Estudante de medicina em Belém customiza receita para paciente analfabeto lembrar horários de remédios

Paciente com hipertensão e diabetes foi atendido pela estagiária de medicina e supervisora. Na hora de explicar os horários, a estudante resolveu colar fitas e adesivos para combinar com as medicações.

Do G1

Uma postagem nas redes sociais chamou atenção nesta quarta-feira (5). Gabriela Lemos publicou a foto de uma receita médica a um paciente analfabeto feita pela irmã, Manuela Lemos, estagiária de medicina na Unidade Básica de Saúde Condor, em Belém.

No documento, a jovem e a supervisora médica Rayssa Miranda tentam ajudar o paciente que é hipertenso e diabético a não errar o horário das medicações. Cada medicamento ficou com uma fita amarrada, que também foi colada junto ao horário que deve ser tomado, respectivamente. A estudante também usou adesivos para lembrar de aliar as medicações às alimentações do dia.

“Hoje nos deparamos com um paciente que apesar de ter suas caixas de remédios adesivadas de acordo com o horário (…), não conseguia lembrar o significado de cada fita, e continuava tomando a medicação de forma errada. Foi então que perguntei se podia fazer para ele essa receita da foto”, explicou Manuela Gomes, em um post compartilhado mais de 90 vezes até esta quarta.

Post da irmã, Gabriela, teve mais de 170 mil curtidas nas redes sociais. (Foto: Reprodução / Twitter) 

O atendimento foi na terça-feira (4). A professora Rayssa Miranda, segundo a estudante, teria comprado as fitinhas para ajudar os pacientes.

“Ela é uma profissional que sempre ensinou que deveríamos nos preocupar em passar a mensagem para o paciente de forma clara, se preocupando de verdade com o tratamento dele”, disse.

O atendimento terminou bem, como ela disse: “Foi um trabalho conjunto, pensando no bem do paciente, que agradeceu com um sorriso de compreensão”.

Em entrevista ao G1, a médica Rayssa Miranda explicou que em uma das consultas elas perceberam que o paciente não sabia ler e tomava os remédios de forma desordenada. “Então a gente pediu para que ele voltasse com todos os medicamentos para identificar as caixas de maneira que ele entendesse melhor. Foi quando a Manuela perguntou se poderia adesivar o receituário”.

“No final, ele entendeu tudo, nos abraçou, agradeceu e sorriu”, contou.

A médica explicou que a primeira fita do receituário, prata com estrelas, é para ele lembrar do medicamento ao amanhecer, que deve ser tomado em jejum. A fita amarela para que ele tome de dia e a azul para que tome de noite. Já a de arco-íris é para ele lembrar que o “almoço e o jantar devem ser coloridos, com legumes, proteínas e carboidratos” e os adesivos das frutas, para ele lembrar de “comer algo leve e tomar a medicação em seguida, antes de dormir”.

Repercussão inesperada

A médica explicou que, antes de acabar a consulta, a estudante tirou uma foto para que servisse de modelo para outras ocasiões e ela acabou encaminhando à irmã, que postou nas redes sociais.

“Teve toda essa repercussão que a gente não esperava. Na hora a gente nem pensou que poderia ter colocado todos os horários nas próprias caixas, mas isso fica como aprendizado para o próximo atendimento. Foi uma atitude espontânea. Mas caso ele esqueça de novo, ou perca a receita, ele pode voltar quando quiser que iremos atendê-lo novamente, sem nenhum problema”, contou.

“Foi um atendimento muito emocionante, até a Manuela lagrimou”, contou.

+ sobre o tema

Campanha marca Dia Mundial de Conscientização dos Transtornos Alimentares

Criadores de conteúdo e especialistas de saúde brasileiros unem-se...

Papanicolau não precisa ser feito todo ano; saiba mais sobre o exame

O papanicolau é o exame utilizado para avaliar precocemente alterações pré-malignas...

Outubro Rosa: desafios na luta contra o câncer de mama em mulheres idosas

No cenário da campanha Outubro Rosa, que tem como...

para lembrar

Mortes por coronavírus crescem quase 150% em uma semana, na Paraíba

Casos confirmados aumentaram 120% no mesmo período. João Pessoa...

Projetos de lei querem impedir que marido tenha que consentir em colocação de DIU

Deputados federais e estaduais propuseram projetos de lei para proibir...

Democracia em reconstrução

A um mês do fim, o Brasil toma ciência...

Estudo indica que DSTs atingem mais os homens negros no Brasil

Fonte: Diário de Pernambuco - O total de homens negros...
spot_imgspot_img

Seminário promove debate sobre questões estruturais da população de rua em São Paulo, como moradia, trabalho e saúde

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...
-+=