Festival Latino-Americano e Africano de Arte e Cultura transforma UnB

Brasília – Por uma semana, a Universidade de Brasília (UnB) será transformada em uma espécie de aldeia global, reunindo brasileiros, latino-americanos e africanos, no evento denominado Festival Latino-Americano e Africano de Arte e Cultura 2012 (Flaac 2012). O festival é parte das comemorações dos 50 anos da universidade. A programação começa nesta segunda-feira (21) e vai até sábado (27) com espetáculos de Zeca Baleiro, do grupo Olodum e de Margareth Menezes. A entrada é gratuita.

É a terceira edição do Flaac 2012 que tem no calendário shows, exposições de arte, espetáculos teatrais, de dança, performances, seminários, conferências e debates acadêmicos, com manifestações artísticas e culturais da América Latina e da África. Confirmaram presença 300 artistas de seis países: Argentina, Brasil, Cabo Verde, Colômbia, Cuba e Equador.

Na programação estão, no dia 22, o grupo argentino Pollera Pantalón, que surgiu da proposta de fazer música nas ruas. No dia 24, a cantora baiana Margareth Menezes faz sua apresentação. No dia 26, será a vez de o cantor e compositor maranhense Zeca Baleiro apresentar seu espetáculo. No sábado (27), último dia do festival, o grupo baiano Olodum toca sons de origem africana e brasileira.

“O objetivo é promover a integração entre os países latinos e uma noção de igualdade e respeito perante os países africanos ao seguir conceitos de Darcy Ribeiro, um dos criadores da UnB”, disse o coordenador-geral do festival, Zulu Araújo, lembrando que serão mais de 300 artistas de, pelo menos, seis países, incluindo o Brasil.

O Flaac 2012 será montado como se fosse uma aldeia global, ocupando vários locais do campus da universidade. O conceito de aldeia global, criado pelo filósofo e educador canadense Marshall McLuhan, significa que o processo tecnológico reduz o planeta à mesma situação que ocorre em uma aldeia. Na UnB, o objetivo é transformar os dois continentes homenageados em uma só comunidade.

As atividades serão concentradas em uma grande área entre o Instituto Central de Ciências (ICC), conhecido como Minhocão, a Reitoria e a Biblioteca, em quatro espaços. O Espaço África – Anísio Teixeira, se dedica às atrações que resgatam a origem africana. A Oca dos Povos Indígenas – Darcy Ribeiro apresenta as atrações latinas. O espaço Mandala Global – Mestre Teodoro é palco de grandes shows e espetáculos. O Espaço Livre – Honestino Guimarães é de convivência.

O coordenador executivo do Flaac 2012, Elísio Lopes Júnior, disse que, embora a captação de recursos para a semana não tenha chegado ao valor esperado, a organização optou pela sua realização. “Já tínhamos adiado duas vezes”, explicou. Segundo Zulu Araújo, não deve faltar plateia, pois participam do festival, além do público em geral, 20 mil estudantes do ensino médio da rede pública do Distrito Federal. Ele lembrou que o Flaac 2012 quer provocar e instigar esses alunos para a diversidade cultural.

 

 

Fonte: Jornal do Brasil 

+ sobre o tema

Johnny Alf começou a estudar música aos 9 anos

Pianista, cantor e compositor, Alfredo José da Silva, o...

Jéssica Ellen comenta semelhança com Taís Araújo: ‘Acho ela muito bonita’

A atriz Jéssica Ellen, ínterprete da Rita na Malhação, comentou...

Beth Carvalho: Carnaval de rua é protesto e escolas viraram esquemão

A sambista Beth Carvalho, madrinha do samba, explica por...

para lembrar

No carnaval da resistência, brilhou a excelência. Laroyê Exu. Exu Mojubá!

"Carnaval ressurge pós pandemia trazendo beleza e nossa matriz...

Hip-hop destrona rock como gênero musical mais popular

Números mostram uma tendência de crescimento do gênero Da Rolling...

SP: passeio ciclístico reúne 800 pessoas por Consciência Negra

O passeio em bicicletas encerrou a I Feira da...

Núcleo de Cultura Afro-Brasileira completa 40 anos de atividades

O Núcleo de Cultura Afro-Brasileira (Nucab), da Universidade de...
spot_imgspot_img

A esperança de Martinho em “Violões e cavaquinhos”

Martinho da Vila já brincou mais de uma vez que estava cansado de cantar que a vida ia melhorar, em referência ao refrão do clássico...

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...
-+=