terça-feira, janeiro 31, 2023
InícioQuestões de GêneroViolência contra Mulher"Estupro não, sexo surpresa" Universitários são acusados de combinar estupro na UFRA

“Estupro não, sexo surpresa” Universitários são acusados de combinar estupro na UFRA

Conversas mostram grupo combinando quando seriam os assédios e quais seriam as vítimas

no A Tribuna

Histórico das conversas vazou no último domingo (Foto: Reprodução)

Estudantes da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) estão sendo acusados de racismo e incitação ao estupro após imagens de grupo de WhatsApp viralizarem nas redes sociais. O caso veio à tona após quatro alunas da universidade procurarem a Polícia Civil para denunciar os rapazes, que insinuaram que iriam cometer abusos sexuais na instituição.

Conforme o G1 do Pará, haviam relatos de que os alunos estavam combinando os assédios e quais seriam as vítimas.

Ainda segundo o portal de notícias, o histórico das conversas vazou no último domingo (5) e causou muita revolta. Além das conversas, o grupo divulgava imagens de alunas nuas.

Nos prints que vazaram nas redes sociais, há relatos como “Bora logo meter o estupro” e “Come ela por todos nós”. Outra pessoa responde “Estupro não. Sexo surpresa”.

Em outros comentários é possível ler frases racistas como: “Aí depois me perguntam por que não gosto de preto” e “Tô querendo comprar um anão. Acho que branco deve tá caro. Um negro deve ser mais barato”.

Alunos da Ufra fizeram um protesto pedindo a expulsão dos rapazes (Foto: Divulgação/A Tribuna )

Na última segunda-feira (6) após a divulgação das conversas, estudantes da Ufra realizaram um protesto próximo à universidade. Foram colocados cartazes com trechos das conversas e pedindo a expulsão dos alunos. Após o ato, uma reunião entre os estudantes foi marcada para discutir o assunto.

Em nota, a Universidade Federal Rural da Amazônia afirma “que repudia veementemente as ações de apologia a crimes previstos na legislação brasileira, feitas por meio de aplicativos de celular, pelos quais incorrem em comentários de cunho capcioso, ilegal e indignos à pessoa humana, além de apresentarem-se inadequados ao ambiente acadêmico. No entanto, não cabe a esta Universidade controlar os conteúdos exauridos por alunos em seus aparelhos telefônicos pessoais, mesmo não compactuando com tais conteúdos”.

veja também : 

juntas.geledes.org.br
Acesse e baixe o aplicativo
Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench