Festival de Verão aborda segregação racial e virtualização das relações na adolescência

Temas foram discutidos por psicólogas em atividade que inaugurou ciclo de rodas de conversa do evento

Por Matheus Espíndola, do UFMG

Helena Greco e Áquila Bruno: adolescência em perspectiva  (Foto: Raphaella Dias / UFMG)

Na tarde desta segunda-feira, dia 3, a discussão sobre Saúde mental e juventude virtual: gênero, raça e subjetividades inaugurou o ciclo de rodas de conversa que compõe a programação do Festival de Verão UFMG. A atividade, apoiada na interação com o público, foi conduzida pelas psicólogas Áquila Bruno e Helena Greco.

“Hoje, no Brasil, o suicídio está entre as quatro principais causas de morte entre jovens e adolescentes, sendo que 60% das vítimas são negros”, introduziu Áquila Bruno. Sua exposição se propôs a discutir as causas do suicídio e convidar o público a pensar caminhos para “positivar as experiências enquanto sujeitos negros”. “O sofrimento tem relação com o isolamento, as vulnerabilidades sociais e o racismo estrutural”, argumentou.

Áquila Bruno repercutiu relatos de integrantes do coletivo de mulheres Alzira Reis, idealizadoras de campanha que denuncia atos de racismo e misogenia. “As violências que tecem nossas trajetórias podem nos fazer adoecer. É preciso refletir sobre isso e pensar tecituras saudáveis para nossas histórias de vida”, defendeu.

Internet menos devastadora

A relação dos adolescentes com a virtualidade, com ênfase nas transformações que a internet provocou nos conceitos de tempo e espaço, foi o mote da discussão suscitada por Helena Greco. Em sua palestra, a psicóloga problematizou a influência das comunicações digitais para a constituição psíquica do adolescente.

“Todas as relações de hoje em dia passam pela internet: família, escola, namoro e sexo. É necessário pensar em como adolescentes e jovens lidam com isso”, provocou. Helena Greco lembrou que os adolescentes recorrem cada vez mais à internet para resolver todos os impasses da adolescência. “É corriqueiro que percam a coragem de conversar ‘ao vivo’ e o hábito de frequentar as ruas. Precisamos encontrar um uso menos devastador para a internet”, alertou.

Aquila Bruno é psicóloga pela UFMG e professora do Departamento de Educação da Ufop. É especialista em Saúde da Família pela PUC Minas e mestre em Educação pela UFMG.

Helena Greco é psicóloga clínica, integrante do laboratório de pesquisa Além da Tela: subjetividade e cultura digital e do programa Brota!, vinculados à UFMG. É graduada em Psicologia e Arquitetura e Urbanismo pela PUC Minas, mestre e doutoranda em Teorias Psicanalíticas pela UFMG.

A programação do Festival de Verão segue até quinta-feira, dia 6, no Centro de Referência da Juventude (CRJ) e no Centro Cultural UFMG.

+ sobre o tema

França se torna primeiro país do mundo a proteger aborto na Constituição

A França se tornou nesta segunda-feira (4) o primeiro país do...

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições...

para lembrar

Elisa Lucinda: “As portas estão fechadas para os negros”

Em entrevista em vídeo, a atriz, cantora e escritora...

Desigualdade racial permanece evidente no mercado audiovisual

Negros até aparecem nas telonas, mas poucos ocupam papel...
spot_imgspot_img

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=