Eventos em São Paulo relembram os 50 anos da morte de Carlos Marighella; confira

Deputado comunista e fundador da ALN, Marighella será homenageado na cidade onde sua trajetória foi interrompida

Por Marcos Hermanson, no Brasil de Fato

Carlos Marighella é baiano e foi morto em São Paulo / Arquivo pessoal (Reprodução/Brasil de Fato)

A morte do guerrilheiro comunista Carlos Marighella completa 50 anos nesta segunda-feira (4). Símbolo de resistência à ditadura militar (1964-1985), ele será homenageado por militantes de esquerda e admiradores de sua trajetória em São Paulo (SP).

Neste domingo (3), o Armazém do Campo organizará o Almoço da Resistência, em homenagem a Marighella e à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada em março do ano passado. O evento acontece na Alameda Eduardo Prado, nº 499, no bairro Campos Elíseos, na capital paulista, a partir das 12h.

Na segunda (4), a partir das 10h, companheiros de luta, simpatizantes e familiares – como a viúva Clara Charf e o filho Carlinhos – comparecerão a um ato político na Alameda Casa Branca, nº 800, local onde Marighella foi assassinado há cinco décadas. Às 18h30 do mesmo dia, uma sessão solene em memória do líder revolucionário será realizada na Câmara Municipal de São Paulo.

Marighella nasceu na Bahia em 1911 e engajou-se na luta política ainda na época do ginásio. Na década de 30, ingressou no Partido Comunista do Brasil (PCB) e foi preso duas vezes pelo governo de Getúlio Vargas por sua atividade militante.

Com a reabertura política de meados da década de 40, ele chegou a ser deputado federal constituinte, em uma bancada composta também por nomes como Jorge Amado, Gregório Bezerra e Maurício Grabois.

Durante a ditadura, Marighella foi expulso do PCB e fundou a Ação Libertadora Nacional (ALN), que seriaa maior organização de luta armada contra o regime. O grupo foi responsável por ações como o sequestro do embaixador americano Charles Elbrick (ação executada junto ao Movimento Revolucionário Oito de Outubro) no Rio de Janeiro e a tomada da antena da Rádio Nacional, em São Paulo.

Carlos Marighella, ou Preto – como era conhecido pelos companheiros da ALN – foi assassinado a tiros por agentes da repressão em uma emboscada quando chegava de carro a um aparelho – local clandestino destinado a realização de reuniões e ao abrigo de militantes – na noite de 4 de novembro de 1969.

Em tempos de disputa de narrativa sobre o que foi a ditadura militar, Marighella é lembrado por sua coragem de resistir à repressão organizada do Estado, tornando-se um símbolo da luta pela liberdade e pela justiça social.

+ sobre o tema

Minicurso abordará história das religiões afro-brasileiras

As religiões afro-brasileiras, que foram introduzidas na cultura brasileira...

Movimento negro com mais peso no Valongo

Comitê do cais toma posse com dez entidades de...

Uma lista para 365 dias de consciência negra

Uma lista para 365 dias de consciência negra. CERTA VEZ,...

Representatividade negra na literatura é instrumento de afirmação política

Conceição Evaristo, Carolina Maria de Jesus, Djamila Ribeiro e...

para lembrar

Bahia – Atividades marcarão comemorações do Mês da Consciência Negra

A programação inclui a realização de palestras, seminários, exposições,...

Semana da Consciência Negra: Camilo reúne com movimento negro do Amapá

O governador Camilo Capiberibe reuniu-se nesta quarta-feira, 14,...

Camisa 8 ‘Fritz’ tinha vocação para Pelé, diz ex-técnico de Barbosa

Novo presidente do STF foi jogador de futebol do...

Quilombo Rio dos Macacos (BA) sofre novo ataque armado

Atiradores dispararam contra moradores na noite de terça (18)...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=