Futura ministra diz que aborto é questão para o Legislativo

BRASÍLIA – A futura ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci de Oliveira, defendeu nesta terça-feira que o aborto seja tratado como questão de saúde pública, mas ressaltou que a descriminalização é uma decisão do Legislativo. Ela disse também que, a partir do momento em que passa integrar o Executivo, não interessa mais sua posição pessoal. Eleonora tem formação feminista e, em entrevistas passadas, defendeu a descriminalização da prática e afirmou inclusive que já fez aborto.

Por André de Souza

– Quando eu aceitei convite da presidenta, eu sou governo. A matéria da descriminalização do aborto não diz respeito ao Executivo, diz respeito ao Legislativo – disse.

– O aborto não é uma questão de ideologia, mas uma questão de saúde pública, como o crack, a droga, a dengue, a Aids, como as doenças infectocontagiosas – acrescentou.

Questionada se pessoalmente era favorável ao aborto, a futura ministra respondeu:

– A minha posição pessoal sobre o aborto está em todos os jornais, em todas as entrevistas que eu dei. Mas a minha posição hoje é de governo.

Sobre o julgamento previsto para quarta-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) – que vai analisar se o Ministério Público pode processar o agressor mesmo sem denúncia da vítima – a futura ministra se posicionou favoravelmente.

– Sou totalmente favorável que, mesmo a mulher não fazendo a denúncia, caso se comprove, que o agressor seja punido.

Eleonora também disse que, em sua gestão, a prioridade zero será o combate à violência doméstica e de gênero:

– O que eu tenho a dizer, e acho que a ministra (Iriny Lopes) concorda inteiramente, é que o combate à violência de gênero, doméstica e sexual é fundamental. No que se trata da violência doméstica, e sexual – estupros e assassinatos pós-estupros – todo esse processo de violência é prioridade zero. É marco zero nas nossas políticas.

Questionada se o fato de ser amiga de Dilma – as duas já foram companheiras de prisão na época da ditadura – pesou na sua escolha como nova ministra, Eloonora negou.

– Foi a minha trajetória profissional e militante, a seriedade da maneira como eu levo a minha vida profissional. Meu currículo me credencia para estar neste lugar. Eu não aceitaria, nem a presidente me convidaria, por ser amiga dela. Não se faz governo com amigos, mas com negociações para a governabilidade. E ela acredita no meu currículo – afirmou Eleonora, que também falou a respeito dos anos em que passou na prisão:

– Quem passou pelo que passamos na ditadura cresce, amadurece e não esquece nunca. São marcas que nos tornam mais fortes. E o tornar mais forte também nos torna mais sensíveis ao debate, sensíveis à espera sem se sentar numa cadeira esperando a banda passar. É uma espera com ação. Uma coisa que se aprende no íntimo de cada um de nós na tortura e na cadeia é a solidadriedade. E essa solidariedade é minha marca.

Lei Maria da Penha

A futura ministra avaliou que ainda é preciso avançar e implantar de fato a Lei Maria da Penha nos estados e municípios. A atual ministra, Iriny Lopes, também criticou a decisão judicial que determinou ao empresário Djalma Brugnara Veloso manter uma distância mínima de 30 metros de sua mulher, a procuradora federal Ana Alice Moreira de Melo. Dias depois, ele a matou em Minas Gerais.

– Foi uma proteção de 30 metros. Que proteção é essa? – questionou Iriny.

Iriny também disse que haverá em março uma campanha para agilizar os processos que tramitam na Justiça envolvendo violência contra a mulher.

– Em março terá uma campanha para agilizar os processos que dizem respeito à Lei Maria da Penha e a homicídios (contra mulheres). Tanto o Executivo quanto o Judiciário precisam dar um sinal ao país de que não toleram a impunidade.

Iriny, que está de saída para ser pré-candidata à prefeitura de Vitória, também afirmou que sai contando com o apoio da presidente Dilma Rousseff.

– Eu saio com a concordância e o apoio da presidenta. Essa foi uma questão amplamente discutida com ela. Eu farei aquilo que é natural a fazer nesse processo. Retomo meu mandato de deputada e dentro do prazo que a lei eleitoral me permite, eu intensificarei as conversas com os partidos na minha cidade e com os setores sociais.

No final da entrevista, as duas se abraçaram e fizeram elogios uma a outra.

– Quero de público aqui cumprimentar toda a sua equipe e desejar um sucesso na sua nova empreitada como candidata. E desejar que ela ganhe pois precisamos de mulheres como ela na gestão pública dos municípios – disse Eleonora a Iriny.

 

 

 

Fonte: Yahoo

+ sobre o tema

Senado argentino veta legalização do aborto; entenda a votação e próximos passos

Votação aconteceu após meses de mobilização de milhões de...

A publicidade das rainhas do lar e dos homens incompetentes

Outro dia, enquanto assistia televisão, vi uma propaganda de...

Milhares já confirmam presença no ato “Mulheres contra Bolsonaro” em São Paulo

Manifestação, que deve acontecer no Largo da Batata (SP)...

‘Ranking’ expõe intimidade sexual de alunas da USP e causa revolta

Material cita também homossexuais e foi exposto no campus...

para lembrar

Considerações sobre o estupro coletivo no Rio de Janeiro

Eu li vários textos sobre o estupro coletivo no...

Mulheres fazem novo ato na Avenida Paulista contra a cultura do estupro

Com cartazes e faixas, grupo lembrou violência contra jovem...

5 coisas sobre a sua vida que as feministas não querem controlar

stou um bocado cansada de ouvir asneiras e invencionices...
spot_imgspot_img

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

França se torna primeiro país do mundo a proteger aborto na Constituição

A França se tornou nesta segunda-feira (4) o primeiro país do mundo a incluir na Constituição a liberdade da mulher de abortar. A mudança na Carta Magna...

Justiça veta parte de lei do ABC Paulista que proíbe o aborto legal

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu suspender parte de uma lei promulgada no município de Santo André, no ABC Paulista, que...
-+=