Fala de deputado Bolsonaro na TV sobre namoro com negras para Preta Gil será alvo do inquérito

STF abre inquérito para apurar se Bolsonaro foi racista com Preta Gil

Bolsonaro disse que não se referia a negros quando deu a declaração

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso determinou a abertura de um inquérito para apurar se o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) cometeu racismo contra a cantora Preta Gil.

Em março de 2011, em entrevista ao programa “CQC”, da TV Bandeirantes, o parlamentar disse que não discutiria “promiscuidade” ao ser questionado pela cantora sobre como reagiria caso o filho namorasse uma mulher negra.
 

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, entendeu que há indícios da prática do crime de racismo e homofobia – pelo Código Penal, o crime de homofobia não existe. “O acusado fez declarações de cunho racista e homofóbico”, citou Gurgel em pedido de abertura de inquérito enviado no fim de julho.

Ele pediu a abertura de inquérito após representações apresentadas por parlamentares e pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara na ocasião.

No começo de agosto, Barroso autorizou a instauração do inquérito. Ele pediu que a Polícia Federal solicite à diretoria da emissora Bandeirantes a gravação da entrevista sem edição. Depois das diligências, a Procuradoria ainda vai decidir se denuncia ou não o parlamentar pelo crime. Se isso acontecer, ele poderá ser réu em uma ação penal no Supremo.

O deputado disse que não entendeu direito a pergunta, que pensou que se referisse a gays e não a negros. Citou que deu entrevista “a um lap top” e destacou que houve um problema na edição da fita. “Minha briga não é com homossexuais, é com kit gay. Entendi uma coisa. Foi uma coisa grave, eles deveriam ter confirmado [que o deputado havia entendido a pergunta]. Passou vários dias até entrar no ar. Quando isso aconteceu, fiquei chateado. Preta Gil para mim nunca fedeu nem cheirou, porque não sou muito ligado no mundo artístico.”

Bolsonaro disse ainda que está “tranquilo” porque, na fase de inquérito, será a oportunidade para que os fatos se esclareçam e que se verifique que ele não se referia a negros na resposta.

Relembre o caso

No dia 28 de março de 2011, o deputado participou do quadro “O povo quer saber” e a pergunta, previamente gravada, foi apresentada ao deputado: “Se seu filho se apaixonasse por uma negra, o que você faria?”

Bolsonaro respondeu: “Preta, não vou discutir promiscuidade com quer que seja. Eu não corro esse risco, e meus filhos foram muito bem educados e não viveram em um ambiente como, lamentavelmente, é o teu.”

Após a exibição do programa, Preta Gil postou no Twitter que processaria o deputado. “Advogado acionado, sou uma mulher negra, forte e irei até o fim contra esse deputado, racista, homofóbico, nojento”.

Na ocasião, ele afirmou que não quis ofender a cantora Preta Gil, filha do ex-ministro e compositor Gilberto Gil. O deputado afirmou que não compreendeu a pergunta feita por ela e por isso respondeu daquela maneira.

Entenda o caso:

Preta Gil vai processar Jair Bolsonaro por declaração na TV

Conselho de Ética abre processo contra Bolsonaro

Preta Gil vai processar Jair Bolsonaro por declaração na TV

Para ministra da Igualdade Racial, declarações de Bolsonaro são “caso explícito de racismo”

 

 

Fonte: Geledes

+ sobre o tema

Representatividade como construção da identidade

Porque atualmente se fala tanto em representatividade? Qual a...

Médico é vítima de racismo de paciente que não queria ser ‘atendido por crioulo’

No plantão da semana passada na Unidade de Pronto-Atendimento...

para lembrar

Grupo Pão de Açúcar atrasa investigação de agressão e racismo contra crianças

Os advogados dos menores agredidos por um segurança acusam...

Yuri Marçal denuncia caso de racismo em carro de aplicativo

O humorista carioca Yuri Marçal denunciou na noite desta terça-feira um...

Goleada inglesa é manchada por racismo da torcida búlgara

Partida foi interrompida duas vezes por cantos racistas e...

Black Venus (Vênus Negra): a ferida exposta do racismo ‘civilizado’

por Gisele Toassa Muitos filmes já me incomodaram....
spot_imgspot_img

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...
-+=