‘Ex-Pajé’: um retrato poético, triste e urgente sobre a erosão da cultura indígena

Perpera, o ex-pajé, caminha no meio da floresta. Calça preta, gravata da mesma cor. Frouxa. A camisa branca parece ter dois números a mais. O senhor, com pouco domínio do português, também vai ao supermercado. No corredor de frios, precisamente, esmagado entre infinitas marcas de margarina. Mais uma vez, surge a sensação de inadequação social.

Por Carolina Braga Do Culturadoria

Foto:Retroduzida/Culturadoria

São em diversas cenas assim, com poucas palavras, muita poesia e uma análise social profunda que o diretor Luiz Bolognesi desenvolve Ex-Pajé. O documentário premiado em festivais como Berlim e É Tudo Verdade revela a “erosão” das tribos indígenas brasileiras. Infelizmente, coisa de longa data na história deste país.

“Não sei se os índios vão gostar mas eu, como cineasta, acho que é uma imagem apropriada. Tem algo se corroendo”, concorda o cineasta com o termo utilizado pelo crítico Rodrigo Fonseca para descrever o filme. “São 500 anos de muita violência, inclusive psicológica. Isso tudo vai tentando destruir as culturas indígenas”, continua.

Luis Bolognesi – que estudou antropologia durante cinco anos – tem a carreira de roteirista mais conhecida. Escreveu longas como Bicho de sete cabeças (2000)Bingo: O Rei das Manhãs (2017)Como Nossos Pais (2017) e tantos outros. No entanto, na atual incursão como documentarista, fez questão de deixar que as imagens falassem mais do que as palavras.

Nos 15 minutos finais de Ex-Pajé, por exemplo, ninguém fala nada. “Acho que aprendi isso com eles. Estava muito aberto”, conta o diretor.

Encontro com o personagem

O tema indígena sempre interessou Bolognesi. No entanto, foi na pesquisa para animação Uma História de Amor e Fúria (2013) que tomou conhecimento sobre Perpera, um índio Paiter Suruí.

Até os 20 anos Perpera viveu num grupo isolado na floresta onde se tornou pajé. No entanto, depois que os brancos passaram a explorar o local, ficou difícil para o índio continuar a tradição. Isso porque os pastores evangélicos condenavam os atos e saberes do pajé. Em resumo: diziam que a pajelança era coisa do Diabo.

Mesmo que não acreditasse, Perpera se sentiu obrigado a desistir. Viu-se cada vez mais isolado socialmente.

Quando o cineasta ficou sabendo dessa história, decidiu transformá-la em filme. Principalmente porque o abandono da missão por Perpera tem mais pressão do que decisão. É uma angústia para ele ser um Ex-Pajé. Isso tudo está muito bem registrado no longa.

Procedimentos

Bolognesi e equipe passaram um mês na Floresta acompanhando os passos de Perpera. Aqui entrou um dos grandes desafios do roteirista: justamente o de abrir mão do roteiro. “Eles lidam com o acaso. É o que importa. Se eu chegasse com uma história pronta para ser filmada não ia traduzir o que eu queria. Seria colocar uma camisa de força”, conta.

O diretor escolheu, então, chegar com a ideia e toda experiência de roteirista como bagagem. Na noite anterior decidia o que ia filmar no dia seguinte. Escolheu como equipamento uma câmera cinemascope. Isso para que pudesse captar, sem interferência mecânica, toda a poética da floresta. Para se ter uma ideia, o equipamento utilizado é o mesmo que rodou Starwars.

“O que eu mais queria era traduzir em poesia a potência da cultura indígena. Sua riqueza e superioridade”, detalha. Fez isso por meio da fotografia de Pedro Mar e também da mixagem de som.

Para o diretor, também era igualmente importante, retratar o terror psicológico que esses povos estão vivendo. “Fico constrangido de ter que ouvir quatro mil anos de conhecimento é coisa do Diabo. Queria passar para as pessoas o nível de loucura e violência que se passou com aquele homem. Ele foi tirado de um lugar de sabedoria e de poder”.

Por meio das imagens, fruto da sensibilidade do diretor, Ex-Pajé deixa claro o incômodo de Perpera. As cenas em que ele aparece nos cultos, está sempre de costas para o Pastor, com o olhar voltado para a floresta. “Que é onde a cabeça dele circula. Eles enxergam que os seres tem história”.  Ô, se tem!

+ sobre o tema

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

“Somos índios, resistimos há 500 anos. Fico preocupado é se os brancos vão resistir”

Há 30 anos, em plena Assembleia Constituinte, pintou o...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

para lembrar

Dado racial em documento trabalhista é passo no combate a desigualdades

Em 20 de abril de 2023, o governo federal sancionou...

CARE

por Sueli Carneiro Cuidado, carinho, é o que a palavra...

“Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos”, por Boaventura de Sousa Santos

Sociólogo português Boaventura de Sousa Santos veio ao Brasil...
spot_imgspot_img

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...

PM matou 94% a mais na Baixada Santista; ‘Tô nem aí’, diz Tarcísio

"Sinceramente, nós temos muita tranquilidade com o que está sendo feito. E aí o pessoal pode ir na ONU, pode ir na Liga da...
-+=