ESTREIA–“Um Limite Entre Nós” retrata família negra nos EUA dos anos 1950

Enviado por / FontePor Neusa Barbosa, do Extra

SÃO PAULO (Reuters) – Trazendo no elenco a vencedora do Oscar 2017 como melhor atriz coadjuvante, Viola Davis, o drama “Um Limite Entre Nós” tem em sua origem teatral sua grande força dramática.

Escrita pelo dramaturgo August Wilson (1945-2005) e vencedora do prêmio Pulitzer em 1987, a peça original é um primor de profundidade no seu retrato da América negra proletária de meados dos anos 1950.

Denzel Washington, que dirige e protagoniza o filme, também interpretou na remontagem de 2010 – que deu a ele e também à colega Viola o prêmio Tony -, um dos personagens mais magnéticos e contraditórios do teatro norte-americano, Troy Maxson.

Lixeiro em Pittsburgh, em 1957, Troy vive uma meia-idade estabelecida em torno de muitas revoltas. A pior delas, não ter tido condições de abraçar uma carreira como jogador de beisebol, o que ele atribui ao racismo. Diversos obstáculos, sem dúvida, cortam sua trajetória até agora, como a luta para tornar-se o primeiro negro motorista do caminhão de lixo da empresa onde trabalha.

Com suas sofisticadas modulações de voz e linguagem corporal afinada, Denzel encarna um homem forte e altivo em seus 53 anos, ainda que castigado pela vida, exibindo contradições que o filme faz saltar aos poucos. Ele se define especialmente nos longos diálogos com a mulher, Rose (Viola Davis), um misto sutil de doçura, conformismo e uma rebelião pronta a disparar nos momentos que ela julga convenientes.

Neste duelo sutil entre marido e mulher de longo tempo, arma-se todo um contexto histórico e social das relações entre homens e mulheres naqueles dias, confrontados com um contexto racial e social desfavorável. O jogo entre os dois atores é tão fluido de modo a fazer notar a maestria dos diálogos de Wilson, que concluiu o roteiro do filme antes de morrer, de câncer, em 2005.

Deste pequeno universo, tornado mais claustrofóbico porque quase sempre confinado à pequena casa dos Maxson, fazem parte ainda outros personagens: o filho adolescente do casal, Cory (Jovan Adepo), que encontra no pai um adversário invencível na oposição à sua tentativa de uma carreira no beisebol universitário; o filho mais velho, Lyons (Russell Hornsby), um músico que eventualmente pede dinheiro e é humilhado pelo pai; o vizinho e amigo Bono (Stephen McKinley Henderson), com quem Troy divide muito mais do que a mesma história e o mesmo emprego; e o irmão de Troy, Gabriel (Mykelti Williamson), ex-soldado que sofreu dano cerebral em batalha na 2ª Guerra Mundial.

Dizer que o enredo tem andamento teatral não é, como se pensaria à primeira vista, criticar seu ritmo – é afirmar que a história serve aos seus personagens antes de todas as coisas e o faz com honestidade, ternura e humor, em várias situações.

Mas também sem medo da exposição da tragédia, da amargura e das consequências da rigidez. Entre sombra e luz, “Um Limite Entre Nós” pontua o retrato de uma família com um realismo encharcado de lucidez e possibilidade de identificação universal.

+ sobre o tema

Michel B. Jordan vai produzir adaptação do Superman negro para a HBO Max

O ator Michael B. Jordan começou a mover os...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

De valor inestimável: tudo sobre o diamante amarelo usado por Beyoncé

Batizada de Diamante Tiffany, a pedra fancy yellow de 128 quilates da...

PROMOÇÃO: #QueroSerDJ dará 2 bolsas de estudo para interessados em discotecagem

Quer fazer um curso de DJ na faixa? Então se liga...

para lembrar

Faces Negras

No mês em que completa 15 anos, o G1...

Arte de fã reúnem 28 artistas e heróis negros em um grande crossover

Enquanto no Brasil temos as comemorações ao redor de figuras históricas...

País tem proporção recorde de candidaturas de mulheres e negros

O Brasil deverá ter uma proporção recorde de candidaturas...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Militares viram no movimento negro afronta à ideologia racial da ditadura

Documento confidencial, 20 de setembro de 1978. O assunto no cabeçalho: "Núcleo Negro Socialista - Atividades de Carlos Alberto de Medeiros." A tal organização,...

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...
-+=