Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem Muros do ITTC dá início à campanha #mulheresemprisao. Com o objetivo de divulgar o site mulheresemprisao.org.br, iniciativa que busca dar visibilidade ao encarceramento feminino, a campanha oferece referências para entender o universo prisional sob a perspectiva de gênero, além de defender a aplicação de medidas que visem ao desencarceramento feminino.

O encarceramento feminino cresceu 503% entre 2003 e 2014, de acordo com o Depen. Grande parte dessas mulheres é mãe e provedora dos seus lares. Além disso, a maioria não possui antecedentes criminais, é jovem, negra e mora em locais periféricos. O Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, por meio de pesquisa e trabalho de base realizados há 20 anos, acredita que o perfil da mulher encarcerada reflete uma assimetria de gênero que atinge as mulheres antes mesmo de entrarem em conflito com a lei. Nesse sentido, a única forma de mudar a realidade e combater as violações de direitos humanos é desencarcerá-las.

As Regras de Bangkok são um exemplo de normativa que recomendam alternativas ao aprisionamento de mulheres. Elas são um documento da ONU, do qual o Brasil participou da redação e da aprovação. As Regras foram traduzidas oficialmente pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ em março de 2016, mas têm sido pouco aplicadas na prática.

O programa Justiça Sem Muros lançará no dia 16 de fevereiro um relatório, construído a partir do estudo de processos judiciais e entrevistas com mulheres encarceradas. O objetivo do documento é  ampliar, por meio da própria voz das mulheres, o campo de visão dos membros do sistema de justiça para estas que são invisibilizadas e alvos constantes das mais duras violações. Com isso, esperamos que as recomendações ao fim do relatório apontem caminhos para a redução do encarceramento feminino.

Até o dia do lançamento, o ITTC divulgará, via Facebook, trechos das entrevistas realizadas e alguns dos problemas identificados no decorrer da pesquisa.

+ sobre o tema

Adele sobre amamentação: ‘A pressão em cima de nós é absolutamente ridícula’

No show que aconteceu na última terça-feira (22) na...

Núcleo da Unicamp abre inscrições para o concurso “Grafite Feminista”

O Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, da Unicamp,...

Lista: as seis mulheres reunidas na série ‘Filósofas brasileiras’

No imaginário popular, não é raro que a primeira...

para lembrar

Liberdade caça jeito

Quem reivindica direitos, demanda a democratização do poder, luta...

Cinco vantagens da camisinha feminina que nem todo mundo conhece

Ela já existe desde 1980, mas foi de uns...

A escola falhou se o aluno acha que menina é inferior

Na foto acima, seriam prezados alunos ou prezadas alunas?...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=