Estudante denuncia racismo à polícia após postagem de professor em SP

Professor universitário fez publicação em sua rede social em que uma estudante, de 18 anos, aparece. A jovem registrou boletim de ocorrência e o acadêmico nega ato de racismo.

Do G1 

Professor fez postagem em sua rede social com uma estudante negra em Santos, SP — Foto: Reprodução/Instagram

A Polícia Civil investiga um caso de injúria racial cometido por um professor contra uma universitária em Santos, no litoral de São Paulo. O acadêmico fez uma postagem em sua rede social afirmando que não conseguia assistir a um jogo de vôlei, que ocorria na quadra da instituição onde ele leciona. Na frente dele, estava uma estudante negra, de 18 anos.

O professor nega ato de racismo e a universidade em que ele trabalha e onde ocorreu o jogo não se manifestou.

A vítima mora em Praia Grande, cidade vizinha, e fez um desabafo que repercutiu na web. Ela conta que estava assistindo ao jogo, pois amigos participavam da competição. Como o ginásio estava lotado, optou por ficar em pé e afirma que não notou que estava atrapalhando outras pessoas.

A publicação foi feita pelo professor de Educação Física Marcos Lozano na conta pessoal dele no Instagram. Ele publicou uma foto em que a estudante aparece de costas com a legenda: “assim fica difícil assistir o jogo (sic)”. A postagem teve mais de 100 curtidas antes de ser apagada.

Em seguida, o professor respondeu a um seguidor que o questionou se a pessoa que estava na foto era um ex-jogador de futebol. “Só sei que se plantou na minha frente sem cerimônia (sic)”, escreveu o acadêmico. Os comentários seguintes criticam a postagem feita por ele.

Caso é investigado pela Delegacia Sede de Praia Grande, SP — Foto: Andressa Barboza/G1

A universitária fotografada pelo acadêmico foi alertada da imagem dois dias depois do ocorrido, após uma amiga avisá-la. A jovem entendeu que a publicação do acadêmico foi um ato de racismo e o denunciou formalmente à polícia, que abriu investigação para apurar o que aconteceu.

Sobre a publicação, Lozano pediu desculpas e afirmou por e-mail ao G1 que não é racista e não teve a intenção de ofender ou discriminar ninguém. De acordo com o professor, a postagem foi deletada de imediato, e nela quis somente retratar a dificuldade em assistir ao jogo.

“Tenho alunos, ex-alunos, atletas e pessoas que me conhecem e sabem da minha postura e índole como ser humano e que, diferentemente do que estão postando, não sou racista e nunca discriminei quem quer que seja”, declarou o professor. (leia a nota completa abaixo)

O caso foi registrado pela delegada Lyvia Cristina Bonella, da Delegacia Sede da Praia Grande, como injúria racial. O caso segue em investigação, segundo a Secretaria de Segurança Pública. O Código Penal prevê pena de reclusão de um a três anos e multa para este tipo de crime.

A universidade onde o professor leciona e onde ocorreu o jogo não quis se manifestar.

Nota do professor:
“Venho por meio deste post me defender de acusações feitas contra minha pessoa em rede social. Tenho alunos, ex-alunos, atletas e pessoas que me conhecem e sabem da minha postura e índole como ser humano e que, diferentemente do que estão postando, não sou racista e nunca discriminei quem quer que seja. Fiz uma postagem em meu Instagram que foi deletada de imediato, sobre a dificuldade em visualizar um jogo o qual filmava. Em nenhum momento falei ou discriminei qualquer pessoa presente no local.

Aproveito para pedir desculpas a todos que se sentiram ofendidos, não houve essa intenção em momento algum.”

+ sobre o tema

Portal erra tradução. Relatório da ONU não diz que políticas de igualdade racial “fracassaram”

O portal Estadão (repicado nos portais UOL, IG e outros) noticiou...

Terreiro é invadido 10 vezes e babalorixá denuncia racismo religioso: ‘Fomos perseguidos’

Na reportagem especial deste domingo (22), o Fantástico mostrou que o Brasil...

Branco, você é racista

Se você é branco/a, mora no Brasil e está...

para lembrar

“O racismo existe, mas gostamos de fingir que temos brandos costumes”

A jornalista Diana Andringa apresentou no domingo, no...

Corregedoria da Câmara quer evitar que caso de racismo vá para Conselho de Ética

A corregedora da Câmara Municipal de Curitiba, vereadora Noemia...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=