Feminismo pra que? Mulheres se unem contra a violência

PorToni C, Railidia Carvalho e Laís Gouveia Do Vermelho

No caso mais grave, a jovem ativista Débora Soriano, de apenas 23 anos, foi morta e estuprada por Willy Gorayeb, que tinha acabado de conhecer em uma casa noturna no centro da capital Paulista. A União Brasileira de Mulheres (UBM) exerceu um papel de destaque no desfecho das investigações, que culminou com a prisão do assassino.

 

No vídeo abaixo, há o relato de como ocorreu o desdobramento das investigações da jovem Deborah e relatos cotidiano de agressões, destacando a importância das leis de proteção à mulher e do movimento feminista, que acolhe a vítima e reivindica, perante o Estado, os seus direitos.

Assista o vídeo:

+ sobre o tema

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

Dia de Luta pela Saúde da Mulher e de Redução da Morte Materna

A deputada Inês Pandeló, Presidente da Comissão de Defesa...

para lembrar

Sessão extraordinária na Câmara vai colocar em votação 7 projetos de Marielle

Na próxima quarta-feira (2) será realizada uma sessão extraordinária...

Mulheres ainda se dividem entre a casa e o trabalho, aponta o IBGE

Mesmo cada vez mais inseridas no mercado de trabalho,...

#GeledésnoDebate: “Não houve respaldo legal para a esterilização de Janaína”

#SomostodasJanaína# Por Kátia Mello Janaína Aparecida Quirino, 36 anos, moradora em...

Mulheres agredidas por PM serão indenizadas no Rio

Ele as xingou, atacou com cabo de vassoura e...
spot_imgspot_img

Angela Davis completa 80 anos como ícone marxista e antirracista

A obra de Angela Davis, 80, uma das mais importantes intelectuais do campo do pensamento crítico, se populariza a passos largos no Brasil, país...

Morre Nalu Faria, símbolo da luta feminista no Brasil

Faleceu nesta sexta-feira (6) a militante feminista Nalu Faria, uma das mais importantes figuras da militância nacional, coordenadora da Marcha Mundial das Mulheres e integrantes...

Os feminismos favelados inscritos nos corpos das mulheres da Maré

Andreza Jorge cresceu em Nova Holanda, dentro do maior e mais populoso conjunto de favelas do Rio de Janeiro: o Complexo da Maré. De...
-+=