“Estupro não, sexo surpresa” Universitários são acusados de combinar estupro na UFRA

Conversas mostram grupo combinando quando seriam os assédios e quais seriam as vítimas

no A Tribuna

Histórico das conversas vazou no último domingo (Foto: Reprodução)

Estudantes da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) estão sendo acusados de racismo e incitação ao estupro após imagens de grupo de WhatsApp viralizarem nas redes sociais. O caso veio à tona após quatro alunas da universidade procurarem a Polícia Civil para denunciar os rapazes, que insinuaram que iriam cometer abusos sexuais na instituição.

Conforme o G1 do Pará, haviam relatos de que os alunos estavam combinando os assédios e quais seriam as vítimas.

Ainda segundo o portal de notícias, o histórico das conversas vazou no último domingo (5) e causou muita revolta. Além das conversas, o grupo divulgava imagens de alunas nuas.

Nos prints que vazaram nas redes sociais, há relatos como “Bora logo meter o estupro” e “Come ela por todos nós”. Outra pessoa responde “Estupro não. Sexo surpresa”.

Em outros comentários é possível ler frases racistas como: “Aí depois me perguntam por que não gosto de preto” e “Tô querendo comprar um anão. Acho que branco deve tá caro. Um negro deve ser mais barato”.

Alunos da Ufra fizeram um protesto pedindo a expulsão dos rapazes (Foto: Divulgação/A Tribuna )

Na última segunda-feira (6) após a divulgação das conversas, estudantes da Ufra realizaram um protesto próximo à universidade. Foram colocados cartazes com trechos das conversas e pedindo a expulsão dos alunos. Após o ato, uma reunião entre os estudantes foi marcada para discutir o assunto.

Em nota, a Universidade Federal Rural da Amazônia afirma “que repudia veementemente as ações de apologia a crimes previstos na legislação brasileira, feitas por meio de aplicativos de celular, pelos quais incorrem em comentários de cunho capcioso, ilegal e indignos à pessoa humana, além de apresentarem-se inadequados ao ambiente acadêmico. No entanto, não cabe a esta Universidade controlar os conteúdos exauridos por alunos em seus aparelhos telefônicos pessoais, mesmo não compactuando com tais conteúdos”.

veja também : 

juntas.geledes.org.br
Acesse e baixe o aplicativo

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

Intervir em briga de casal pode salvar vida, diz juíza

A advogada Tatiane Spitzner, 29, foi encontrada morta no...

Os novos crimes sexuais, por Silvia Chakian de Toledo Santos

Nova lei é um avanço, mas há que cuidar...

Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019....
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Estupros em São Paulo aumentam 16,6% em novembro

O número de estupros, incluindo estupro de vulnerável, aumentou 16,6% no estado de São Paulo, passando de 1.088 casos em novembro do ano passado...
-+=