As favelas e a reta final da eleição

Entramos na semana decisiva do pleito eleitoral. Aumentam as expectativas, e nós aqui temos um grande desafio. As favelas estão de fato entre (se é que saíram algum dia) os assuntos mais citados nas mídias, seja por agentes externos ou internos.

Suas estratégias e ações devem ser levadas em conta na agenda governamental. Não somente como lugar da implementação de projetos de infraestrutura ou segurança, mantendo o olhar viciado e preconceituoso, que dá à favela o rígido status da carência ou do risco. Se faz urgente ir para além disso.

Por: Mônica Francisco

É preciso se construir uma agenda afirmativa no sentido de ampliar as possibilidades de acesso à cultura e ações complementares à educação formal, como ferramentas que possibilitem o aprendizado de novos idiomas e mais facilidades ao uso das novas tecnologias.

O governador do Rio de Janeiro tem que ter sensibilidade e bom senso para entender que sem respeito, certo grau de entendimento desse universo chamado favela para além dos jornais e do senso comum, e diálogo horizontal com as referências locais, não avançaremos para além do que temos aí.

É preciso avançar e em seu artigo desta semana, o articulista Davison Coutinho deixou seu recado. Faço mais uma vez menção ao articulista e consequentemente à Rocinha que é de onde ele escreve, como uma das grandes referências de organização e que pode ser tomada como uma amostra do que se quer em termos de avanços.

Não é à toa que o periódico El País tem como uma de suas manchetes de capa deste dia (21/10) uma referência a ela como mãe de todas as favelas, pelo seu tamanho e importância.

Da mesma forma, as redes estabelecidas na Maré, o ativismo social efervescente de Manguinhos e as ações extremamente vanguardistas acontecendo Complexo do Alemão, com uma relação estreita com a academia na produção de conhecimento e ação política concreta.

Envolvendo diversos atores locais e externos, com a participação ativa de uma de suas instituições, o Instituto Raízes em Movimento nos dá um panorama de que algo tem que, de fato, mudar na relação do poder executivo com a favela.

É hora de o Palácio Guanabara e seu ocupante mais ilustre avançarem neste quesito e irem para além do cimento e do fuzil!

“A nossa luta é todo dia. Favela é cidade. Não à GENTRIFICAÇÃO e ao RACISMO, ao RACISMO INSTITUCIONAL, ao VOTO OBRIGATÓRIO e à REMOÇÃO!”

*Membro da Rede de Instituições do Borel, Coordenadora do Grupo Arteiras e Consultora na ONG ASPLANDE.(Twitter/@ MncaSFrancisco)

 

 

Fonte: Jornal do Brasil 

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Serra é o anti-Lula e não o pós-Lula

Diante da crescente popularidade do governo Lula e...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

Presidente Dilma Rousseff suspende pagamento dos convênios com ONGs por 30 dias

A presidente Dilma Rousseff determinou uma devassa nos contratos...

Periferização Global

Observar os acontecimentos nos Estados Unidos, onde me encontrava...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=