quinta-feira, fevereiro 9, 2023
InícioArtigos ExclusivosColetiva Negras que MovemFim do pesadelo: Mulheres Negras e as eleições presidenciais

Fim do pesadelo: Mulheres Negras e as eleições presidenciais

Nunca o debate político acionou tantos gatilhos como este último, que resultou na disputa eleitoral mais acirrada desde a redemocratização. Isso porque junto à pauta conservadora defendida pelo grupo que ensejava à reeleição, veio toda a disposição para deslegitimar nossas lutas e de reforçar as estruturas de opressão que nos atingem conjuntamente: o racismo, o patriarcado e a desigualdade capitalista.

É inegável, além de visível que, desde 2018 com a ascensão do bolsonarismo, a situação de brasileiras e brasileiros negras/os e periféricos fora marcada por retrocessos em todos os aspectos. As estatísticas revelaram que fomos nós os mais impactados pelo desemprego, informalidade, precarização do trabalho e desalento. Perdemos renda, sofremos com a insegurança alimentar e com a letalidade da covid-19, além da violência em todas as suas modalidades, que tem no racismo sua causa determinante.

Lembro-me de como uma manchete da revista Carta Capital, publicada em agosto de 2020, fatídico ano pandêmico, mexeu com minha racionalidade em meio ao processo doloroso de pesquisa acadêmica para minha titulação como mestra. A matéria “Terceirização tem ‘cara’: é preta e feminina” mostrou os dados acerca da condição de mulheres inseridas no trabalho doméstico e de cuidados, negras em sua maioria, escancarava a vulnerabilidade das nossas irmãs, além de trazer a resposta a uma pergunta que muitos fizeram: porque numa casa em que patrões contraíram covid-19 numa viagem internacional, a vítima letal foi a empregada?

  A primeira vítima da covid neste país, Cleonice Gonçalves, era uma mulher negra de 57 anos, empregada doméstica desde os 13 anos, de quem os patrões omitiram a informação do contágio do vírus para que ela seguisse em sua rotina de trabalho mesmo num contexto de isolamento social que não lhe permitira ficar em sua casa diante da necessidade premente de ter sustento. Dessa mesma forma, Mirtes perdeu seu filho, Miguel, de 5 anos de idade, deixado sozinho no elevador pela patroa impaciente com seu choro, um crime motivado pela articulação do racismo e elitismo, visto ter sido uma negligência com uma criança negra, como se sua vida tivesse menor valor.

 Prosseguir com a escrita da dissertação parecia impossível para mim. Foram semanas sem conseguir ir além do que conseguira produzir até a qualificação. Em alguns momentos do dia vinha um choro incontido e perguntas fervilhavam na cabeça: produção acadêmica para que? Para quem? Como sonegar o que sinto neste escrito que demanda cientificidade e uma suposta imparcialidade? Falar de nós numa pesquisa acadêmica suprimindo nossas subjetividades?

Mulheres negras também lideraram a estatística da violência doméstica e do feminicídio. Durante a pandemia, a cada oito minutos uma mulher sofreu violência, sendo mais da metade negras. Quando não são as vítimas, são as que choram a morte dos seus quase sempre pelo braço armado do estado em abordagens truculentas nas comunidades que, segundo a visão de quem ocupa o mais alto cargo da República, “só tem bandidos” corroborando com o racismo exalado pelas instituições e engrossando a estatística que atesta estarmos diante de um genocídio de jovens pretos.

  Diante de tantas mazelas que atravessaram nossos corpos, afetaram nossa saúde mental, nunca este governo, bem como a parcela da sociedade por ele representada, se mostrou minimamente empático, atento, humano para conosco. Ao contrário. O modus operandi incluía relativizar, naturalizar e tripudiar das nossas dores sem qualquer dispositivo ético, a exemplo da ocasião em que o Presidente da República parabenizou publicamente agentes da Segurança Pública depois de uma das maiores chacinas da história do Rio de Janeiro, na favela do Jacarezinho, com 29 pessoas mortas, lidas por ele e seus asseclas como “elementos ligados ao tráfico”. Não lhes passa pela cabeça que famílias choram os seus. Famílias pretas de lares monoparentais sustentados por mulheres pretas, como constam as estatísticas.

São apenas alguns exemplos do quanto, nos últimos 4 anos, o Estado brasileiro assumiu a face cruel de juiz que arbitra sobre vida e morte. A necropolítica teve neste governo uma operacionalidade inédita e exitosa cabendo a metáfora de gigantesca máquina de moer os que nascem com o alvo nas costas e, em se tratando de uma sociedade racializada, sabemos quais corpos carregam alvos. Kathlen Romeu, 24 anos, grávida, não pôde viver para realizar seus sonhos. Era meados de 2021.

De lá até aqui, mais do mesmo. Não suportávamos mais.

 Como não sentir alívio? Numa eleição marcada pelo jogo rasteiro das fake News e da desinformação, pelo uso da máquina do Estado para comprar votos à luz do dia, também pelo assédio eleitoral praticado por empresários e, ainda, pelo terrorismo religioso que transformou igrejas das várias denominações cristãs em palanques de manifestação efusiva de apoio ao candidato à reeleição, além da escalada da violência política. Vivemos sob tensão até no dia do pleito, quando manobras para dificultar o deslocamento de cidadãos do Nordeste foram realizadas num flagrante crime eleitoral. Tudo isso para evitar que pudéssemos libertar da garganta o grito e do peito a esperança num país que olhe para a base da sociedade com humanidade.

Na base estamos nós, mulheres negras, ainda na condição das que sofrem asfixia social, vulneráveis, mais pobres, sob perdas e invisibilizadas, como sobreviventes dos filmes de catástrofes que precisam recomeçar em meio a destroços. Mas aqui também está a potência da transformação, basta que depositem em nós, institucional e legalmente, credibilidade, incentivo, oportunidades e estaremos prontas para, como figuras centrais, reconstruirmos este país, que queremos mais afetuoso e acolhedor. É nesta mudança que acreditamos. Como Pretagonistas.

Josi Souza- Professora ( Sec-Ba), Mestra em Educação ( PPGE-UEFS), feminista antirracista.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench