Ativistas afegãs rompem tradição e carregam caixão de mulher linchada

O caixão de uma mulher espancada e apedrejada até a morte em Cabul foi carregado por um grupo de mulheres, rompendo a tradição dos funerais no Afeganistão.

Do BBC

Centenas de pessoas foram ao funeral de Farkhunda exigindo que os perpetradores do crime fossem punidos.

Na última quinta-feira, uma multidão, composta principalmente por homens, atacou a mulher com paus e pedras, espancando-a até a morte. Em seguida, atearam fogo a seu corpo. A polícia, segundo relatos, testemunhou a ação, mas não tomou providências.

O ataque da mulher, assim como a falta de intervenção policial, foram duramente criticados.

O presidente afegão Ashraf Ghani disse ter ordenado uma investigação sobre o episódio.

Imagens do ataque filmadas por celulares circularam nas redes sociais em todo o mundo.

150322202700_sp_mulheres_afeganistao_choro_624x351_reutersMulher foi acusada de queimar cópia do Alcorão, mas investigador oficial diz que ela era inocente

150322203417_sp_multidao_mulher_espancada_624x351_apImagens de mulher sendo espancada e apedrejada repercutiram nas redes sociais

‘Completamente inocente’

Testemunhas dizem que o grupo acusava a mulher de queimar uma cópia do Alcorão, o livro sagrado do islamismo.

No entanto, um funcionário do Ministério do Interior encarregado de investigar o caso disse não ter encontrado provas que confirmassem a acusação.

“Farkhunda era completamente inocente”, disse o general Mohammad Zahir à imprensa local. Segundo ele, 13 pessoas, incluindo policiais, foram presas.

150322203811__81828457_81828455Governo diz que cerca de 13 pessoas já foram presas por ataque; polícia assistiu a linchamento

Em seu funeral, neste domingo, ativistas de direito das mulheres e da sociedade civil carregaram o caixão, papel que costuma ser desempenhada por homens. As mulheres choravam e gritavam “queremos justiça para Farkhunda”.

O irmão de Farkhunda disse à agência de notícias Reuters que ela se preparava para ser professora de estudos religiosos.

As mulheres ainda sofrem discriminação na maior parte do país e os ataques a elas frequentemente não são punidos.

Mesmo assim, acredita-se que este ataque, que aconteceu próximo à mesquita Shah-Du-Shamshaira, seja o primeiro do tipo no Afeganistão

+ sobre o tema

Campanha comemora 20 anos do mês da visibilidade trans no Brasil

O Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC)...

Jurema Werneck: ‘Ser mulher negra no Brasil de hoje é sinônimo de luta’

Em entrevista ao HuffPost Brasil, diretora da Anistia Internacional...

Torcida do corinthiana é multada por homofobia contra Emerson Sheik

Naquela ocasião, os torcedores apareceram no local portando faixas...

Prorrogadas inscrições para o ‘Prêmio Lélia Gonzalez’

O prazo para postagem de propostas para o 'Prêmio...

para lembrar

Lutar pela legalização do aborto é lutar pela saúde da mulher

Neste dia, gostaríamos de ter muito o que comemorar....

Aplicativo traça “mapa da homofobia” de agressões contra a comunidade LGBT

O aplicativo Espaço Livre nasceu com o objetivo de...

Janete Pietá

Janete Rocha Pietá nasceu no Rio de Janeiro em...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=