Filme dirigido por Ridley Scott está sendo criticado por trazer personagens africanos sendo interpretados por atores brancos. Joel Edgerton, que dá vida ao faraó Ramsés, diz entender os argumentos.

O ator Joel Edgerton, que interpreta o faraó Ramsés em Êxodo: Deuses e Reis, afirmou “entender” quem acusa o diretor Ridley Scott e os produtores do filme de “embranquecer” a história história africana no épico bíblico.
Em entrevista para a rádio australiana SBS, o ator alegou que compreende quem está propondo boicotar o filme: “Eu entendo e tenho empatia com esta posição”, disse.
Com Christian Bale como Moisés, Aaron Paul como Josué, e Sigourney Weaver e John Turturro como Tuya e Seti, pais de Ramsés, Êxodo: Deuses e Reis está sendo acusado de racismo e “colonialismo cinematográfico”.
A hashtag #BoycottExodusMovie chegou a figurar entre os assuntos mais falados nas redes sociais pedindo um boicote ao épico, pois internautas consideravam que a etnia dos atores escolhidos para o elenco não corresponde à realidade racial do antigo Egito, onde a trama se ambienta.
“Não apenas todos os personagens principais são brancos, mas todos os serviçais, ladrões e assassinos são interpretados por pessoas africanas. Gente, isso é racista”, declarou o escritor David Dennis Jr. em um dos diversos artigos que circulam na internet sobre o filme. “Estão criando uma obra de ‘arte’ que carrega um imaginário opressivo que ajudou a esmagar países em todos os cantos do mundo. Eu estou farto de Hollywood e sua aceitação dessas imagens opressivas”, afirmou.
Por outro lado, quando o jornal The Guardian incluiu Êxodo: Deuses e Reisem uma lista de filmes que tiveram “decisões insensíveis na escolha do elenco”, leitores pontuaram que “atores sempre fingem ser algo que eles não são. Isso é atuar”.
Êxodo: Deuses e Reis vai narrar a vida do profeta Moisés, baseado no segundo livro do Antigo Testamento, mostrando como ele libertou o povo hebreu da escravidão no Egito. O filme estreia dia 25 de dezembro de 2014.

+ sobre o tema

Plenário analisa resolução para inclusão de cotas raciais na magistratura

O plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) começou...

Meritocracia não existe

Maioria nas universidades, negros demandam oportunidades iguais Por Thiago Amparo,...

A juventude negra e de periferia quer viver

A luta em defesa da vida da juventude...

UnB já formou mais de 1 mil universitários pelas cotas

Após sete anos, primeira universidade federal do País a...

para lembrar

Como filmes de fantasia fazem metáfora do racismo ao mesmo tempo em que apagam negros

Produções como 'Animais Fantásticos' têm temas de opressão racial,...

“Cara de empregada. Não era pra tá ai” : Negra, Miss Brasil sofre ofensas

Negra, de cabelos cacheadas e piauiense, a nova Missa Brasil...

Criança de nove anos é vítima de racismo em escola de Piracicaba

Uma criança de nove anos foi vítima de preconceito...

Racismo e naturalização das desigualdades: uma perspectiva histórica

Artigo I - “Todos os seres humanos nascem livres e...
spot_imgspot_img

Novo Selo de Igualdade Racial será lançado para incentivar diversidade nas empresas, anuncia Anielle Franco

O governo federal planeja introduzir, até o final do ano, um "Selo de Igualdade Racial" destinado a reconhecer empresas públicas e privadas que implementam...

Professora denuncia aluno por injúria racial após estudante escrever ‘preto não é gente’ em folha de papel

Uma professora denunciou um estudante de 14 anos à polícia após ele escrever "preto não é gente" em uma folha de papel, em uma...

5 por dia: Bahia lidera ranking de mortes em ações policiais no primeiro quadrimestre

Enquanto a localização de lideranças criminosas aumentou na Bahia no início de 2024, a letalidade das ações policiais também registrou crescimento. De acordo com o Ministério...
-+=