Eu, uma mulher negra da Geração Z, inventei a minha profissão

Deixa eu me apresentar: sou Vitorí, mulher, negra, cis, do Sul do Brasil, que trabalha com inovação e tecnologia. Tenho 21 anos e sou uma das lideranças aceleradas pelo fundo Baobá através do Programa de Aceleração de Mulheres Negras Marielle Franco e trabalho com pesquisa de tendências futuristas. Muito prazer!

Eu penso o futuro. Eu ativo futuros. Eu sinto uma facilidade maior em me relacionar online do que pessoalmente. E sim, é “culpa” da tecnologia (e também do racismo que colocou pedras no desenvolvimento das minhas relações presenciais). 

Quando fui começar a escrever esse artigo, encontrei vários desafios e conflitos internos, até enfim, externalizar um tema que fosse de minha escolha.

Enquanto dormia e acordava com a ansiedade de encontrar algum tema para escrever e aprender a estruturar um artigo, visitei blogs, parei para consumir textos longos (coisas que não tenho praticado muito) e aqui, enquanto escrevo, quero de peito aberto compartilhar com você que: eu não sei escrever um artigo. Aí, lembrei da minha caminhada… Eu nunca conclui uma “faculdade tradicional”. Nunca produzi um artigo acadêmico. Eu e muites jovens negres da minha geração também não. 

E agora

Eu sei que muites que estão lendo vão pensar: “ah mas a tecnologia estragou os jovens” ou “também, só fica no celular, precisam ler mais livros!” – e está tudo bem.
Mas olhando por uma perspectiva de encontrar uma solução… Essa é a realidade.
Pergunto novamente: e agora?

Num momento que a onda da transformação digital chegou avassaladora e 

as redes sociais estão infoxicadas com mentiras e conteúdos valiosos (intérprete valor como quiser) sendo compartilhado de graça, como a gente se organiza?

O conceito de “infoxicação” pode ser dado a uma lógica simples: 

tudo que é registrado vira dado, tudo que é dado vira informação, tudo que informação vira conhecimento e tudo que é conhecimento vira sabedoria.

Considerando o cenário de produção massiva de dados (e por aí vai), estamos intoxicados com tanta informação. Ou seja, infoxicação. 

Desde a comercialização da tecnologia que permitiu expandir a conexão da internet (no início dos anos 80) e o avanço das tecnologias como telefone, rádio, televisão, celulares, etc, os seres humanos foram apresentados a uma possibilidade de integrar interações de um jeito extraordinário e nunca visto antes na história. Isso inclui o formato que aprendemos e desenvolvemos nossas relações, né?  

Enquanto eu respondo o grupo da família no WhatsApp, eu recebo elogios via comentário no Instagram, e acompanho uma treta no Twitter.
Tudo isso enquanto eu estou ouvindo o lançamento de uma música no Spotify e preparo meu almoço no fogão da minha casa. 

É muita coisa. É muito contato ao mesmo tempo por espaços diferentes. É novo e às vezes assusta. Eu sei.

Com a “chegada” da pandemia, vimos os negócios se (re)estruturarem sobre uma base digital quase inexistente no Brasil.
Todos os conteúdos ao mesmo tempo: robôs, automatização, redes sociais, lojas virtuais, influencers digitais, todo mundo faz tudo e você não consegue fazer nada…

Um senso de urgência e sobrevivência foi ativado com rigor. E caso você se identifique com esse contexto, quero gentilmente te dizer que: assim como várias pessoas, você não está atrasade. Você está infoxicade. 

Não tem para onde ir, é novo. Temos que construir. 

Ok, agora sabendo que não existe caminho pela frente sem a presença do impacto (direto ou indireto) da tecnologia nas nossas vidas, que é uma trilha nova… Temos que olhar para o amanhã considerando que vários presentes existem ao mesmo tempo e existem várias divisões disfarçadas de meritocracia. 

A tecnologia não é feita de metal e números, ela tem raça, classe e gênero. A partir de pesquisas feitas pelo PretaLab, podemos chegar a conclusão que: no Brasil, a tecnologia é feita por homens cis brancos para gente branca. 

E que futuro é esse?

Se lembrarmos da história do nosso país, encontraremos em cada capítulo a organização que orquestra até hojeo protagonismo e construção de narrativa.

Confesso que escrever esse texto não está sendo um dos desafios mais confortáveis que assumi nos últimos meses. Faço parte da primeira geração impactada e mergulhada diretamente pela internet e tecnologias no geral que chega na vida adulta e por consequência… no mercado de trabalho.

Com muito orgulho eu digo que inventei minha própria profissão. Escapei de muitas estatísticas eenquanto eu escutava e via garotos, cis e brancos com auto estima e capacidade para inovar e inventar a própria carreira e ser eles mesmo nesse conflito geracional bizarro, eu criei a minha própria história e sou a protogonista.

Quanto mais eu me adentro ao grupo de “futuristas” do Brasil e América Latina, mais eu vejo a ponte de acesso sendo destruída (será que elas já foram alguma vez construídas?) para crianças e adolescentes negres.

