Família acusa professora de racismo em escola de Cariacica

A família de um adolescente de 13 anos acusa a professora de uma escola municipal do bairro Vila Rica, em Cariacica, de humilhar o jovem. O caso aconteceu na última quarta-feira (28), e por causa do trauma, tanto ele quanto o irmão não voltaram mais ao local. De acordo com a vítima, a educadora o chamou de “preto feio”.

O adolescente afirma que passou pelo maior constrangimento da vida dele depois que foi tirado da sala com o irmão, por conversar durante a aula. “Eu fiquei no corredor e meu amigo foi beber água. Quando ele voltou, eu fui brincar com ele segurando a camisa. Quando ele pediu para eu o deixar passar a professora me mandou sentar e disse: ‘seu preto feio. Você pensa que é bonito? Nunca se olhou no espelho’”, conta o menino.

Momentos antes de ir embora, afirma o estudante, a professora ainda tentou consertar o erro. “Ela disse para eu ir à sala dela para tomar água e conversar, mas eu não quis. Eu disse que queria ir embora para minha casa, porque estava na hora”, afirma o jovem.

Ao chegar em casa o jovem contou à mãe, aos prantos, o que havia acontecido. “Na hora eu só pensei em ir à escola conversar com ela. Mas depois eu pensei e no outro dia fui procurar os meus direitos. Ela nunca mais vai fazer isso com mais ninguém”, destacou a mãe do adolescente, que é auxiliar de serviços gerais.

A mãe do adolescente registrou um boletim de ocorrência e contratou advogado. O crime de racismo é inafiançável, e segundo Wesley Celestrino, a professora pode pegar até quatro anos de prisão, ser afastada do cargo, além de ter que pagar indenização à família da vítima. “Ela vai responder criminalmente pelos atos, vai ter direito de defesa, mas a Justiça deve ficar do lado da família”, apontou o advogado.

A Secretaria Municipal de Educação de Cariacica informou que está investigando o caso. Segundo a secretaria, a mãe das crianças foi chamada para esclarecimentos, mas não compareceu. A secretaria informou ainda que todo o apoio psicológico e pedagógico da prefeitura estão à disposição deste aluno.

Capixabas apoiam jogador Daniel Alves contra racismo

O caso mais recente de racismo no futebol, que foi contra Daniel Alves, jogador da Seleção Brasileira e do Barcelona, repercutiu também entre os capixabas. Muitos usaram a internet para protestar contra o preconceito e aderiram à campanha #SomosTodosMacacos.

Fonte: Folha Vitória

+ sobre o tema

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por...

E assim vamos nós, lutando pela existência de nossas gerações

Vamos que vamos! Frase muito usada por quem sonha...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção...

para lembrar

‘Projeto Querino’ é um podcast que narra a luta negra sem romantismo

Se os livros de história narram a Independência do Brasil...

E se Roberto Jefferson fosse negro e pobre?

Em outubro celebramos os 200 anos da morte de...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=