Evento no Rio discute julgamento de crimes cometidos por militares em missões de paz da ONU

Entre os dias 6 e 8 de agosto a Escola Superior do Ministério Público da União, com apoio do Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio), organizou a primeira oficina sobre a “Atuação do Ministério Público Militar em missões de paz”.

Com a presença de 15 promotores e juízes de todas as regiões do País, o evento foi, de acordo com a coordenadora da oficina e promotora de justiça militar, Najla Palma, “muito importante para aperfeiçoar os nossos conhecimentos, principalmente sobre as duas maiores missões que o Brasil participa atualmente,  a Missão das Nações Unidas para estabilização do Haiti (MINUSTAH) e a Força Interina das Nações Unidas para o Líbano (UNIFIL).

Quando um militar faz parte de uma missão da ONU e comete algum crime, seu julgamento é de competência de seu país origem. Portanto, caso ocorra um desvio cometido por um militar brasileiro, é obrigação do Brasil avaliar o caso.

“A atuação em uma missão de paz é vitrine para o Brasil lá fora. Ter uma tropa disciplinada é muito importante para mostrar credibilidade e transparência internacional”, disse Palma, lembrando que o baixo número de militares envolvidos em desvios indica disciplina e qualidade da tropa brasileira.

As missões de paz da ONU existem desde 1948. Desde então, 69 operações foram criadas com o objetivo de manter a paz e a segurança internacional. Das 17 missões atualmente em andamento, nove contam com a participação de militares e policiais brasileiros, em um total de cerca de 1700 trabalhando em lugares como Haiti, Líbano e Sudão do Sul.

 

 

Fonte: ONU

+ sobre o tema

Por que população brasileira fica mais feminina e idosa — e como isso molda futuro do país

Predominantemente masculina e jovem até os anos 1940, a...

Irmãs sergipanas fazem sucesso com grife inspirada na cultura africana

Confira a primeira reportagem da série Made in Sergipe Por...

Casal de índios é morto e tem cabeças decapitadas na Bahia

Os corpos de um casal indígena tupinambás do distrito...

Brasil aprova na ONU resolução contra racismo abandonada por Bolsonaro

O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprova, por...

para lembrar

Concursos abertos oferecem mais de 23 mil vagas – Parte 2

ÓrgãoUFVagasSal. máx.Inscrições Polícia...

Das ações sobre aborto no Brasil, 31% julgam violência contra gestantes

Estudo analisou quase 800 decisões de tribunais estaduais, STJ...

Ministério do Trabalho capacitará 25 mil trabalhadores

Fonte: O Reporter -   Brasília - Até...

Ministro defende ‘busca ativa democrática’ contra ideologia da mídia

Em debate no Fórum Social, Gilberto Carvalho (Secretaria Geral)...
spot_imgspot_img

46º Prêmio Vladimir Herzog: inscrições prosseguem até 20 de julho

Termina no próximo sábado, 20 de julho, o prazo para inscrições ao 46º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos (PVH).  A premiação...

Governo federal apresenta ODS 18 sobre igualdade étnico-racial em evento na ONU

O Governo Federal, por meio da Secretaria-Geral da Presidência da República e com apoio do Pnud, realiza nesta terça (16/7) evento paralelo ao Fórum...

Renovação do EMLER beneficia organizações de combate ao racismo

Geledés – Instituto da Mulher Negra anuncia com grande satisfação a renovação por mais três anos do mandato do Mecanismo de Especialistas para Promover...
-+=