Federal de Pelotas indicia 24 alunos por fraude no sistema de cotas para negros na UFPel (RS)

Estudantes têm 72 horas para comprovar o direito às vagas no sistema de cotas para negros

A comissão responsável por investigar a denúncia de fraudes no sistema de cotas para negros e indígenas da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), no Rio Grande do Sul, recomendou o desligamento de 24 dos 27 alunos denunciados. A decisão da primeira etapa do processo de investigação foi comunicada ontem para a coordenação do curso, encarregada de notificar os alunos.

Os estudantes têm agora 72 horas para entrar com recurso da decisão com documentos que possam comprovar o direito às vagas. Os recursos serão avaliados pelas bancadas que compõem a comissão de investigação e, em três semanas, deve ser emitida a decisão final.

— Queremos dar uma resposta exemplar para a sociedade. Estamos sendo rigorosos com a autodeclaração dos candidatos que ingressaram entre 2013.2 e 2016.1, mas dando direitos para que essas pessoas tragam elementos para a tomada de decisão definitiva — explica Rogério Reus Gonçalves da Rosa, da Coordenação de Ações Afirmativas e Políticas Estudantis (Cape) e líder da comissão.

Três alunos foram inocentados da denúncia por apresentarem, de acordo com Rosa, aspectos como característica fenotípica, ancestralidade, trajetória de vida marcada por discriminações e sociabilidade à matriz negra e parda relacionada à família.

RESULTADO DO RACISMO

Georgina Nunes, chefe do Núcleo de Ações Afirmativas e Diversidade (Nuaad) e membro da comissão investigativa, alerta que casos como esse não significam que as políticas de cotas estão dando errado. Para ela, esses episódios são resultado do racismo que existe no Brasil.

— Pelo discurso hegemônico desses jovens, se observa o quanto é difícil para a população branca dividir alguns privilégios. Quando os alunos falam que vão ocupar essas vagas para negros e indígenas e não se reconhecem como tais, eles têm certeza da sua superioridade perante esses grupos — analisa.

De acordo com Georgina, o coletivo Setorial de Negros e Negras, ligado a UFPel e responsável por levar as suspeitas de fraude ao Ministério Público Federal (MPF), pediu que se faça uma revisão das vagas destinadas à cotistas desde 2013.

— Outros alunos que não passaram pela comissão por terem ingressado na UFPel pelo Programa de Aceleração da Vida Escolar (Pave) foram chamados e ficou constatado que eles estão fora do perfil. Cabe à universidade fazer o controle da política e por isso não esperaremos mais denúncias para agir — avalia.

O frei David Santos, coordenador da ONG Educafro, comemorou o resultado da primeira fase do processo de investigação da denúncia.

— Entendemos que o que a UFPel está fazendo deve ser repetido por todas as universidades federais porque a fraude também está acontecendo em outras instituições — afirma.

+ sobre o tema

Fraudes expõem falhas no sistema de cotas racial

Crescimento de denúncias leva universidades a criarem comissões para...

USP aprova cotas sociais e raciais para o vestibular

SÃO PAULO -Em uma sessão de mais de seis...

ITA adota cota para negros já no vestibular deste ano!!!

O ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), de São José...

para lembrar

Em 7 anos, federais deixaram de ofertar 19% das vagas destinadas a negros

Completando 10 anos em vigor em agosto de 2022,...

Deus é contra as cotas? Por Dennis de Oliveira

Dennis de Oliveira, MOVIMENTAÇÃO NO CÉU Movimentação no Céu. São Benedito,...
spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

“Enem dos Concursos” reserva 20% das vagas para negros

O governo federal reservou 20% das 6,6 mil vagas do Concurso Nacional Unificado para candidatos negros. A totalidade das vagas está dividida entre nível...

Somente 7 estados e o DF têm cotas para negros em concursos públicos. Veja quais

Adotadas no Executivo federal, as cotas raciais nos concursos para entrada no serviço público avançam em ritmo bem lento nos outros níveis de governo,...
-+=