Fatec deixa plano de cotas de lado

A iniciativa seria necessária para alcançar maior inclusão em colégios e cursos mais concorridos e atingiria as Escolas Técnicas Estaduais (Etecs)

Paulo Saldaña
São Paulo – Quase dois anos após o governo Geraldo Alckmin (PSDB) lançar um programa de inclusão de alunos de escola pública e negros no ensino superior paulista, o Centro Paula Souza, responsável pelas Faculdades de Tecnologia (Fatecs), ainda não estabeleceu a política anunciada.

A iniciativa seria necessária para alcançar maior inclusão em colégios e cursos mais concorridos e atingiria as Escolas Técnicas Estaduais (Etecs).

O Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista (Pimesp) foi anunciado em dezembro de 2012. Participaram, além de Alckmin, os reitores das estaduais e a superintendente do Centro Paula Souza, Laura Laganá.

USP, Unicamp e Unesp decidiram por planos próprios para aumentar os índices – só a Unesp reservou vagas. O Centro Paula Souza não criou nada.

A instituição afirma que tem, desde 2006, pontuação acrescida nos processos seletivos.

Há bônus de 10% para estudantes da rede pública e 3% para afrodescendentes. No segundo semestre, 76,7% dos matriculados nas Fatecs vieram de escola pública e 29,05% são negros.

A proporção geral é alta – o Pimesp estipularia 50% de alunos de escola pública, com 35% de negros e indígenas. Mas em cursos concorridos, como Logística, a inclusão é quase nula.

Emerson Teodoro, diretor do cursinho 20 de Novembro, que prepara alunos para Fatecs e Etecs, diz que entre seus 600 alunos 30% vêm de escolas particulares.

“Muitas famílias de classe média não querem pagar escola e buscam as técnicas.”

As Etecs ainda não oferecem isenção da taxa de inscrição do vestibulinho – contrariando lei estadual de 2007.

A ONG Educafro enviou à instituição ofício exigindo mudança e promete acionar a Justiça. O Centro Paula Souza diz que a taxa de R$ 30 custeia o processo seletivo.

A assistente administrativa Janaina Caetano, de 42 anos, tentou entrar na Fatec e na Etec, mas não conseguiu.

Vivendo de trabalhos temporários, não tem condições de se inscrever agora. “Deveria ser isento quem não pode pagar.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

 Leia Também:

Folha, cotas e a jogada de marketing – Por: Dennis de Oliveira
Cotas raciais, porque sim!

Cotas raciais e a hipocrisia branca

 

Fonte: Exame 

 

+ sobre o tema

O Poder Transformador de um Mentor: Minha Gratidão ao Professor Helio Santos

Há momentos na vida em que nos deparamos com...

Ex-policiais britânicos são condenados por mensagens racistas sobre Meghan e membros da realeza

Seis ex-policiais de Londres foram condenados nesta quinta-feira (7)...

Câmara aprova criminalização de nudes de mulheres gerados por IA

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (7), projeto...

para lembrar

Cotas raciais

- Fonte: O Globo -  ...

Presidente do STF nega pedido do DEM e mantém as cotas

Fonte: Afropress   Brasília - O presidente do...

Cronograma da audiência pública sobre política de cotas já está na página do STF

    Já está disponível na página de Internet...
spot_imgspot_img

Somente 7 estados e o DF têm cotas para negros em concursos públicos. Veja quais

Adotadas no Executivo federal, as cotas raciais nos concursos para entrada no serviço público avançam em ritmo bem lento nos outros níveis de governo,...

Unilab, universidade pública mais preta do Brasil, pede ajuda e atenção

A Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) surgiu com a proposta de fazer a integração de alunos de países africanos de língua...

As cotas abrem portas

Um rápido passar de olhos nas fotos da comemoração da aprovação do projeto que reformula a Lei de Cotas nas universidades federais pela Câmara,...
-+=