O Brasil se encontra num cenário onde o presente já é consequência de uma estrutura cruel. 

Considerando que a natureza da inovação é a possibilidade do erro e de errar o mais rápido para chegar mais perto do certo o mais rápido possível… Como enfrentar a realidade de um presente onde anafalbetismo digital é um buraco enorme na ponte para qualquer sonho seguro. Que futuro? Ele existe?

Errar é privilégio. 

Ao mesmo tempo, vejo na população negra brasileira uma potência de inovação absurda, onde códigos e máquinas não entendem nossa estratégia de “adaptar-se ou morrer” (se você faz parte da cena de tech do Brasil, com certeza você já se deparou com essa frase, e se você faz parte da comunidade negra você vive isso diariamente…). 

Considerando a potência que somos, um dos desafios pode ser: como traduzir o que já sabemos para o algoritmo? 

Enfim, quero deixar através de uma tela uma provocação para você que está aí lendo de uma outra tela: como a gente atrai adolescentes e jovens para conhecimentos valiosos e de fontes confiáveis em um momento onde  fake news e diálogos no Twitter são formadores de opinião?
Debates estão se diluindo. E isso também é projeto de genocídio, agora automatizado em toda bolha social que para acessa-la precisamos colocar nosso e-mail e senha. 

Atualmente 96% da população tem acesso a internet a partir de  smartphones e temos um tempo médio de uso de internet de 9 hs e 17 minutos

Ou seja: é urgente. A gente precisa de internet, acesso e principalmente educação digital.

Galera que nasceu aí pelos 1995 (1998 no meu caso) e cresceu com a internet, nós somos a primeira geração a vivenciar os impactos de uma vida adulta pós internet. Antes de começar a escrever esse texto, eu gravei e postei 1 tiktok e acho que uns 5 stories no Instagram “bem” produzidos.

Me arrumei e produzi conteúdo para estudar e escrever. Digitei vários emojis nesse texto e depois apaguei. Pedi a várias amigas para revisar minha ortografia (elas ajudaram muito, valeu migas). 

Eu não estou desconsiderando pesquisas acadêmicas e textos, muito pelo contrário!
Estou compartilhando uma angústia geracional que estamos enfrentando de olhos fechados. Nós somos um dos principais protagonistas na projeção desse futuro.
Bora? 

Meu texto é curto. Até porque quero muito que uma galera que tenha dificuldade em ler textos longos (como eu rs) chegue até aqui. 

Jovem negra, jovem negro que está lendo isso: como podemos levar para essa batalha com o invisível (algoritmos racistas) nossas histórias, fontes confiáveis e principalmente, nosso protagonismo negro.


¹ Brief History of the Internet. Disponível em: https://www.internetsociety.org/internet/history-internet/brief-history-internet/. acesso em: 22 set. 2020.

² Digital 2020: Brazil. Disponível em: https://datareportal.com/reports/digital-2020-brazil. Acesso em 22 set. 2020.

Vitorí é ativadora de futuros e constrói pontes entre o universo online e offline no Brasil. Marketeira digital com ênfase em ciência de dados, levanta conversas sobre transformação digital e inovação social. É uma das organizadoras do TEDxFloripa, Trend Forecaster na Aerolito e Diretora de Inovação da Escola Olodum Sul. 

Utiliza (principalmente) da ascensão de tecnologias para promoção da construção de um mundo virtual mais seguro e humanizado

REDES SOCIAIS:
Instagram: @vihdaloka
LinkedIn: Vitorí Barreiros da Silva

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

A cultura dos concursos de Miss e os 30 Homens sobre nossos corpos

O concurso de miss, diversas vezes atacados pelas mais...

Das jornadas de Junho em 2013 ao impeachment e a uma campanha capenga em 2016, “várias queixas”

Nas eleições de 2016 e na conjuntura nacional encontramos...

Aos que amam mulheres negras

“As mulheres negras sentem que existe pouco ou nenhum...

para lembrar

Internet e a geografia do turismo sexual

Os espaços virtuais destinados ao sexo, considerados principais veículos...

Internet como ferramenta revolucionária

“I woke up like this! We flawless, ladies, tell...

MEC abre edital para inscrição de tecnologias educacionais para zona rural

O  Ministério da Educação recebe, até 12 de março, inscrições...

Com PretaLab, ela une humanas e exatas e rompe preconceitos na tecnologia

"Não sei. Sou de humanas." Como jornalista, Silvana Bahia...

Golpes financeiros digitais deixam consequências psicológicas nas vítimas

Cair na conversa de um estelionatário e perder uma quantia em dinheiro pode gerar consequências graves, não só para o bolso, mas para o...

Campanha denuncia desigualdade no acesso à internet com as ‘franquias de dados’

 Direito essencial, o acesso à internet no Brasil é barrado à população mais pobre pelo limite dos pacotes de dados móveis. Para as classes...

Como inteligência artificial impacta empregos no mundo e no Brasil, segundo FMI

A inteligência artificial deverá afetar quase 40% de todos os empregos no mundo, de acordo com uma nova análise do Fundo Monetário Internacional (FMI). A diretora-gerente do...
-+=