Festival Latinidades: racismo persiste no Brasil, reforçam ativistas

Mesmo com a conquista de direitos civis, o racismo persiste em diversos níveis da sociedade brasileira e dos Estados Unidos. A opinião é da ativista, professora e filósofa norte-americana Angela Davis: “mesmo que o Brasil tenha sido proclamado uma democracia racial, há problemas sérios [de racismo], que são relacionados à economia, à sociedade e à política”, disse em coletiva de imprensa no Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra, que vai até o dia 28, em Brasília.

Por Mariana Tokarnia

Na opinião de Angela, o mesmo fenômeno acontece nos Estados Unidos. “O tipo de racismo que se tem depois [da conquista de direitos civis] é mais difícil de combater que antes”. Ela cita o sistema carcerário e a polícia que, em ambos os países, perpetuam a discriminação. “Como no Brasil, nos Estados Unidos a raça importa quando é para determinar quem vai para a prisão e quem vai para a universidade”.

No Brasil, o Mapa da Violência 2014 mostra que as principais vítimas são jovens do sexo masculino e negros, eles representam 53,4% do total de homicídios do país. Nas universidades, há um contraste, o Censo da Educação Superior de 2012 mostra que, dos 7 milhões de estudantes, 187 mil são pretos e 746 mil pardos, o que representa 13,3% do total.

“É preciso haver uma mudança em todas as instituições racistas que temos, que nesse caso do genocídio da população negra, é a polícia”, disse a escritora brasileira mineira Ana Maria Gonçalves, também presente no evento. “O governo tem que criar uma polícia mais humanitária, tem que dar cursos sobre como se lida com o racismo dentro das instituições”. Ana Maria é autora do premiado romance Um Defeito de Cor.

O racismo existe também entre as crianças, na escola. A escritora da Costa Rica, Shirley Campbell mora em um bairro nobre em Brasília, no Lago Sul. Quando se mudou para a cidade, ela matriculou a filha, de 4 anos, em uma escola perto de casa. “Ela me perguntou o que era ser preta. Fiquei asssustada. Mas respondi que era ser como nós. Ela me respondeu: ‘Eu não quero ser preta, quero ser como todas as meninas da sala'”.

A escritora se disse impressionada porque sabia que no Brasil, a maior parte da população é negra (50,7%), segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Onde estão os negros?”, questiona Shirley, que logo responde: “Eu sei onde estão os negros do Lago Sul, estão nas paradas de ônibus, são os piscineiros, são os que trabalham nas casas”.

O Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra começou ontem (23) e vai até o dia 28 de julho, em Brasília. Na programação estão previstos conferências, debates, feiras, saraus e shows, além de outras atividades. A programação completa pode ser acessada no site do evento.

Fonte:Ebc

+ sobre o tema

Lançamento: Exuzilhar, Pra começar e Kuami, de Cidinha da Silva, dia 19/04 no Aparelha Luzia

Passados 13 anos ininterruptos de publicações e 8 livros...

Stephanie Ribeiro: Nossa apatia também colocou o nazismo nas ruas

Colunista de Marie Claire, Stephanie Ribeiro compara os ataques...

Vamos falar de outras feminilidades: Se não sou uma mulher?

"Se não sou uma mulher" . Essa frase tem...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

La Frida Bike: ativismo de pedal para a emancipação do corpo feminino negro

Em um primeiro momento você pode até não enxergar...

“Na escola, diziam que eu devia ser boa de cama por ser negra”

A estudante Monique Evelle sofreu preconceito por ser mulher...

Kamala Harris, uma força enérgica na discreta campanha de Joe Biden

Aplaudida pelas multidões, com visitas "surpresa" aos estudantes e...

Malcomidas: página do Facebook prega ódio e desvalorização da mulher

Misoginia, gordofobia e machismo: a decadência das redes sociais...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=