Ex-jogador da NBA Joe Barry Carroll acusa restaurante de discriminação racial

ATLANTA (AP) Um All-Star aposentado da NBA e um amigo reclamaram terem sido expulsos de um restaurante em Atlanta por serem negros. O restaurante disse que eles não foram vítimas de nenhuma política discriminatória, mas sim uma prática de longa data enraizada na hospitalidade do Sul que disponibiliza assentos para mulheres quando o estabelecimento está lotado.

Esses argumentos foram dados na segunda-feira no início do julgamento federal de um processo movido por Joe Barry Carroll e seu advogado Joseph Shaw. Os dois disseram que foram humilhados quando um segurança escoltou ambos para fora do Tavern at Phipps, depois que eles se recusaram a ceder os assentos para duas mulheres brancas, uma ação que os dois chamaram de ato claro de discriminação.

“Você provavelmente está pensando: Dois cavalheiros negros vão a um bar – isso é uma piada,” disse Jeffrey Bramlett, um advogado dos homens, ao júri durante a abertura do processo. “Mas não é uma piada. As provas irão mostrar uma grave violação aos direitos civis.”

Os advogados dos restaurantes disseram que os homens foram convidados a darem seus assentos como parte de uma longa tradição das “boas maneiras” praticadas no restaurante há 20 anos. O advogado David Long-Daniels disse que milhares de homens já cumpriram essa regra, de estrelas como Michael Jordan a outros homens na noite do incidente.

“O cavalheirismo não está morto,” ele disse. “E não é uma violação dos direitos civis ceder seu assento para uma mulher.”

O impasse com os assentos aconteceu em uma noite de sexta feira em Agosto de 2006 quando Carroll, que jogou 10 temporadas na NBA, começando nos anos 80, ele e seu amigo se sentaram no fundo do restaurante e pediram algumas cervejas, aperitivos e licor. O local começou a encher, quando um bartender lhes ofereceu alguns drinks como cortesia para que eles deixassem seus assentos, mas eles se negaram.

Eles foram questionados mais algumas vezes se poderiam deixar os assentos e cede-los para as mulheres, mas continuaram se recusando, afirmou uma testemunha. O gerente ameaçou chamar a segurança caso eles não se retirassem, e um policial de Atlanta que estava de folga no local foi chamado para a cena.

“É desse jeito que fazemos aqui,” disse o segurança ao conduzir os clientes.

“Eles foram constrangidos. Humilhados,” disse Bramlett. “E parte da razão é que era possível ver assentos vagos em mesas com clientes brancos.”

O restaurante está ligado a um centro comercial de luxo no bairro de Atlanta, Buckhead, e nas noites dos finais de semana é um lugar bem freqüentado por pessoas da alta sociedade.

Bramlett disse que fez entrevistas com empregados atuais e antigos do local e descobriu que Greg Greenbaum, diretor do restaurante, temia que “bandidos negros” seguissem os clientes negros e começassem a desvalorizar o negócio. Ele disse que o restaurante sistematicamente incentiva os gerentes a contratarem poucos empregados negros e limita o número de clientes negros em noites de pico.

Funcionários também foram orientados a “frear os atendimentos” a clientes negros durante dias de muito movimento, ele disse. E durante Fevereiro de 2003 no All Star game da NBA, quando jovens fãs negros de basquetebol lotaram a cidade, o restaurante pendurou um enorme banner escrito “Bem vindos fãs de Rodeio” e tocava musica country todo o tempo, de acordo com registros apresentados no tribunal.

 

Fonte: Basketbrasil

+ sobre o tema

ONU lança guia para orientar denúncias de discriminação étnico-racial

  BRASÍLIA (Notícias da OIT) – A Organização...

Cotas: Ministério Público recomenda comissão de verificação racial ao Cespe

Após denúncias sobre suposta fraude no concurso do Tribunal...

Obama toma cerveja com homens envolvidos em polêmica racial nos EUA

Obama toma cerveja com homens envolvidos em polêmica racial...

para lembrar

Antropólogo

Exatamente três dias após a aprovação na Comissão de...

Conar pede retirada de campanha de lingerie em favela pacificada

Conselho decidiu pela suspensão após reclamações de consumidores.Campanha foi...

Mais uma Cláudia, vítima do Estado da barbárie e do racismo institucional

Por: Walmyr Junior     Não consigo compreender os tons justificativos sobre...
spot_imgspot_img

Portões da universidade

"Nós queremos é que uma filha de uma empregada doméstica possa ser médica, possa ser dentista, possa ser engenheira. Nós não queremos uma sociedade...

Desaparecidos assombram país mesmo após redemocratização

Quando o presidente Lula assinou o decreto de reinstalação da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, no início de julho, emergiu como prioridade na retomada...

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...
-+=