Evento ‘Novembro Negro’ resgata histórias e evidencia a educação em Siderópolis

Iniciativa trouxe à cidade histórias, dados, lutas, dificuldades e inovações na educação

Do Engeplus

Foto: Eduardo Scussel / Prefeitura Siderópolis

“Eu tive um sonho. Sonhei que meus filhos vão um dia viver em uma nação onde não serão julgados pela cor de sua pele, mas pelo conteúdo de seu caráter”. Esta frase dita por Martin Luther King Jr. evidencia a cultura afro e foi o tema principal do evento “Novembro Negro” realizado nesta sexta-feira, 26, em Siderópolis.

O encontro teve a realização da EEB Sílvio Ferraro e trouxe à cidade histórias, dados, lutas, dificuldades e inovações na educação. O primeiro palestrante é mestre em educação pela Unicamp, Mauricio da Silva, no evento o convidado palestrou sobre o tema: “O Brasil, os Homens e as Mulheres Negras, 130 Anos Depois da Abolição da escravatura”. A segunda palestrante é doutorada em história pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Lucy Cristina Ostteto que conversou com os presentes sobre “Feminismo Negro e Pedagogias decoloniais: aportes para o enfrentamento da diferença colonial”. Já o doutor em letras da Universidade de São Paulo (USP), Deonisio da Silva, palestrou sobre o tema: “Ai de mim, Siderópolis: Sonho e Caminho de um Pós-Imigrante”, fechando a primeira parte do evento.

“Somos inovadores na educação. Elencar este tema com o resgate da cultura afro serve de inspiração e mostra os cuidados básicos que devemos ter em relação às nossas crianças que são o futuro de uma geração”, comentou o prefeito de Siderópolis, Hélio Cesa.

No período vespertino iniciou a segunda parte do evento com o educador social Franklin dos Passos, palestrando sobre o tema: “Já nasci condenado”. A graduanda em psicologia pela UFSC conversou com os presentes sobre a psicologia nas relações étnico-raciais. Para fechar o evento a mestre em história pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Ana Júlia Pacheco, trouxe aos presentes o tema: “A luta antirracista no Brasil: Aspecto Histórico do Movimento Negro”.

“A educação é nossa maior riqueza, é por meio dela, que bons cidadãos são formados, por isso buscamos trabalhar firme e forte para levar uma educação de qualidade para às crianças de Siderópolis”, ressaltou a Secretária de Educação, Rosângela Rossa.

O evento é uma parceria do Governo Municipal de Siderópolis, por meio da Secretaria de Educação, Movimento Negro Cruz e Sousa, Fórum da Mulher Negra e a Academia de Letras e Artes de Siderópolis (Alasi).

Colaboração: Jatene Macedo / Prefeitura Siderópolis

Foto: Eduardo Scussel / Prefeitura Siderópolis

+ sobre o tema

Minicurso abordará história das religiões afro-brasileiras

As religiões afro-brasileiras, que foram introduzidas na cultura brasileira...

Movimento negro com mais peso no Valongo

Comitê do cais toma posse com dez entidades de...

Agenda única de eventos em novembro celebra a consciência negra na UFMG

Iniciativa, que une comunidade e gestão, integra formação, informação...

para lembrar

No mês da Consciência Negra, performance homenageia Abdias Nascimento

Poucos nomes são tão representativos para a história afro-brasileira...

No mês da Consciência Negra, escolas de Sorocaba promovem ações sobre o tema

Apresentações de teatro e dança, confecção de instrumentos musicais...

Dia da Consciência Negra e luta antirracista

“O racismo não é um ato ou um conjunto...
spot_imgspot_img

Jornal pioneiro contra racismo deu voz a movimento negro há 100 anos

Há 100 anos, a criação de um jornal na cidade de São Paulo deixava marcas com o pioneirismo em relatos contra o racismo e a ampliação...

Câmara aprova projeto que torna Dia da Consciência Negra feriado nacional; texto vai à sanção

Por 286 votos a favor e 121 contrários, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (29) um projeto de lei que declara o dia 20 de...

A Consciência Negra e seus múltiplos sentidos

A celebração do Dia da Consciência Negra, todos os anos em novembro, alça a temática da negritude e seus sentidos, para nos expressarmos seguindo...
-+=