Eles tem mais voz que eu!

Você não sabe exatamente por que faz isso, né? Mas vou te dizer por que: A negação do racismo e contra-ataque a denuncias de racismo tem uma motivação, manter seguro seu lugar de privilégio.

A mulher negra chora debruçada sobre o corpo frio do filho morto, a policia atirou pelas costas, ele estava correndo, não da policia, brincava com os amigos na comunidade que nasceu, e por barbárie, ali também morreu.

veja o caso: Novo vídeo desmente PMs em morte de adolescente de 15 anos na favela de Palmeirinha RJ

O homem negro roubou pela primeira vez na vida, era pobre, morava numa casa simples, sonhando com bens de consumo que ostentam as pessoas ricas, pensando em como ter o que esta do outro lado da vitrine, que outra forma, se não fosse através do crime? Ninguém quis saber sua história de exclusão, de desumanização, espancaram até a morte, nem para o crime ele teve sorte, amarrado no poste sem vida, não é assim que se cicatrizará a ferida. Curioso é constatar, o homem branco, parceiro de atividade, foi espancado, mas não até a morte e nem foi também exposto de forma covarde, para ele, uma segunda chance, a detenção, para o homem branco, o crime tem perdão.

Do alto da sua branquitude, você não se importa com nada disso… Não se importa com a Cláudia, nem com o Amarildo, o que aconteceu á eles não pode te tocar, você meneia a cabeça vendo as cenas na televisão, com esta negação demonstra lamentar, vira as costas para cena e torna ao seu agradável jantar.

Prá que importar?

Quando a violência esta longe do seu lugar seguro? Quando é aqui na periferia e na favela, ninguém se importa, mas quando desce o morro e chega até a elite, torna-se uma verdadeira esquizofrenia. Visão seletiva e hipocrisia, estão neste olhar privilegiado sobre o qual você tem observado a vida passar, deste lugar onde sua cor conseguiu te colocar.

você ja leu? 

Charles Darwin e a escravidão no Brasil

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench